• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20180819 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Sábado, 18 de Agosto de 2018

O depoimento de Gilberto Gil a Sérgio Moro - vídeo
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quarta-feira, 08 de Agosto de 2018

"Chandler Bing", de Friends, é internado às pressas nos EUA

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 21 de Abril de 2018

Crítica & Literatura: A construção da autoridade

Crítica & Literatura
A construção da autoridade



Por Olga de Mello*

No início dos anos 1990, a psicóloga Tania Zagury lançou o primeiro de uma série de livros em que defendia o direito de pais e mães exercerem autoridade na criação dos filhos. Entre os diversos títulos que assinou, todos com imensa procura por pais de primeira ou de várias viagens, inseguros quanto a orientar uma geração de crianças e adolescentes desacostumados a acatar ordens dos adultos, "Limites sem trauma" (Best-seller, R$ 39,90), chega à 95ª edição revisada e com um subtítulo definindo seu público "Construindo cidadãos: para pais do século XXI".



Por cidadãos, entenda-se: pessoas de boa escolaridade, dispostas a aceitar e lutar pelos desassistidos. Embora destinado claramente a adultos de classe média que vivem no meio urbano, o livro aborda as dificuldades comuns a todos os estratos sociais diante da crescente ausência de autoridade dos pais e mães - principalmente depois do advento da Internet e da entronização do público infanto-juvenil como "influenciadores" do consumo das famílias. O texto considera seu público de maneira bastante uniforme. Fala-se em playground, no computador do pai, idas a restaurantes - um cotidiano que a imensa maioria da população brasileira desconhece. Não há menção a problemas básicos dos moradores de áreas sob o jugo de milícias e traficantes, que vivem dilemas morais pela proximidade com o crime. Também ignora a independência das crianças pobres, desde muito pequenas acostumadas a cuidar da casa, de irmãos menores e a cozinhar. Contudo, ao tocar num ponto bastante polêmico sobre os métodos de controle dos filhos - a coerção pelas palmadas -, a autora menciona uma realidade ainda bastante comum no Brasil: a complacência em relação a agressões dentro do seio familiar.

Ao fechar os olhos para a abissal desigualdade social brasileira, o livro parece merecer mais uma revisão a fim de atingir um universo mais abrangente de leitores. No entanto, o objetivo principal é domar pirralhos mimados e malcriados - espécimes que perpassam qualquer grupo da sociedade. Assim, consegue falar diretamente com quem botou no mundo a Geração Canguru, millenials ou qualquer que seja a denominação dos grupos nascidos e criados na virada do século, principalmente entre os que se distanciam dos filhos, quase terceirizando os cuidados com crianças, devido às obrigações de trabalho ou ao próprio comodismo.


Comprovando que a crise de autoridade não é uma exclusividade brasileira, destinado a menores de 13 anos, "Diário de uma pestinha" (Galera Júnior, R$ 34,90), das irmãs francesas Virginy L. Sam e Marie-Anne Abesdris, conta algumas das ações de Fafinha, uma pré-adolescente que faz de tudo para levar a vida sem obedecer às regras (mal) impostas pelos pais. Ela não é a pior das alunas, mas está longe de se destacar nos estudos; vive uma relação de amor e ódio com a irmãzinha pequena; tem adoração pelos avós e, sempre que pode, ridiculariza os pais. Uma garota igual a tantas outras, que desbrava as fronteiras entre o permitido e o proibido, enquanto se apaixona por astros pop e despreza a maioria de seus conhecidos, incluindo professores. Afinal, transgredir é parte do amadurecimento de qualquer pessoa!



* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo.


 

Veja também:

>> Vencedora do Big Brother Brasil 18, da Globo, é Petista e gritou "Lula Livre!"

>> Novo presidente do Chile, Piñera enfrenta com a polícia protesto de estudantes

>> Cresce o número de assassinatos no campo no país após o golpe

>> Flagrante do aumento da miséria na praia de Copacabana

>> O dia em que a Justiça envergonhou o Brasil (de novo)

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: A construção da autoridade
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!