• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Terça-feira, 22 de Setembro de 2020

Mignonnes: corra e assista no Netflix antes que Damares censure
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

"Remédio Amargo": filme que lava a alma da mulher oprimida

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > gastronomia > bares

Gastronomia - Bares

 

Quarta-feira, 21 de Setembro de 2016

Suspeita de que haja material roubado no sítio - mas não é o de Atibaia

Da Redação

Casa Klemtz: tão vulnerável.... ainda bem que tem gente que copia...
Casa Klemtz: tão vulnerável.... ainda bem que tem gente que copia...

Imagina se de repente encontrassem objetos muito, mas muito semelhantes aos furtados de um museu no Sítio de Atibaia, aquele que a Polícia Federal, procuradores e o juiz Sérgio Moro tentam provar que pertence a Lula? O que você acha que aconteceria? Veja se você concorda comigo: no ato seguinte haveria um mega-esquema de policiais e peritos no sítio para checar, rapidamente, se de fato os objetos seriam ou não. E, caso não fossem, ele poderia ser condenado por falta de provas, mas convicção de que não roubou, mas poderia ter roubado, certo? Certo.



Agora, muda a página. Na chácara de propriedade do ex-prefeito de Curitiba, Rafael Greca, estão objetos de arte muito semelhantes aos 12 furtados da Casa Klemtz, um museu Municipal, há 12 anos. A notícia foi divulgada hoje pela Folha de São Paulo. A reportagem, de Cátia Seabra, não afirma que as obras de arte estejam no sítio, mas revela a semelhança. E sugere que se faça a investigação.

Leia também:
futebol - Sem Provas, passa para Convicção que lança Fiz a Diferença...

O que Moro tanto faz nos EUA?

As obras foram expostas pelo próprio Greca oito anos após a notícia do furto no Museu. Ele as exibiu na sua página do Facebook com muito orgulho e muito amor.

Houve uma comparação entre as peças roubadas e as exibidas. E a semelhança é mais ou menos a de gêmeos univitelinos. Algo que podemos chamar de "pressionante!"

Greca tem uma explicação: tem muitas cópias por aí. Certamente é apenas uma delas. Mas, pelo sim, pelo não, seria prudente a Polícia Federal investigar - cabe a ela fazer apuração de crimes envolvendo objetos de arte.

Tudo acontece em Curitiba, terra de Sérgio Moro. O juiz, que voltou, novamente, dos Estados Unidos (como viaja esse menino!), não pode habitar num estado onde paire dúvidas sobre a honradez de seus líderes políticos.

Três móveis parecem demais. Mas muito, muito mesmo, com os que foram roubados no museu. Uma cristaleira ("étagère") e dois lavatórios - estes, do século XIX.

Greca acha que tudo isso ocorre porque é candidato à Prefeitura. E nisso temos que discordar: desde quando ações policiais ou judiciais são tomadas sob influência de interesses políticos? Em que país vive Rafael Greca?

Leia aqui a reportagem publicada na Folha de São Paulo

 

Veja também:

>> O que Moro tanto faz nos EUA?

>> Futebol: Sem Provas, Convicção e Fiz a Diferença - um ataque de morte!

>> Tucanos querem aprovar projeto que tira Marina do páreo em 2018

>> O trem do Fascismo parou na estação: não se assuste, mas ele já chegou - vídeo

>> Entrevista com Jandira fez lembrar a de Brizola - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Suspeita de que haja material roubado no sítio - mas não é o de Atibaia
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!