• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

Caetano entrevista Manuela D'Ávila
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018

Atrizes da Globo quebram silêncio e pedem que TSE puna Fake News - Vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > curta conexão

Cultura - Curta Conexão

 

Quarta-feira, 10 de Outubro de 2018

Jornalistas negros se manifestam pela democracia e em repúdio à morte de Moa

Mestre Moa: crime bárbaro
Mestre Moa: crime bárbaro

Um movimento dos mais legítimos, mas ao mesmo tempo esquecido nas redações de jornais, os jornalistas negros se manifestam em defesa da democracia e pela memória do Mestre Moa, assassinado no domingo em Salvador por um correligionário do candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro. Em nota divulgada pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio, os jornalistas se referem ao caso do assassinato como exemplo do período turbulento vivido pela democracia brasileira.

Na mesma nota o sindicato se solidariza a jornalistas da Globo, Record e Band que foram hostilizados por simpatizantes de Bolsonaro durante a cobertura em frente à casa do candidato na Barra da Tijuca.



Eis a nota:


"(...)Com pesar, recebemos a notícia do assassinato do capoeirista e ativista cultural, Mestre Moa do Katende (Romualdo Rosário da Costa), 63 anos. O mestre foi morto, na noite do último domingo (07/10) com 12 facadas por defender seu voto no candidato Fernando Haddad (PT) em uma discussão com um apoiador do candidato do PSL.

A Bahia perdeu um agente de propagação da cultura afro-brasileira. Mestre Moa era religioso de candomblé e um artista com múltiplas facetas. Foi um dos fundadores do afoxé Baduaê, uma entidade carnavalesca responsável por uma das revoluções estéticas no Carnaval da Bahia.

Na capoeira, uma prática cultural fortemente ligada à preservação de valores como a não violência chegou ao topo de "Mestre", categoria que é conquistada a partir do respeito dos seus pares. Mesmo com elementos de luta, a capoeira, tombada como patrimônio brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan, não incentiva a disputa violenta, mas sim o respeito ao oponente.

Além da tristeza com a morte de uma pessoa comprometida com valores como a promoção da paz e da resistência, manifestamos a nossa preocupação diante do clima de ódio e agressões que estão sendo disseminadas pelo país.

Comunicadoras e comunicadores que somos, sabemos dos riscos produzidos pelo estímulo à violência, ao uso de armas e ataques a direitos da população LGBTTQ+, mulheres, negros e indígenas, que têm aparecido fortemente nos discursos do candidato do PSL. Estamos estarrecidas e estarrecidos com o ódio que tem sido estimulado e reverberado nos segmentos da população em situação de vulnerabilidade. Negras e negros são os mais atingidos pelos variados tipos de violência, inclusive o feminicídio e mortes de jovens.

O Brasil, assim como todo o mundo, está em meio a uma revolução digital, com o surgimento de novas plataformas de comunicação que mudaram as formas de relacionamento com a notícia. Não à toa, o país tem aparecido nos primeiros lugares de ranking de estudos sobre o forte consumo de "fake news" sem a formação de uma consciência crítica.

Desde 2014, as campanhas eleitorais vêm sendo invadidas por este fenômeno que, nesta eleição, ganhou ainda mais proporção e - o mais grave, tem sido usado como "arma de guerra imagética" por candidatos e seus simpatizantes.

Dessa forma, viemos, mais uma vez fazer o alerta de que irresponsabilidade no uso de um direito básico como a informação é um atentado e um desrespeito às bases democráticas.

Estamos vigilantes para cumprir a nossa responsabilidade social como jornalistas de denunciar os abusos e violações aos princípios constitucionais.

Por fim queremos manifestar toda a nossa solidariedade e apoio aos familiares e amigos do Mestre Moa.

Comissão Nacional de Jornalistas pela Igualdade Racial (CONAJIRA/FENAJ)"

 

Veja também:

>> Record e Band vão espalhar fake news contra Haddad, diz Ricardo Noblat

>> Médica rasga receita de paciente idoso após ele revelar voto no PT

>> Roger Waters usa o show no Brasil para denunciar fascismo de Bolsonaro - vídeo

>> Leonardo Stoppa desconstrói a fake news bolsonariana do Kit Gay - vídeo

>> Caetano lamenta assassinato de Moa do Katendê - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Jornalistas negros se manifestam pela democracia e em repúdio à morte de Moa
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!