• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quarta-feira, 10 de Julho de 2019

Racismo na TV:apresentador ofende o povo negro ao criticar Ibope - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > brasil

Política - Brasil

 

Sábado, 11 de Maio de 2019

Encontro da esquerda na Cinelândia foi ensaio para união em 2020

Fábio Lau*

Um palanque diversificado, plural e de esquerda. Afinal, lá estavam representantes do PCdoB, PT, PSOL, PDT e PSB. Tão próximos e tão distantes entre si. Realizado na Cinelândia, o encontro foi convocado pelo PT, mas nada tinha de partidário. Havia sim multipartidarismo a dar água na boca a quem defende há décadas a maior união programática da esquerda. Menos purismo e mais resultados, portanto. A estrela da festa era Fernando Haddad, o candidato derrotado do PT à Presidência da República.



Há duas semanas o principal nome do PSOL no Rio, Marcelo Freixo, pediu uma união regional em torno de seu nome na disputa pela Prefeitura do Rio. Seria uma tendência natural tendo em vista que é hoje o candidato que reúne maior apelo popular e poderá, finalmente, remover as gestões conservadoras do poder municipal presentes desde a saída de Saturnino Braga na década de 80 - e olha que ali, por razões alheias à vontade do prefeito, a gestão não foi boa a ponto de despertar saudade.

Mas não tardou para Freixo se defrontar com resistência no próprio partido. Babá, o vereador que herdou a cadeira de Marielle Franco, assassinada, foi ao plenário dizer que o partido não era de Freixo e que subir ao palanque com PT e PCdoB é possibilidade inaceitável. Azedou.

Mas quem esteve na Cinelândia nesta sexta-feira (10) pode ter sentido que a união é possível. O próprio Freixo se referiu a Haddad como "amigo" e "irmão". Carlos Minc, Reimont, Freixo, Jandira Feghali e até Gleise Hoffmann, a paranaense líder do PT, falaram em união e projetos únicos por conta das perdas que também são generalizadas.

Jandira ganhou destaque à parte por ter descido do palanque para atender, como médica que é, uma ativista que se sentira mal. Interrompeu a fala e a retomou após o diagnóstico não revelado.

Acendeu-se um fio de esperança.

Agora é esperar para a coisa não babar!


* Fábio Lau é jornalista e defende a união da esquerda.

 

Veja também:

>> Crítica & Literatura: Ser mãe é ler no paraíso

>> Uma "oportunidade" que Bolsonaro nos deu de melhor compreendê-lo

>> Faz tudo da família Bolsonaro foi contratada no gabinete de Carluxo

>> Moro segue ministro por não ter para onde ir? Veja diz que sim

>> É hoje: entrevista de Lula à BBC será exibida nesta sexta-feira

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Encontro da esquerda na Cinelândia foi ensaio para união em 2020
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!