• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 10 de Outubro de 2019

Guga Chacra "esculacha" Eduardo Bolsonaro

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > brasil

Política - Brasil

 

Sexta-feira, 24 de Maio de 2019

Nem tudo está perdido: Guedes diz que vai embora se Reforma for pequena

Paulo Guedes ameaça ir embora
Paulo Guedes ameaça ir embora

Um fio de esperança. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que pegará o boné e irá embora do Brasil caso a Reforma da Previdência aprovada seja "pequenininha". Alegando não ter apego a cargo, ele quer uma reforma que retire muitos dos direitos dos trabalhadores mais pobres, e preserve o da elite do funcionalismo - como juízes, promotores e procuradores e funcionários públicos do alto escalão. E voltou a alertar que caso não coloquemos nosso pescoço na guilhotina o país irá quebrar em 2020. O pescoço da elite nacional? Esqueça.


Escuta o que ele falou:

"Deixa eu te falar um negócio que é importante. Eu não sou irresponsável. Eu não sou inconsequente. Ah, não aprovou a reforma, vou embora no dia seguinte. Não existe isso", disse Guedes em entrevista à revista 'Veja'. "Agora, posso perfeitamente dizer assim: 'Olha, já fiz o que tinha de ter sido feito. Não estou com vontade de ficar, vou dar uns meses, justamente para não criar problemas, mas não dá para permanecer no cargo'".

"Se só eu quero a reforma, vou embora para casa. Se eu sentir que o presidente não quer a reforma, a mídia está a fim só de bagunçar, a oposição quer tumultuar, explodir e correr o risco de ter um confronto sério. pego o avião e vou morar lá fora."

Segundo o ministro da Economia, o Brasil "pega fogo" se a reforma não for feita. "Vai ser o caos no setor público, tanto no governo federal como nos Estados e municípios".

A reforma da Previdência, enviada ao Congresso em fevereiro deste ano pelo presidente Jair Bolsonaro, está em tramitação em comissão especial na Câmara dos Deputados. O texto já passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).


De acordo com a Veja, Guedes afirmou, no entanto, que o presidente Jair Bolsonaro está totalmente empenhado em aprovar a reforma nos moldes em que o projeto foi enviado pelo governo ao Congresso, com expectativa de economia de até R$ 1,2 trilhão nos próximos dez anos.

O ministro, os presidentes da Câmara e do Senado também estão a favor da reforma. "A classe política está digerindo os novos métodos. Estou absolutamente otimista de que eles vão corresponder às expectativas da sociedade. Tenho absoluta confiança em que vai sair a reforma de 1 trilhão e que as revisões de crescimento para cima serão feitas a partir da reforma, que vai clarear um horizonte fiscal por dez anos", afirmou.

Guedes reconhece que há uma margem de negociação, que pode no máximo ir a R$ 800 bilhões, e destacou ainda que a reforma previdenciária não está sendo apresentada apenas para equilibrar as contas públicas, mas que também se propõe a corrigir enormes desigualdades, de acordo com a revista.

"A Previdência é hoje um buraco negro, que engole tudo ao redor. O déficit tem crescido cerca de R$ 40 bilhões por ano. A reforma é urgente, porque os mercados não vão esperar muito mais. Eles fogem antes. A engolfada pode vir em um ano, um ano e meio", acrescentou o ministro.

O ministro reafirmou sua confiança nas convicções de Bolsonaro, e acredita em uma união política em torno da agenda econômica do governo. "Eu confio na confiança que o presidente tem em mim."

'Sem apego ao cargo'

Em março, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, Paulo Guedes já havia afirmado que não tem apego ao cargo, mas não terá a "inconsequência" ou a "irresponsabilidade" de sair "na primeira derrota".

Guedes deu a declaração ao responder a uma pergunta sobre a possibilidade de deixar o cargo na hipótese de o Congresso não aprovar uma reforma da Previdência que permita uma economia de R$ 1 trilhão em dez anos, como defende a proposta do governo enviada ao Legislativo.


"Não tenho apego ao cargo, desejo de ficar a qualquer custo, como também não tenho a inconsequência e irresponsabilidade de sair na primeira derrota. Não existe isso", declarou.

Segundo o ministro, "se o presidente apoiar as coisas que eu acho que podem resolver para o Brasil, eu estarei aqui. Agora, se ou o presidente ou a Câmara ou ninguém quer aquilo, eu vou obstaculizar o trabalho dos senhores? De forma alguma. Eu voltarei para onde sempre estive. Eu tenho uma vida fora daqui".

Com informações do G1

 

Veja também:

>> Video simas bicho

>> Queiroz pagou cirurgia no Eistein em dinheiro vivo: R$ 65 mil

>> Pesquisa revela pessimismo do brasileiro sobre resto do governo Bolsonaro

>> Jean Wyllys acusa Miriam Leitão de pavimentar caminho de Bolsonaro

>> As estátuas do Rio seguem alvo de ladrões

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Nem tudo está perdido: Guedes diz que vai embora se Reforma for pequena
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!