• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Sexta-feira, 27 de Novembro de 2020

Globo fará debates nesta sexta-feira em 35 cidades

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > brasil

Política - Brasil

 

Quarta-feira, 28 de Outubro de 2020

Lula defende coalizão ampla para enfrentar Bolsonaro



Do site do Partido dos Trabalhadores -

Aos 75 anos de idade, completados na terça-feira, 27, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva diz estar preocupado com o rumo que o Brasil está tomando. Ele acusa o líder brasileiro de extrema direita de chefiar um governo de destruição e que joga contra os interesses da sociedade brasileira. "É um governo totalmente submisso aos Estados Unidos de Trump. E um governo submisso, que não se respeita, não tem chance de exercer uma influência internacional positiva", alerta Lula, em entrevista à agência de notícias alemã DPA.


Na entrevista, ele não confirma que será o candidato do PT em 2022 à Presidência da República e sinaliza que estará na mestra trincheira eleitoral daqueles que querem a retomada do desenvolvimento econômico e social do país. "A candidatura presidencial não é uma questão de desejo pessoal. Em 2018, eu queria correr porque sabia que, com minha experiência, poderia fazer muito mais. Eu era o favorito para ganhar a eleição, mas eles criaram uma farsa para impedir minha candidatura", afirma.

"O que eu quero, como candidato ou como apoiante de um candidato, é ajudar a vencer o atraso que se criou no Brasil. Podemos ter uma ampla coalizão contra o Bolsonaro em 2022 para recuperar os direitos do povo brasileiro", explica Lula. Ele diz que é dever das oposições não apenas lutar contra Bolsonaro, mas explicar ao povo as consequências de suas escolhas políticas e econômicas. "O atual governo tenta, a todo o momento, reduzir os investimentos em educação, além de agredir professores e cientistas. Eles querem descartar a folha de pagamento mínima para professores e não mais reservar uma determinada quantia de gastos para a educação", aponta.

A agência alemã DPA diz que Lula retomou suas atividades políticas após ser libertado da prisão há cerca de um ano. "Ele cumpriu 19 meses por acusações de corrupção, o que seus partidários consideram uma manobra para tirá-lo da corrida presidencial de 2018 e abrir caminho para a vitória do lateral-direito Bolsonaro", aponta a reportagem, assinada pela repórter Martina Farmbauer. Na entrevista, Lula lembra que está em quarentena desde que voltou da Alemanha, em 11 de março, logo no início da pandemia do Covid-19.

"Estou preocupado com o Brasil e a desumanização das pessoas, o aumento da pobreza e as tensões que já começaram antes da pandemia e que esta crise acelerou", afirma Lula. "No Brasil, houve um grande aumento do desemprego. E em um momento em que precisamos de liderança positiva e unidade, o país é governado por Bolsonaro, alguém que mente e busca a discórdia o tempo todo".

Política de Bolsonaro é destrutiva


Lula diz que Bolsonaro subestimou os riscos do novo coronavírus e zombou das medidas preventivas sugeridas pela Organização Mundial de Saúde (PMS), além de desprezar a vida dos brasileiros. O país tem mais de 157 mil mortos. "Bolsonaro fez questão de anunciar a cloroquina, que não é eficaz contra o vírus. E agora, por pura ideologia, ele rejeita uma vacina desenvolvida pelo renomado instituto brasileiro Butantan, em parceria com a China", lamenta. "Sua atitude não tem ajudado a vida dos brasileiros e nem a economia do Brasil".

O ex-presidente da República, que governou entre 2003 e 2011, diz que a história julgará sua administração. "Governei por dois mandatos, lutei para fortalecer as instituições do país e saí com 87% de aprovação", afirma. "Tenho orgulho de ter mostrado que um trabalhador poderia ser tão competente ou melhor um presidente do que os filhos da elite. Por ter promovido o maior processo de inclusão social da nossa história. Do aumento do número de jovens brasileiros obtendo ensino de alto nível. Do respeito internacional que o Brasil conquistou".

A volta do Brasil ao Mapa da Fome e o agravamento da crise econômica e social brasileira são alguns dos problemas agravados pelo governo Bolsonaro. "Eu sei que um Brasil melhor é possível, porque nós provamos isso. O que quero é contribuir para que o Brasil recupere sua democracia, sua soberania, sua alegria e seu otimismo com o futuro", aponta. "O país precisa recuperar os direitos consagrados na nossa Constituição: o direito à moradia, ao trabalho, à saúde e à educação".

Lula diz que os direitos do povo brasileiro não podem existir apenas no papel e apenas para parte da população. Ele diz que este é o principal problema do país a ser enfrentado: a desigualdade. "Quando se luta para colocar os direitos em prática, é aí que surge a resistência das elites, e é aí que a política se torna mais importante. Quero continuar fazendo parte dessa luta", avisa. "Quando a pandemia acabar, acho que o mundo vai estar em um cenário muito difícil - já está - e precisamos discutir muito como recuperar o humanismo, a solidariedade.

 

Veja também:

>> Racismo: mulher proíbe entregador negro de entrar em edifício em Goiás

>> Maioria das mulheres negras não exerce trabalho remunerado, aponta estudo

>> Deputado denuncia que Bolsonaro deu início à privatização do SUS

>> Em "guerra" com Dino, Bolsonaro visita as três cidades em que venceu a eleição no MA

>> No Roda Viva, João Santana defende honestidade de Lula e não crê em reeleição e Bolsonaro - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Lula defende coalizão ampla para enfrentar Bolsonaro
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!