• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Terça-feira, 25 de Junho de 2019

Silêncio? Record afasta Paulo Henrique Amorim após 14 anos

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > cultura > documentários

Cultura - Documentários

 

Segunda-feira, 02 de Outubro de 2017

Marcas no mausoléu de Chico Xavier podem ser de tiros

Da Redação

Somente uma perícia poderá confirmar se as marcas que estilhaçaram o vidro blindado (a prova de bala) que protege o busto de Chico Xavier, no mausoléu construído no cemitério São João Batista, em Uberaba, foram provocadas por pedradas ou mesmo tiros. Para o filho do médium, Eurípedes Higino Reis, há claros sinais de que as marcas sejam de tiros e não pedradas: "um tijolo não faria o estrago que fez", disse. "Muito triste. Eu chorei quando vi tudo quebrado", completou Eurípedes. Há um problema: cético quanto ao interesse da polícia em investigar, ele ainda não deu queixas na delegacia - o que se faz desnecessário tendo em vista a repercussão do caso. Mas seu ceticismo encontra respaldo no último episódio, em 2015, quando a polícia não aprofundou as investigações.



Nas redes sociais houve grande comoção por conta do ataque à memória de Chico Xavier. Especialmente porque as suspeitas recaem sobre grupos religiosos radicais que perseguiram Chico Xavier em vida e agora transferem o ódio à sua memória e até aos membros da família. Em 2015, Eurípedes, que é o responsável por preservar a obra de Chico, já denunciava ser alvo da intolerância.

Leia também:
Paula Fernandes foi alvo de evangélicos radicais
Copacabana parou domingo para acolher manifestantes contra intolerância

Ameaças



Eurípedes disse que há alguns anos tem sofrido ameaças de grupos intolerantes. Houve um tempo, disse, que o alvo era seu pai. Agora é a sua obra (administrada pelo filho) e sua memória. Em todo o Brasil, grupos que se apresentam como evangélicos, tem agido contra correntes religiosas diversas, especialmente de matriz africana.

Nos anos 60, quando o trabalho de Chico Xavier começou a ser difundido pelo país, a igreja Católica lhe fez forte oposição especialmente em Minas Gerais. Atualmente esta marcha da intolerância tem sido promovido por radicais evangélicos.





A administração do cemitério, que não tem segurança 24 horas, promete ajudar a família do médium a restaurar a blindagem que guardar o busto de Chico e outros pertences que constantemente atraem espiritualistas kardecistas, fãs e curiosos - razão pela qual muitos radicais tem reagido e até pedido a transferência do mausoléu.


É o caso de uma internauta que, a título de "ajudar" a família de Chico, propôs que transferisse o túmulo para a casa onde morou o médium:






- PQ vc não resolve este problema de vez (sic) ???? Vc gosta tanto do túmulo de seu respeitável pai , a quem tenho maior respeito (...) PQ vc não faz um pedido à justiça, pedido o traslado dos restos mortais de Chico Xavier para a casa de Chico, a qual vc dirige com tanta segurança . Faça um túmulo no fundo ou na frente. Só assim vc estará de fato , segurando o bem precioso da humanidade . Chico Xavier mineiro do século . Aí vc terá monitoramento de quem entra e quem sai para visitas ao túmulo de Chico. Só assim deixa de ser em um cemitério de Uberaba, e passa ser na casa de Chico. Isto procede mediante providências cabíveis juridicamente falando. Com o respaldo da lei. Aí sim os restos mortais e túmulo de Chico Xavier estarão seguro né ??? Fica a dica ok. E vc dormira tranquilo né !!!

Intolerância



Os casos de intolerância religiosa promovidos por evangélicos radicais ou falsos evangélicos tem aumentado no Brasil. No Rio, falando em nome destes evangélicos, até traficantes de drogas tem perseguido religiosos de outros credos. Eles obrigam pais de santo a destruir seus símbolos sob ameaça de espancamento e morte.

Em Minas Gerais, cenário do episódio envolvendo a memória de Chico, o pastor Lúcio Barreto Júnior, conhecido como pastor Lucinho, defendeu em vídeo ataque a templo de umbanda. Ele se diz representante da Igreja Batista Tradicional.
Mas ele não é único: o pastor Cezar Cavalcante, reitor da Faculdade Teológica Betesda, de Campinas (SP), disse, em entrevista à Folha de S.Paulo, que tem todo o direito de pregar contra a umbanda e o candomblé porque, afinal, são duas religiões "em pecado".

Nessa toada extremista, a Igreja Universal lançou uma campanha de evangelização chamada de Gladiadores do Altar. Num vídeo recente, as pessoas, vestidas de soldados, dizem que "graças ao Senhor, hoje estamos aqui prontos para a batalha".

NdaR- Conexão Jornalismo é um site que defende a pluralidade de credos e também a ausência dele. A questão religiosa é de caráter pessoal e inegociável. A única intolerância que defendemos é contra grupos intolerantes. A estes, radicais e reacionários, o nosso mais profundo e sincero repúdio.

 

Veja também:

>> Evangélicos radicais vandalizam túmulo de Chico Xavier

>> Roger, do Botafogo, terá a carreira interrompida por conta de um tumor - vídeo

>> Radicais agridem funcionários do MAM de São Paulo

>> Pesquisa Datafolha coloca Lula com 35% das intenções de voto

>> Crítica & Literatura: Que tal dar mais que uma folheada?

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Marcas no mausoléu de Chico Xavier podem ser de tiros
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!