• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > novas mídias

Cultura - Novas Mídias

 

Domingo, 08 de Outubro de 2017

Ombudsman da Folha faz mea-culpa no caso do suicídio do reitor da UFSC

Juíza Cassol Machado
Juíza Cassol Machado

Há uma disputa entre agentes, delegados da Polícia Federal, procuradores e promotores e até juízes para saber quem consegue atrair, em maior grau, a atenção da mídia. A onda da espetacularização da notícia, que muitas vezes resulta em prisões e condenações prévias de acusados, sofreu um revés há dias quando o reitor da Universidade de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, cometeu suicídio e deixou bilhete se dizendo injustiçado. Luiz Carlos, ao contrário do que a mídia fez acreditar, não era suspeito de desviar recursos, mas de não ajudar a polícia a descobrir quem desviou - o que seus defensores negam. Leia aqui artigo publicado hoje na Folha de São Paulo pela ombudsman Paula Cesarino Costa.



"

Jornalismo de ouvidos moucos



O corpo no chão do shopping tornou-se trágico sinal de alerta.

A aceitação passiva do discurso policial, o açodamento na busca de culpados por desvios, a imperícia nas técnicas elementares de reportagem e a irresponsabilidade de agentes públicos contribuíram para a morte de cidadão privado do direito à presunção da inocência.

Por mais incisiva e rigorosa que seja a autocrítica da cobertura da imprensa na acusação e morte do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, já se terá mostrado tardia, insuficiente e assustadora do viés punitivo de algumas das principais instituições sociais do país.

É preciso reconstituir o episódio. No caso da Folha, o jornal mantém à disposição do leitor a seguinte notícia : "Reitor da UFSC é preso em operação que apura desvio de verba em cursos". A abertura do texto diz: "A Polícia Federal prendeu o reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, e outras seis pessoas ligadas à instituição nesta quinta-feira (14/09).





Segundo a PF, o grupo é suspeito de desviar recursos que deveriam ser investidos em programas de Educação a Distância."

Só no parágrafo seguinte esclarece que o reitor é, na realidade, suspeito de tentar barrar investigações.

A pedido de delegada da Polícia Federal que preside o inquérito, uma juíza que atuou em casos da Operação Lava Jato determinou a prisão de Cancellier e a sua proibição de entrar no campus. A operação foi batizada de "Ouvidos Moucos".

Em depoimento, o reitor negou que tentasse barrar a apuração. Ficou preso um dia. Em artigo, escreveu que se sentia perplexo e amedrontado, submetido a humilhação e vexame sem precedentes.

Menos de 20 dias depois, Cancellier se atirou do alto da escada rolante de shopping, em Florianópolis. No bolso, um bilhete: "A minha morte foi decretada quando fui banido da universidade!!!"

Em sua versão eletrônica, a reportagem de setembro tem hoje um sinal de Erramos, produzido 23 dias depois de sua publicação: "A reportagem deixou de informar que o reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, era investigado por suspeita de interferir na apuração sobre o desvio de recursos na universidade, e não pelo desvio em si".

A admissão do erro foi direta, mas insuficiente e demorada.

Em 7 de outubro, o jornal publicou reportagem que afirmava que, em carta enviada em julho à Polícia Federal, o corregedor da UFSC disse que vinha recebendo "os mais diversos tipos de pressão por não aceitar ser subserviente ao gabinete do reitor" da instituição. O advogado do reitor contrapunha que Cancellier agira dentro da lei e buscava informar a Capes sobre o episódio.

O editor do núcleo de Cidades, Eduardo Scolese, explicou que, sem correspondente em Florianópolis, as informações da primeira reportagem haviam sido apuradas por telefone e e-mail, sem contestação.

Não se trata aqui de discutir se o reitor estava de fato fazendo ouvidos moucos aos pedidos da polícia ou tentando interferir na investigação. O que interessa é refletir sobre a maneira como a mídia tem lidado com operações policiais que buscam holofotes em investigações ainda em andamento.

As reportagens de diferentes veículos eram quase iguais, feitas exclusivamente com base em poucas e confusas informações divulgadas pela Polícia Federal. Não identifiquei nenhum órgão de imprensa que tenha levantado inconsistências ou ao menos tentado relativizar as acusações apresentadas.

Esse comportamento não é exclusivo desse caso. Tem sido rotineiro diante de tantas investigações.

Questionei o secretário de Redação Vinicius Mota sobre a forma como o jornal vem abordando investigações recentes: "A Folha se preocupa, como está em seus documentos públicos, em não ser veículo involuntário de injustiças contra pessoas ou empresas. Para isso se compromete com protocolos como a necessidade de ouvir e destacar o outro lado e a correção explícita de erros detectados, como foi feito nesse caso", respondeu.

O AMBIENTE PUNITIVO NASCIDO DA ESPETACULARIZAÇÃO DA AÇÃO POLICIAL E DOS PROCEDIMENTOS JUDICIAIS TEM REFLEXOS E RESPONSABILIDADE DA IMPRENSA. JORNAIS E JORNALISTAS NÃO PODEM ADERIR A ONDAS NEM DE CONDENAÇÃO DE ACUSADOS NEM DE ATAQUE AOS INVESTIGADORES. PRECISAM REFLETIR SOBRE SEU TRABALHO, REAVALIAR AS FERRAMENTAS DE CONTROLE, INSISTIR NA BUSCA DO RELATO JORNALÍSTICO MAIS PRECISO E PLURAL.

CERTO COMPORTAMENTO DE MANADA, EM QUE UM FAZ ALGO PORQUE OUTRO FEZ, DEVE SER VIGIADO E COMBATIDO.

EM ALGUNS MOMENTOS, É PRECISO"

 

Veja também:

>> Chandelly Braz, atriz de TV e teatro, denuncia censura de Crivella

>> Brizola segue sendo o melhor governador da história do Rio de Janeiro

>> Helley: a professora heroína e as histórias diferentes contadas pelos "anjos"

>> Caetano voltou: músico finalmente liberta o Caetano que guardava dentro de si

>> Crítica & Literatura: Pelas águas e terras da Guanabara

>> Lula volta a ONU para ampliar denúncia contra perseguição da Lava-Jato

>> Guerrilha do MBL mira arte e sexo, espalha o caos e quer vender a "solução"

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Ombudsman da Folha faz mea-culpa no caso do suicídio do reitor da UFSC
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!