• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 15 de Agosto de 2019

Após entrevistar Dilma, Juca Kfouri é demitido da ESPN
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Sexta-feira, 16 de Agosto de 2019

Bolsonaro ameaça Luciano Huck em esquema de compra de avião via BNDES

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > educação

Educação

 

Domingo, 06 de Novembro de 2016

Reitor da UFRJ fala sobre ocupações de escolas e universidades - vídeo

Da Redação

O reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Roberto Leher, escapou da prisão - ou uma detenção, ou, se preferir, de uma condução coercitiva. O fato aconteceria na sexta-feira (4) quando a polícia foi buscá-lo para prestar esclarecimentos sobre sua participação em ato político que tinha no seu chamamento a expressão "Democracia". Isso, sob o olhar do procurador Fábio Aragão, o mesmo que determinou o fim dos protestos contra Temer no Pedro II, soa a provocação. Faz sentido. Nesta segunda-feira (7) os alunos prometem ocupar a Reitoria da Universidade. Veja o vídeo.

Na entrevista por um estudante cujo nome não foi revelado, ele fala sobre as ocupações em todo o país, o modelo de Educação do governo Temer e a aprovação da PEC 241. A entrevista aconteceu no mesmo dia em que foi constrangido pelo MP.

Sobre a ação que quase conduziu Roberto Leher:

O procurador Fabio Aragão, do Ministério Público Federal, intimou o reitor Roberto Leher a esclarecer uma manifestação política organizada pela administração central, em abril. O dirigente foi até mesmo ameaçado de condução coercitiva para prestar um depoimento sobre o ato ocorrido em frente ao IFCS/IH, no início do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. A iniciativa do procurador causa espanto à comunidade acadêmica.

Pelo Portal de Transparência do MPF, não é possível consultar o conteúdo do processo, instaurado por Fábio Aragão. O procurador é o mesmo que determinou às unidades dos colégios Pedro II, em Realengo e no Humaitá, a retirada de cartazes com os dizeres "Fora Temer". O procurador não daria entrevista sobre o caso, informou a assessoria.

O processo de nº 13001001982201628 aparece no site como não "disponível ou tramita em segredo de justiça". Ao telefone, a assessoria do procurador da República alegou que, para acesso ao documento, seria necessário comparecer pessoalmente ao "sistema de atendimento ao cidadão".

Já o procurador-geral da UFRJ, Jezihel Lima, esclareceu que "não há qualquer acusação. O reitor foi chamado para uma conversa". Segundo informou, "o entendimento do procurador (do MPF) era que o reitor não poderia participar da atividade. Mas, se a universidade não puder promover debates, vai ter que fechar as portas", argumentou.

A ameaça de condução coercitiva ocorreu depois de a reitoria tentar reagendar uma audiência. A primeira, marcada para 4 de outubro - a agenda do reitor foi atropelada pelo incêndio do prédio da administração central, na véspera. Houve nova convocação para o dia 27, o que acabou coincidindo com uma sessão do Consuni. "Depois, o procurador voltou atrás e remarcou. Deve ser na próxima semana", acrescentou Jezihel Lima.

No grupo virtual "Diálogo UFRJ", o reitor Roberto Leher enviou uma mensagem na tarde de hoje afirmando que foi intimado a esclarecer um Ato pela democracia realizado na universidade em uma data e horário que coincidiam com uma sessão do Consuni. Segundo o dirigente, houve então a ameaça do Ministério Público de condução coercitiva. Contudo, não de prisão, conforme circulava na rádio corredor da UFRJ. "Mas isso não reduz a gravidade" do fato, destacou Leher, na mensagem.

Ato foi no dia 6 de abril

A atividade que causou a confusão aconteceu no Largo São Francisco de Paula, em frente ao Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS)/Instituto de História (IH), em 6 de abril. E reuniu cerca de mil pessoas sob o mote "em defesa dos direitos sociais, políticos e das conquistas democráticas no país".

Da Adufrj

 

Veja também:

>> Escolas ocupadas tem desempenho acima da média no Enem

>> Torcedor do São Paulo é preso por matar galinha na frente de corintianos

>> Búfalo invade hotel e fere mulher em Sabará (MG)

>> Flagrante de assalto em sorveteria no Leblon, no Rio - vídeo

>> Ataque da polícia ao MST foi aviso

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Reitor da UFRJ fala sobre ocupações de escolas e universidades - vídeo
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!