• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 13 de Agosto de 2018

Globo bate forte em Aécio Neves e Anastasia - vídeo
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quarta-feira, 08 de Agosto de 2018

"Chandler Bing", de Friends, é internado às pressas nos EUA

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > audiência na tv

Audiência na TV

 

Terça-feira, 07 de Agosto de 2018

Cresce o extermínio em áreas sob intervenção do Exército

Reprodução de vídeo da RTP
Reprodução de vídeo da RTP

Publicado no site Medium, uma análise baseada em números divulgados pelo Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro revela que as áreas que estiveram sob intervenção do Exército nos último meses experimentaram um aumento de casos de extermínio. As regiões que viveram o fenômeno são as favelas e os bairros da periferia do Rio de Janeiro. Para ler a reportagem pode clicar aqui .


Intervenção Militar no Rio de Janeiro causa aumento do extermínio nas favelas e periferias



Ouvi o tiro da minha casa, mas não imaginava que seria um tiro para matar meu filho. Ele tinha 21 anos, levou um tiro pelas costas e a polícia teve a coragem de colocar o caso como auto de resistência. Foi a primeira vez que senti o racismo na minha pele.

A fala é de uma mulher de 47 anos, moradora de uma das favelas da Zona Norte do Rio de Janeiro, que teve o filho assassinado há um mês pela Polícia Militar.

Depoimentos como este são constantes nas favelas e periferias da cidade. É comum o trânsito dos tanques de guerra, as revistas vexatórias e ilegais, a presença de soldados armados, o uso massivo de helicópteros aéreos nas operações dentro das favelas, o aumento no número de desaparecimento forçado, chacinas e o consequente aumento do número dos chamados autos de resistência - mortes decorrentes da ação policial. Estes são alguns dos problemas enfrentados pelos moradores do Rio de Janeiro diante da intervenção militar implementada pelo governo de Michel Temer em 16 de fevereiro deste ano. Todas estas ações usam como justificativa um suposto enfrentamento da violência e se utilizam de dispositivos legais de exceção como a Garantia da Lei e da Ordem (GLO), operação prevista na Constituição Federal realizada exclusivamente por ordem do presidente da República, da qual autoriza o uso das forças armadas.


Nesses primeiros meses de intervenção, dados contabilizados pelos órgãos do próprio Estado mostram que, em relação ao ano anterior, houve um aumento dos números dos casos de auto de resistência. Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) apontaram um aumento de homicídios decorrentes de oposição à intervenção policial. Foram registrados nos seis primeiros meses de 2018 um total de 766 casos, maior número registrado desde 2003. Nos primeiros cinco meses de Intervenção, foram registrados pelo aplicativo Fogo Cruzado, 4005 tiroteios ou disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Rio. Foram 2924 nos cinco meses anteriores.

De janeiro a julho, se investiu mais no que chamam segurança pública, do que em saúde, educação, cidadania e outros direitos.

"Materializa-se isso quando a Secretaria de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro diz que, nos últimos 10 anos, o orçamento da segurança pública do Rio, atualmente sob intervenção federal militar, cresceu 136%. Os volumes de recursos saltaram de R$ 5,2 bilhões de reais em 2008, para R$ 12, 2 bilhões em 2017", destaca Fransérgio Goulart, pesquisador do Fórum Grita Baixada, movimento localizado na Baixada Fluminense.

Temer legitimou a Intervenção Militar do Rio para dar respostas aos que classifica como roubo de cargas. Mais uma vez, os governantes buscam dar respostas rápidas aos empresários, sem medir as consequências na vida da população favelada. Mais uma vez, é a favela que sofre com o aumento do poderio militar com tanques de guerra com e o uso de GLOs violando as próprias leis da democracia.

"Este momento de Intervenção Militar é um incremento da política de enfrentamento, daí morrem todos. Pois a partir do momento em que você vê a necessidade de resolver o problema imediatamente, você ignora o direito à vida e todos os outros direitos de uma população pobre. Além disso, existe uma total ausência de investigação: seja a partir do desfeito dos locais dos crimes, seja pela falta de pessoas preparadas, técnicas. Outro dado é que quando a polícia mata mais, ela prende menos e é este o momento em que estamos passando agora", afirma Thales Arcoverde Treiger, defensor público da união.

Segundo o defensor, o desafio é ir além dos números contabilizados pelos órgãos do Estado e buscar saídas para o aumento no número de casos de auto de resistência, pois, com a intervenção, gera-se uma dúvida de quem deve cobrar, quem deve investigar, para onde os casos devem ser encaminhados.

O porta-voz do Comando Militar do Leste, coronel Roberto Itamar faz um balanço dos três meses de intervenção federal no Rio de Janeiro, em entrevista no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC).

Diante do aumento de chacinas, de desaparecimento forçado, de operações e dos casos de auto de resistências, grupos que formam o movimento de favelas, junto às Defensorias Públicas do Estado do Rio de Janeiro e da União e da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Alerj, organizaram uma agenda de visitas em mais de 40 favelas e periferias de todo o Rio de Janeiro que recebe o nome de Circuito Favelas por direitos: Intervenção Não!. O objetivo é colher depoimentos, ouvir moradores e moradoras, saber quais os tipos de violações as favelas e periferias sofrem e passaram a sofrer neste momento, partindo do entendimento de que estas são as que mais sofrem e ainda vão sofrer com a militarização.

Mais de 10 visitas já foram realizadas desde março. Depoimentos de moradores dão conta de aumento de invasões dentro das casas, roubos de dinheiro e de objetos, pessoas desaparecidas, chacinas, revistas vexatórias, principalmente de jovens negros, além do número de casos que aparecem como auto de resistência. Em apenas uma favela da Zona Oeste do Rio, em uma semana de operação com uso de blindados terrestres, aéreos e policiais militares e civis, além de tanques de guerra, 22 duas pessoas foram assassinadas, sendo que apenas seis corpos apareceram, todos registrados como casos de auto de resistência. Os demais se encontram desaparecidos, assim como nos anos 1990. A situação se repete em outras favelas e periferias.

Neste cenário, o relançamento da Campanha Caveirão Não também trabalha para dar visibilidade e pressionar o judiciário nas investigações dos casos. Segundo dados veiculados pelos integrantes da campanha, o número de homicídios decorrentes de intervenção policial no estado do Rio teve um aumento de 96,7% no mês de março de 2017, em comparação com o mesmo período de 2016, passando de 61 para 120 vítimas.

Segundo dados do Instituto de Segurança Pública, já são mais de 813 mortos pelas polícias do Estado de janeiro a setembro deste ano, em homicídios em que a polícia alega ter agido em suposta legítima defesa. Outro dado que chama atenção é que a Baixada Fluminense concentra 46% dos homicídios de todo o estado. A campanha também vem pautando a luta contra o racismo do judiciário.

"Mais de 90% dos autos de resistências, quando conseguimos levar a julgamento, são arquivados por esse judiciário, mesmo com provas periciais comprovando tiros pelas costas. A vítima passa a ser acusada a partir de uma pergunta racista que boa parte dos juízes e juízas fazem nos julgamentos às mães e familiares vítimas do Estado: se o filho tinha algum tipo de convivência com o tráfico. Com essa indagação fazem com que a vítima passe a ser vista como o violador. O julgamento era da violação da polícia, e não se aquele menino tinha ou não relação com o tráfico, até porque, todos nós que moramos em favelas convivemos com o tráfico", explica Fransérgio.

O ativista e pesquisador conta que a Campanha organizou atos em frente ao Ministério Público para denunciar isso e outras ações racistas do judiciário. Com esses atos e a partir do protagonismo das mães e familiares da violência do Estado, houve uma abertura com o Ministério Público - por meio do Grupo de Atuação Especial da Execução Penal e da assessoria de Direitos Humanos do MP - que resultou no desarquivamento de alguns processos que estavam parados.

"Precisamos entender que há um sistema de segurança racista, onde como as mães e familiares dizem: A polícia é a ponta e aperta o gatilho e o judiciário racista absolve esse executor", conclui.

 

Veja também:

>> Crescimento da violência contra mulher no período pré-eleitoral não é coincidência

>> PT, PCdoB e a união contra a estupidez dos tempos sombrios

>> Relatório indica desaparecimento de 79 presos no país

>> E manobra confusa, PT dá a vice a Manuela D'Ávila, mas oficializa Haddad

>> PT e PCdoB anunciam aliança nacional e explicam nome de Manuela

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Cresce o extermínio em áreas sob intervenção do Exército
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!