• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Sábado, 03 de Novembro de 2018

Alec Baldwin é preso após confusão em estacionamento

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > gastronomia > bares

Gastronomia - Bares

 

Terça-feira, 07 de Março de 2017

Estuprador no Brasil já foi condenado a castração, revela recorte de jornal

Da Redação - da página de Maria Fernanda Arruda

O Brasil, que já teve pena de morte, experimentou também punições como a castração
O Brasil, que já teve pena de morte, experimentou também punições como a castração


A reprodução de um recorte de jornal datado de 1833, onze anos após a Independência do país e ainda quando o país vivia sob a égide da pena capital, revela que neste período, há quase 200 anos portanto, a lei da castração era aplicável àqueles homens que abusavam das mulheres ou mesmo que atentavam contra a honra feminina. Eventualmente apresentada em forma de projeto de lei, a castração, de acordo com a reportagem, era feita em presídio com o uso de um machado ou martelo.



A reportagem é de um jornal impresso de Sergipe. Diz o texto que Manuel Duda, o acusado, teria agido contra uma mulher casada com quem queria fazer "chumbregâncias". Sant'Anna, a ofendida, era casada com um homem identificado como Xico Bento. A partir daí há uma análise onde se afirma que, por ser casada, a mulher só poderia conxambrar (manter relações) com seu marido - .

Macete: martelo esmagaria os órgãos sexuais
Macete: martelo esmagaria os órgãos sexuais  


Sobre o acusado é dito ainda que já teria agido contra duas mulheres donzelas, da vizinhança, e que mesmo os homens, se não se cuidassem, poderiam vir a ser vítimas de Manuel Duda. Daí a setença: capado com o uso de um macete.

Motta Coqueiro - o Brasil na era da pena-de-morte



Em 1855, o Brasil cumpriu sua última sentença de morte. O condenado foi Manuel da Motta Coqueiro. O homem, fidalgo, que servia e era muito próximo da corte de D. Pedro II, foi acusado de mandar matar uma família inteira com seus onze integrantes em Conceição de Macabu, no Norte Fluminense. Por isso ele ganhou a alcunha de "Fera de Macabu".
Imagem ilustrativa da internet
Imagem ilustrativa da internet  


O motivo da morte seria o fato dele ter engravido Francisca, uma jovem filha do seu caseiro, Francisco Benedito. Como a jovem não quis abortar, ele teria decidido exterminar a família para poupar seu nome, imagem e principalmente a honra familiar. Mas, em recente biografia, Carlos Marchi levantou a hipótese de que a assassina (ou mandante) teria sido a mulher de Motta Coqueiro, Úrsulla das Virgens.

Ele foi enforcado em Macaé, diante do mar.

Por tudo isso é um erro acreditar que o Brasil é um país avesso à pena-de-morte. Ao contrário: durante 400 anos ela foi aceita no país e largamente aplicada. A novidade ainda é sua proibição.

a reportagem do jornal de Sergipe
a reportagem do jornal de Sergipe  

 

Veja também:

>> Habib's: seguranças não são os únicos suspeitos, mas a lerdeza da polícia também

>> Globo aposta em Alckmin para 2018

>> Avião Britânico é flagrado no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre

>> Fora de Pauta: repórter Luarlindo Ernesto revela o que "não poderia levar para o túmulo" - vídeo

>> Depois de exaltar ricos, Dácio Campos vai para a geladeira no Sportv - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Estuprador no Brasil já foi condenado a castração, revela recorte de jornal
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!