• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20210927 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 27 de Setembro de 2021

Corpo de cantor sertanejo é encontrado dentro de carro em BH
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quinta-feira, 23 de Setembro de 2021

Uma boa série? Vosso Reino, na Netflix

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 10 de Abril de 2021

Crítica & Literatura: Cartas dos Invisíveis

Cartas dos invisíveis


Olga de Mello*

No fim dos anos 1950, o jornalista Audálio Dantas escreveu um artigo sobre a catadora de papel Carolina de Jesus, que registrava, com redação ortograficamente confusa, mas admiravelmente precisa, a vida com seus filhos na favela do Canindé, às margens do Rio Tietê, em São Paulo.


Editado por Dantas, o diário foi publicado e se tornou o best-seller Quarto de despejo (Ática, R$ 43,90). Mais de 60 anos depois, a realidade de muitas famílias brasileiras, ainda lutando para sobreviver numa acachapante desigualdade social, é semelhante à de Carolina e seus filhos. E também a de outros pobres encarados apenas como serviçais nas sociedades eurocêntricas ocidentais.

Em 1962, a antilhana Françoise Ega, que havia emigrado para a França, leu a história de Carolina numa revista. Nascia então Cartas a uma negra (Todavia, R$ 59,90) um diário epistolar em que Françoise descreve seu cotidiano como empregada doméstica em Marselha, onde vivia então. Na época, diversos nascidos em ex-colônias francesas começavam a chegar ao país. Embora Françoise Ega tivesse feito Ensino Médio e um curso de secretariado, não conseguia emprego de secretária.
Decidiu fazer faxinas para complementar a renda da família, no horário em que os cinco filhos estavam no colégio.





Mam'ega, como ficou conhecida mais tarde, começa a escrever as cartas à Carolina, sabendo que dificilmente elas chegariam à sua inspiradora.
Nelas, fala sobre as imigrantes tratadas com indiferença por patroas que exigiam o cumprimento de tarefas cansativas e despropositadas, como de descer e subir escadas carregando baldes d'água - havia água encanada nos apartamentos - ou batendo tapetes em áreas que acabavam de ser limpas.
Para Françoise Ega, todas as exigências descabidas das patroas eram tentativas de humilhar as empregadas e entronizar no território francês a prática escravagista, consagrando diferenças culturais e de classe.






Ao se insurgir contra a hostilidade e o desprezo dos empregadores, Mam'ega se torna uma liderança no grupo de antilhanos, criando organizações trabalhistas e ajudando os imigrantes a legalizarem a permanência no país, além de buscar integrá-los socialmente, com atividades esportivas e culturais em centros de atendimento público. A recusa da invisibilidade de Françoise Ega encontrou resistência até do marido, que não entendia sua necessidade de firmar-se também na área literária. Publicou dois livros em vida, um romance e um de poesias. Cartas a uma negra só foi lançado em 1978, depois que tanto Françoise quanto Carolina já haviam morrido.


Correio noturno (Tabla, R$ 44,20), da libanesa Hoda Barakat, também trata em forma epistolar o estranhamento de um universo de excluídos no Ocidente, os refugiados, desta vez, árabes, mas no campo ficcional. Seis personagens distintos e com histórias bem diferentes se identificam ao encontrarem as cartas de desconhecidos, em ambientes comuns. A primeira carta, de um imigrante ilegal para sua namorada, é lida pela mulher madura que tem um encontro marcado com um ex-amor da juventude. A carta da mulher vai chegar às mãos de um homem com passado criminoso, que escreve para a própria mãe, e tem as folhas descobertas por uma aeromoça dentro do avião onde ele viajou. As trajetórias de cada um são narradas pelos outros, que mencionam as cartas encontradas ao falarem sobre a solidão, o temor de perder a liberdade, o abuso sexual sofrido pelas mulheres sob grupos muçulmanos, a saudade e, principalmente, a falta de pertencimento no exílio forçado por questões religiosas, econômicas ou políticas. A delicadeza do entremeio das histórias rendeu a Hoda Barakat, que já havia recebido a Medalha Naguib Marhfouz de Literatura em 2000, o prêmio internacional por Ficção Árabe, em 2019.





* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo.

 

Veja também:

>> CPI da Cloroquina determinada por Barroso irrita Bolsonaro

>> STF, em nota, reitera apoio à CPI da Pandemia

>> Doutor Jairinho, Henry, milicianos e o silêncio covarde da esquerda do Rio

>> Flávio Dino: "Se fosse por Bolsonaro, Brasil já teria 1 milhão de mortos"

>> Ator argentino-brasileiro é procurado pela Interpol por estupro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: Cartas dos Invisíveis
 

Copyright 2021 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!