• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Boa dica Netflix? "História de um casamento".
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Charlie Sheen, a lenda, comemora dois anos longe das drogas

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > internacional

Política - Internacional

 

Segunda-feira, 11 de Novembro de 2019

Rússia, China e União Europeia querem saída democrática na Bolívia

Militares submeteram aliados de Evo à violência
Militares submeteram aliados de Evo à violência

Aliada de Evo Morales com quem desenvolvia projeto conjunto de instalação de um programa de enriquecimento de urânio numa altitude superior a 4 mil metros acima do nível do mar, a Rússia defendeu, através de seu Ministério das Relações Exteriores, uma saída constitucional para restaurar a paz no país. Ela quer a tranquilidade no estado plurinacional. Há temos generalizado, e não apenas naquele país, que o radicalismo de extrema direita e neo pentecostal que tomou o país cause prejuízos ao ambiente político e social do país. Outra preocupação evidente é quanto a segurança de Evo Morales e seus auxiliares que foram alvo de torturas e ameaças.


A Rússia alertou que a atual crise na Bolívia apresenta padrões de um golpe de Estado orquestrado - o que, mais uma vez, a coloca em zona de confronto com os Estados Unidos e países do continente onde a extrema direita chegou ao poder - como o Brasil.

Por meio de uma declaração, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia manifestou preocupação com o desenvolvimento de eventos na Bolívia, que seguiram as diretrizes de um golpe de Estado orquestrado.

"Acolhemos com alarme a dramática evolução dos eventos na Bolívia , onde uma onda de violência desencadeada pela oposição impediu o esgotamento do mandato presidencial de Evo.

O Ministério das Relações Exteriores instou as forças políticas da Bolívia a buscar uma solução constitucional para recuperar a paz, garantir os direitos de todos os cidadãos e o desenvolvimento econômico e social do estado plurinacional.

Ele também instou os estados latino-americanos, atores influentes fora desta região e organizações internacionais, a assumir uma atitude responsável em relação ao que acontece na Bolívia.

China também quer restabelecimento da paz


O Ministério das Relações Exteriores da China também se manifestou sobre o golpe contra Evo Morales. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores daquele país, Geng Shuang, disse que seu governo espera que todos os partidos possam encontrar uma solução sob a Constituição para restaurar a estabilidade política e social na Bolívia.

A União Européia instou as forças políticas da Bolívia a agir com moderação para avançar em direção a novas eleições.

"Após os eventos na Bolívia, gostaria de expressar claramente nosso desejo de que todos os partidos exerçam restrição e responsabilidade e conduzam o país de maneira pacífica e calma em direção a novas eleições com credibilidade", disse o alto representante da UE para o Política Externa, Mogherini em Bruxelas.

Evo Morales renunciou à presidência da Bolívia, denunciando um golpe de estado liderado pelo líder da oposição política Carlos Mesa, perdendo o candidato presidencial da Comunidade do Cidadão (CC), e Fernando Camacho, chefe do Comitê Cívico de Santa Cruz, depois que ignoraram o Reeleição de Morales após as últimas eleições de 20 de outubro.

O golpe de estado contra Morales foi consumido neste domingo, quando a missão da OEA emitiu um documento sem respeitar os horários estabelecidos e em que também não apresentou as evidências de supostas irregularidades recomendando a realização de novas eleições para pacificar as ações violentas da oposição e Ele expressou suas dúvidas sobre a vitória do presidente indígena nas pesquisas.

Com informações da Telesur

 

Veja também:

>> Evo Morales renuncia e comunidade internacional teme pela sua segurança

>> Crítica & Literatura: Reencontros apaixonantes

>> Bolsonaro não foi eleito para governar para milicano

>> Lula fala ao vivo com eleitores em São Bernardo do Campo - vídeo

>> Policial que prendeu filho de El Chapo é executado com 155 tiros

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Rússia, China e União Europeia querem saída democrática na Bolívia
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!