• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20180814 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 13 de Agosto de 2018

Globo bate forte em Aécio Neves e Anastasia - vídeo
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quarta-feira, 08 de Agosto de 2018

"Chandler Bing", de Friends, é internado às pressas nos EUA

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 21 de Julho de 2018

Crítica & Literatura - O reconhecimento da mágoa

Fotos de divulgação

Domenico Starnone nega ser Elena Ferrante
Domenico Starnone nega ser Elena Ferrante
Por Olga de Mello*

Encerrada a Copa do Mundo, o ano brasileiro recomeça, embora 2018 ainda nos reserve eleições em que apenas as incertezas delineiam o cenário. É sobre o desalento e rompimento de expectativas que tratam o inglês Ian McEwan em "Meu livro violeta" (Companhia das Letras, R$ 44,90), e o italiano Domenico Starnone em "Laços" (Todavia, R$ 44,90), em duas abordagens distintas. O conto de McEwan fala de inveja, vaidade e amizade; o romance de Starnone discute ressentimento, desespero e casamento.



Enquanto McEwan faz do reconhecimento público a razão da existência de dois escritores amigos desde a juventude, Starnone constrói um ambiente claustrofóbico para situar uma família triturada pela desconfiança. O "livro violeta" é a edição discreta do texto plagiado pelo escritor menos bem-sucedido de um original do amigo festejado pela crítica. Sem qualquer vestígio de culpa pela fraude, o narrador busca o sucesso a qualquer custo. Além do conto, o volume traz "Por você", libreto criado por McEwan para uma ópera do compositor Michael Berkeley, que também traz personagens duros e centrados em si próprios. Apaixonada por um maestro vaidosíssimo, mulherengo e completamente egoísta, Maria, a empregada polonesa da família, encontra a fórmula perfeita para prendê-lo a ela.


O egoísmo salta em cada página de "Laço's, a história de um núcleo familiar que se mantém unido, embora o afeto tenha se dilacerado ao longo dos anos. Ao lançar o contundente romance em 2014, o napolitano Starnone, ganhador do Prêmio Stregha em 2001, e um escritor muito popular na Itália, acendeu as suspeitas de que poderia ser o autor das obras de Elena Ferrante, pseudônimo de quem assina a celebrada Tetralogia de Nápoles, iniciada com "A amiga genial" (Biblioteca Azul, R$ 44,90). As semelhanças temáticas - "Dias de Abandono", o primeiro romance de Ferrante tem como protagonista uma mulher, mãe de dois filhos, deixada pelo marido; em "Laços" um homem vai viver com a amante, desfazendo o casamento, sem conseguir manter a intimidade com o casal de filhos - levaram o Corriere Della Sera em outubro de 2016, a publicar gráfico da empresa suíça OrphAnalytics, especializada em detectar autoria e plágios de textos, demonstrando o quanto a produção de Starnone se parece com a de Ferrante.

A análise veio a público duas semanas depois que o jornal Il Sole 24 Ore publicou a reportagem do jornalista Claudio Gatti, que apontava a tradutora Anita Raja, casada com Starnone, como a verdadeira Elena Ferrante. Entre os indícios estaria a evolução patrimonial da família, o que corresponderia ao sucesso das vendas dos livros de Ferrante.

Domenico Starnone nega ser Elena Ferrante e, em entrevistas, já disse que Laços, que foi adaptado por ele mesmo para o teatro e ganhará uma versão cinematográfica, trata de uma "falsa reconciliação" de um casal. O desalento dos personagens, presente ao longo da narrativa, é doloroso e descrito de maneira que arrebata o leitor. Distanciando-se da polêmica sobre a autoria, Laços toca cruelmente no conformismo a que tantos se entregam para levar a vida adiante e na animosidade disfarçada que envolve relações duradouras, sólidas e amarguradas.




* Olga de Mello é jornalista, crítica literária, cronista e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo

 

Veja também:

>> Ex-apresentadora do Vídeo Show afirma que foi vítima de racismo

>> Aos amigos que me bloquearam....

>> Ciro vira alvo do Globo em "denúncia" de verba indenizatória

>> Das traquinagens de Jefferson: PTB "pune" Alckmin com mais 3 minutos

>> Mino Carta e a parábola d'O Príncipe e o plebeu

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura - O reconhecimento da mágoa
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!