• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021

Danilo Gentili diz que Marcius Melhem quer silenciá-lo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > internacional

Política - Internacional

 

Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2021

China: Gigante pode atingir hegemonia antes do esperado

China e seu Comunismo de Mercado, pode alcançar a hegemonia econômica no planeta
China e seu Comunismo de Mercado, pode alcançar a hegemonia econômica no planeta


Previsões de economistas sugerem que a China tomará o posto dos Estados Unidos e se tornará a maior economia do mundo em menos de uma década. Espera-se que o produto interno bruto (PIB) da China aumente 8,2% este ano, segundo informaram economistas consultados pela agência Bloomberg. De acordo com as previsões, o crescimento da China deve ultrapassar o de seus pares, como já ocorreu em 2020. Na verdade, no ano passado, a China foi a única nação entre as grandes economias que evitou uma contração econômica.

Para Homi Kharas, vice-diretor do programa de desenvolvimento e economia global do Centro de Pesquisas Brookings, EUA, a China deve tornar-se a maior economia do mundo até o ano de 2028. Ou seja, dois anos mais rápido do que especialistas haviam estimado anteriormente.

As exportações do país asiático cresceram no ano passado 3,6%, até os US$ 2,59 trilhões (cerca de R$ 14 trilhões) enquanto as importações recuaram 1,1%, para os US$ 2,06 trilhões (aproximadamente R$ 10 trilhões), o que resultou em um superávit comercial de US$ 535 milhões (cerca de R$ 2,8 bilhões).

Além disso, a China, provavelmente, recuperou o título de principal destino mundial para investimento estrangeiro, título esse que perdeu para os Estados Unidos em 2015, afirmou a mídia. O investimento estrangeiro no país asiático atingiu mais de US$ 129,5 milhões (cerca de R$ 685 milhões) até novembro de 2020, um pouco acima do ano de 2019.

Depois de resistir na guerra comercial travada pelo presidente norte-americano Donald Trump, a China vem aprofundando os laços econômicos com nações asiáticas e europeias.

Além disso, o país conta com consumo interno para impulsar sua próxima fase de crescimento. Já nos primeiros dias de 2021, o presidente Xi Jinping, citado pela agência, disse que "o tempo e a situação" estavam ao lado do país neste novo ano.

A pandemia da COVID-19 poderia ter ajudado o país asiático a "solidificar sua posição na economia global", afirmou Ka Zeng, diretor de estudos asiáticos da Universidade de Arkansas (EUA).

O especialista acredita que é possível que as empresas europeias e norte-americanas voltarão à China devido ao potencial que o país possui, sendo "a única grande fonte de crescimento no mundo pós-pandêmico".

"Vimos uma onda após outra onda da pandemia golpeando mercados diferentes", afirmou o diretor financeiro da Nike, Matthew Friend. "Realmente o único mercado onde observamos uma trajetória contínua em termos de gestão do vírus foi a China."

Do site Sputnik

 

Veja também:

>> Cunhado de Bolsonaro ganhou R$ 102 mil desde nomeação no Ministério da Defesa

>> Caixa Preta: PT quer que Bolsonaro revele gasto com propaganda da cloroquina

>> Procurador diz que entrega de oxigênio em Manaus foi interrompida propositalmente - vídeo

>> Aos 54 anos, a enfermeira Monica Calazans virou símbolo do Brasil

>> É de SP a primeira indígena vacinada no país

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
China: Gigante pode atingir hegemonia antes do esperado
 

Copyright 2021 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!