• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Você é um abolicionista moderno ou escravagista?
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Domingo, 10 de Dezembro de 2017

Morre aos 98 anos a atriz Eva Todor

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > estética > estilo

Estética - Estilo

 

Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2017

A história do turbante põe fim ao equívoco da "apropriação cultural"

Por Fábio Lau

Ao longo da história da humanidade sempre houve turbante
Ao longo da história da humanidade sempre houve turbante

Primeiro este jornalista procurou informações com quem sabe. Vera Queiroz, figurinista dos grandes eventos e com passagem vitoriosa pela Rede Globo, no núcleo de novelas, formada em Belas Artes pela UFRJ, possui acervo farto sobre roupas, moda e suas origens. Ao procurá-la para tratar do tema turbante, este jornalista ouviu de pronto: "estou adorando a polêmica! Mas vou logo avisando: há boatos de que até Adão usou turbante!" E Vera não estava brincando. Em um livro consultado por ela, "O Dicionário dos Símbolos" consta lá a informação entre outras mais. No campo das "outras mais" descobre-se que já na Grécia antiga o adereço era de uso frequente. Mas não apenas ali.



Vera Queiroz explica ainda que a maioria das indumentárias mudam de finalidade ao longo da história. Assim, aquilo que hoje é religioso, no seu início foi visto com finalidades diversas. Ela cita como exemplo algo que ocorreu dentro da sua própria casa. A mãe, fã de Carmem Miranda, tinha coleções de turbantes e os usava com frequência:

- Seria ela acusada de apropriação cultural por manifestar a admiração por Carmem Miranda? - pondera.

Carmem Miranda: turbantes e fãs
Carmem Miranda: turbantes e fãs   
A polêmica, para quem não estava ligado, começou por conta do uso do turbante por Thauane Cordeiro, uma jovem em tratamento contra o câncer. Ela, que faz tratamento quimioterápico e por isso está temporariamente careca, foi advertida em lugar público por uma mulher que disse que o uso da indumentária seria "apropriação cultural". Pela interpretação da interpeladora (parece termo policial, né?), a jovem tentava subtrair algo que era próprio da cultura negra.

A coisa teria encerrado ali se a jovem, ferida nos seus sentimentos, não desabafasse no Facebook. Ao relatar o caso, em vez de apoio sofreu ainda mais críticas. Especialmente porque a empresa em que trabalha decidiu fazer um movimento em favor do uso do turbante.

Leia também:
A palavra é: "apropriação cultural"


Mas o fato, e é bom que este episódio tenha ocorrido, é que o turbante não é e nem pode ser tratado como peça exclusiva de qualquer cultura ou religião. Seu uso remete ao ano 3000 aC. Já na Grécia antiga havia registros de uso. E a partir daí ele se disseminou por todos os continentes. No norte da África os beduínos usavam e ainda usam. Assim como na Índia, China, entre os muçulmanos e africanos. O uso religioso ocorre entre hindus e também religiões africanas como Candomblé.

Neste texto, de Ramon Figueiredo, que tem pesquisa de Andressa Fourquet, há muita coisa que ajuda a esclarecer. Mas, afora ele, há também um registro importante a se fazer: beber em contes diversas amplia o conhecimento histórico e cultural. Fechar-se na própria cultura, portanto, é um equívoco. Quebrar os muros e fronteiras é portanto o receituário para a gente alcançar um mundo melhor, sem discriminação e discórdia, né?



TURBANTES: POR QUE SEU USO NUNCA SERÁ APROPRIAÇÃO CULTURAL



Contrariando as postagens de parte do movimento negro, os turbantes não surgiram apenas na África, o que não significa que é original da Europa, Ásia ou América, por um motivo óbvio: não existe apenas uma história acerca das origens dos turbantes, existem várias. Ainda hoje os turbantes são utilizados por pessoas brancas e negras e nunca poderá ser classificado como "apropriação cultural". No entanto, podemos sim, classificar as singularidades do uso através das diversas culturas nos mais variados tempos históricos. Mas é preciso entender: turbante é um patrimônio mundial e não é propriedade cultural de nenhum grupo, sendo assim não podemos dizer que o turbante é de uso atribuído a nenhuma cultura específica. A intenção da postagem é abordar exclusivamente o uso desta peça pelos povos ancestrais europeus. As fotos que disponibilizarei contém grande valor e dá sustentação argumentativa, pois é um objeto de estudo que contextualiza diversos períodos históricos.

3 mil antes de Cristo, segundo registros
3 mil antes de Cristo, segundo registros  


Analise historiográfica:



No sítio arqueológico de Cnossos, na ilha de Creta (Grécia), existem pinturas e estátuas conhecidas mundialmente, datando da Idade do Bronze (3000 a.C.), que mostram pessoas usando turbantes.

Estátuas localizadas no sítio arqueológico da Idade do Bronze da ilha grega de Creta. Pintura da Idade do Bronze localizada em uma das paredes do Palácio do sítio arqueológico de Cnossos.





Do mesmo modo é possível encontrar registros de figuras trajando este item na Grécia Antiga (1 100 a.C. até 146 a.C.), e Roma Antiga (Século VIII a.C), passando pelos Vikings e continuando sua história ora mais ora menos popularizado. Tradicionalmente, a Grécia Antiga abrange desde 1 100 a.C. (período posterior à invasão dórica) até à dominação romana em 146 a.C., contudo deve-se lembrar que a história da Grécia inicia-se desde o período paleolítico, perpassando a Idade do Bronze com as civilizações Cicládica (3000-2 000 a.C.), minoica (3000-1 400 a.C.) e micênica (1600-1 200 a.C.); alguns autores utilizam de outro período, o período pré-homérico (2000-1 200 a.C.), para incorporar mais um trecho histórico a Grécia Antiga.


É notável que as origens dos turbantes são incertas e de antemão, trago-lhes o óbvio: assim como os sapatos evoluíram de uma prática cobertura dos pés para uma peça de vestuário que revela a classe e a origem da pessoa, do mesmo modo os turbantes evoluíram de uma simples cobertura de cabeça para algo que identifica as pessoas ao longo de linhas culturais, religiosas, políticas e sociais.

O turbante nada mais é do que uma tira de tecido amarrada à cabeça e dependendo de sua localização temporal e geográfica, pode-se ter diversos usos: proteção, símbolos de poder religioso, social e de riqueza, como utensílio estéticos, entre outros. Por exemplo, na Europa, por muito tempo, os turbantes foram um importante acessório dos artistas de estúdio, usados para proteger os cabelos das tintas e do pó de mármore. Élisabeth-Louise Vigée-Le Brun, a pintora mais famosa do século XVIII, pintou seu autoretrato usando um turbante, por exemplo. Van Eyck, igualmente. Dürer retratou o artista Michael Wolmegut usando um turbante preto. Adam Kraft esculpiu seu autoretrato com um turbante.


Na Europa, no final dos anos 1700, o turbante deixa de ser exclusivamente uma peça de adorno dos nobres (de tecido fino, às vezes com pedrarias) e uma peça utilitária para os plebeus e serviçais europeus (de tecido bruto), para adquirir mais uma função: acessório de moda. Após a Revolução Francesa (1789-1799), Paris despontou como Capital Mundial da Moda, influenciando as tendências de vários países ao redor do mundo.


Durante a Segunda Guerra Mundial assim como no período pós-guerra - quando a pobreza assolava grande parte da Europa, o turbante teve seu uso reforçado no continente. Mais do que um artigo de moda ou luxo, o item foi muito usado pelas européias para esconder os cabelos maltratados devido às condições de vida precárias. Até hoje turbantes integram indumentárias tradicionais de vários países europeus.


Chegada dos turbantes no Brasil:

Os turbantes chegaram ao território brasileiro juntamente com os primeiros invasores europeus, no ano de 1500. Este item já era usado na Europa não somente antes, mas também durante toda Idade Média. Existem registros ilustrados de quase 400 anos antes da chegada dos portugueses ao Brasil, do uso de turbantes na Europa medieval por homens e mulheres, nobres e plebeus.Os nobres usavam turbantes de tecidos finos e adornados com pedrarias. Enquanto os plebeus e serviçais europeus usavam turbantes de tecido bruto, geralmente de cor crua, tal qual aqueles que foram, posteriormente usados pelas pessoas escravizadas no Brasil. Estes registros incluem diretamente a corte portuguesa.

Questão religiosa:

O fato de determinada religião promover um objeto - que já era de uso comum- a objeto religioso, não significa que quem continuar usando-o de maneira não religiosa, estará cometendo uma ofensa. Usar de maneira não religiosa roupas brancas, vasilhas de barro ou metal, saias/vestidos longos e rodados, turbantes, roupas com babados e rendas, búzios (que são usados por povos ribeirinhos e de regiões costeiras do mundo inteiro) e tantos outros objetos que sempre foram de uso comum, não é desrespeitar as religiões que os transformaram em objeto de culto.

Da escolha do turbante como um dos símbolos de luta e resistência dos movimentos por direitos de pessoas negras:

Os movimentos têm todo direito de eleger seus símbolos. Mas não têm direito a requerer a propriedade exclusiva dos objetos elegidos para tal, principalmente quando estes já eram de uso comum da humanidade. O fato de um movimento escolher como símbolo um item - que já era de uso comum e mundial desde os primórdios das civilizações - não o transforma em sua propriedade exclusiva e tampouco dá direito a decidir quem deve ou não usá-lo.

Primórdios: origem não era de caráter religioso
Primórdios: origem não era de caráter religioso  


Da volta dos turbantes à moda:

No final dos anos 1700 na Europa além das funções de objeto de uso utilitário e adorno de nobres - com as devidas diferenças entres os dois - os turbantes ganharam também a função de acessório de moda. Assim passaram a seguir o mesmo caminho de outros acessórios de moda, indo e voltando para moda de tempos em tempos. Assim como as calças Saint Tropez (ou cintura baixa) foram moda nos anos 60, démodé nos anos 80 e início dos 90, e voltaram com força total em meados dos anos 90, tantos outros itens passam por essas variações e com o turbante não é diferente. O fato de alguns grupos usarem como objeto religioso ou representativo, não faz com que perca suas outras funções, nem mesmo a de acessório de moda, se assim fosse, algumas religiões evangélicas poderiam reivindicar o uso das saias longas, por exemplo, que igualmente aos turbantes, entram e saem de moda.

Dos vários tipos de adornos de cabeça e do desconhecimento da maioria das pessoas:

Basta uma simples pesquisa sobre tipos de turbantes usados ao redor do mundo para entender que os modelos são muito variados e que ainda hoje são usados com diversos significados. Mesmo existindo um número enorme de modelos de turbantes, nem tudo que tem sido classificado como tal, é realmente um turbante. A maior parte das pessoas, ainda confunde turbante com laços, lenços, tira de tecido trançado ou cruzado, toucas adornadas, etc. Quanto mais tecido tem, maiores são as chances de errar a classificação. Nem todo tecido usado como adorno de cabeça será um turbante.

Conclui-se, que:

Na maioria das vezes, no Brasil, o tom mais claro de pele é herdado pela ancestralidade européia. Logo, se as civilizações ancestrais européias (inclusive portuguesas) já usavam turbantes antes do contato com outras civilizações - continuando seu uso através dos tempos - acusar uma pessoa brasileira de pele clara, de estar fazendo "apropriação cultural" ao usar um turbante, além de ser uma grande falácia, demonstra total desconhecimento histórico. Os turbantes que entram e saem da moda, não são aqueles com significado religioso (ou de luta), mas sim os que são usados como adorno, tal qual já eram usados na Europa antes da chegada dos portugueses ao Brasil. É importante ressaltar que os registros de turbantes não religiosos usados por civilizações européias, datam de épocas anteriores ao contato destas com civilizações de outros continentes. O fato de vários povos usarem este item contemporaneamente, cada um com seu significado, não anula a importância de nenhum desses significados. Se para um povo é um importante item cultural-religioso, para outro é um importante item cultural de adorno. E como qualquer outro item de adorno, é normal que em determinados momentos esteja na moda, e em outros não. A apropriação cultural do turbante acontece, não quando pessoas - independentemente da cor da pele e/ou país de procedência, o utilizam. Mas sim, quando um determinado grupo requer para si, o uso exclusivo de uma peça que é de "propriedade" mundial. Sem dúvida, são de valor inestimável, as inúmeras heranças exclusivas deixadas pela cultura africana para a formação da cultura brasileira, mas certamente o turbante não é uma delas. O turbante é uma herança deixada da humanidade para a humanidade.

Leia aqui para ver as imagens do histórico do turbante

 

Veja também:

>> Decisão de Celso de Mello em favor de Moreira reforça processo de Lula na ONU

>> Circo Brasil: e a Folha e o Globo se queixam da censura!!!

>> O termo é: "Apropriação Cultural!"

>> Jornal da Globo ensina trabalhador a fazer economia para se aposentar. E a gente ajuda...

>> O Brasil de 2017 revive o Brasil de 1984: porque é melhor Temer que indiretas

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
A história do turbante põe fim ao equívoco da "apropriação cultural"
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!