• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20190123 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2019

Regina Duarte revela frustração com governo Bolsonaro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

Notícias

Polícia - Segurança Pública

| Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019

 
Miliciano é para ser enfrentado, e não homenageado

Freixo fala sobre escândalo envolvendo Flávio e família de milicianos - vídeo

Deputado federal eleito pelo PSOL, Marcelo Freixo disse, em vídeo que você poderá ver abaixo, que as milícias do Rio de Janeiro precisam ser enfrentadas e não homenageadas. Ele fez o pronunciamento gravado logo após vazar a notícia de que parentes de um PM acusado de envolvimento na morte de Marielle trabalhavam no gabinete de Flávio Bolsonaro quando este era deputado estadual no Rio.
ver mais >>

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 

Polícia - Segurança Pública

| Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019

 
Grupos de policiais e promotores estiveram no Recreio

Major preso acusado de envolvimento em milícia foi homenageado por Flávio Bolsonaro

Um dos presos em operação de força tarefa realizada nesta terça-feira (22) no Rio para reprimir a ação das milícias, o major Ronald Paulo Alves Pereira, foi homenageado na Assembleia Legislativa do Rio, em 2004, pelo senador eleito Flávio Bolsonaro. Conhecido como Major Ronald ou Tartaruga, ele seria chefe da milícia da Muzema e grileiro nas regiões de Vargem Grande e Vargem Pequena. Além dele pelo menos outras quatro pessoas foram presas e outras nove estavam sendo procuradas até às 10hs.
ver mais >>

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 

Política - Brasil

| Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019

 

Em 2003 Bolsonaro elogiou grupos de extermínio

A relação da família Bolsonaro com matadores e demais malfeitores da nação tem se revelado assustadoramente dócil há muito tempo. Em 2003, a Folha de São Paulo revelou que o então deputado usou a tribuna da Câmara para elogiar Grupos de extermínio - que matavam suspeitos de cometer crimes no Rio e em todo o Brasil. Estes grupos, com o passar dos anos, passaram a ganhar o nome de "milicianos".
ver mais >>

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 

Política - Brasil

| Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019

 

Acabou o amor: Flávio culpa Queiroz por funcionárias ligadas à milícia

Não sobreviveu ao verão as juras de amor insinuadas por Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz. Após descoberto que deu emprego à mulher e mãe de um capitão da PM envolvido na milícia, Flávio Bolsonaro abriu o verbo e disse que isso aconteceu por ter sido enganado por Fabrício. Assim como o ex-assessor, uma das ex-funcionárias também aparecia na investigação do Coaf com movimentação financeira suspeita.

ver mais >>

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 

Política - Geral

| Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019

 

Mãe e mulher de miliciano no gabinete de Flávio Bolsonauro

A situação do primogênito da família Bolsonauro só piora. Depois de ter seu nome envolvido em análises do Coaf em operação financeira envolvendo o seu ex-assessor Fabrício Queiroz, ele agora é citado como empregador da mãe e mulher de um major da PM envolvido em milícia. Bolsonaro, em 2004, chegou a fazer uma homenagem ao policial. Saiba mais.
ver mais >>

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 

Audiência na TV

| Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019

 
Boris e Flávio: críticas diante da maciez

Boris Casoy reage às críticas sobre sua entrevista a Flávio Bolsonaro - vídeo

Isso é uma vergonha! O bordão do apresentador da Rede TV, Flávio Bolsonaro, poderia ilustrar as críticas que recebeu após fazer uma entrevista doce, quase cândida, com Flávio Bolsonaro. Motivo? Ele, diante de um personagem acusado de envolvimento em desvios de verba do gabinete e com um ex-assessor investigado pela Polícia Federal, preferiu lançar uma boia ao entrevistado a questioná-lo - como é o papel da imprensa.
ver mais >>

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 

Política - Brasil

| Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2019

 

Com chefe em Davos, Mourão bota banca: posse de arma não reduz violência


Nada como um chefe distante e fragilizado para o vice botar as garras para fora. O general do Exército e vice-presidente Hamilton Mourão disse, com todas as letras, que a principal e mais rumorosa medida tomada por Jair Bolsonaro no seu primeiro mês de governo é ineficaz como medida para prevenir a violência. A afirmação do filiado ao PRTB foi feit nesta segunda-feira (21), mesmo dia em que Bolsonaro viajou para Davos, na Suíça.

ver mais >>

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 

Política - Geral

| Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2019

 
Flávio Bolsonaro: silêncio do MP ajudou eleição

MP ludibriou o eleitor que votou em Flávio

O título é bonitinho. O MP diz que não divulgou antes os esquemas envolvendo o senador eleito Flávio Bolsonaro e seu assessor para não interferir nas eleições. Sim. Claro. Nobilíssimo o ato. Mas o fato é que ao omitir investigações sobre a dupla, o MP ajudou a ludibriar seus eleitores. Boa parcela comprou o discurso da moralidade e do fim da corrupção. Quantos dos 4,3 milhões que votaram nele teriam mudado o voto se soubessem das supostas falcatruas. O critério, mais uma vez, fez parte da seletividade do Judiciário que vazou depoimentos de Palocci contra Haddad, Dilma e Pimentel, mas poupou a família do presidente. O nome disso é manipulação.
ver mais >>

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 

 
 
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!