Como tratar a infecção urinária na gravidez

Para tratar a infecção urinária na gravidez, é essencial consultar um médico. Antibióticos seguros e aumento da ingestão de água são medidas comuns.

Tratar a infecção urinária durante a gravidez é crucial, não só para o conforto e saúde da gestante mas também para garantir a saúde do bebê. A infecção do trato urinário (ITU) é comum durante a gestação devido a várias mudanças fisiológicas e hormonais. A identificação precoce dos sintomas, juntamente com o tratamento adequado, é essencial para evitar complicações.

Sinais de melhora

Após iniciar o tratamento para uma infecção urinária durante a gravidez, é importante estar ciente dos sinais de melhora. Estes indicadores sugerem que o tratamento está funcionando e que a recuperação está em andamento. Os sintomas da infecção urinária, como ardor ao urinar, urgência em urinar pequenas quantidades, dor ou desconforto abdominal, devem começar a diminuir dentro de poucos dias após o início do tratamento adequado.

Outro sinal claro de melhora é a redução da frequência urinária. Embora seja comum que grávidas vão ao banheiro com mais frequência, um decréscimo notável na urgência, que não está mais associado à dor ou desconforto, indica um progresso positivo. Além disso, a urina pode voltar a ter um aspecto mais claro e sem o forte odor que pode acompanhar uma infecção.

A ausência de febre ou a diminuição da mesma, caso tenha estado presente, também é um sinal positivo. A febre pode ser um indicativo de que o corpo está lutando contra uma infecção. Portanto, a normalização da temperatura corporal é um bom sinal de que a infecção está sendo combatida eficazmente.

É crucial continuar o tratamento como prescrito pelo médico, mesmo que os sintomas comecem a melhorar, para garantir que a infecção seja completamente eliminada. A interrupção prematura do tratamento pode levar a uma recidiva da infecção, que pode se tornar mais difícil de tratar.

Sinais de piora

Por outro lado, é vital estar alerta a sinais de que a infecção urinária possa estar piorando, apesar do tratamento. O reconhecimento precoce desses sinais pode ajudar a prevenir complicações graves tanto para a mãe quanto para o bebê.

Um dos primeiros sinais de alerta de que a infecção pode estar se agravando é o aumento da dor ou desconforto. Isso pode incluir dor lombar mais intensa, que pode indicar que a infecção se espalhou para os rins – uma condição conhecida como pielonefrite, que é mais grave e requer tratamento imediato.

A persistência ou piora dos sintomas urinários, como ardor ao urinar, necessidade urgente de urinar frequentemente ou mesmo a presença de sangue na urina, são indicativos de que a infecção não está respondendo ao tratamento. Além disso, a febre que não diminui ou até mesmo aumenta é um sinal preocupante. Febre alta pode indicar uma infecção mais séria que está se espalhando.

A presença de sintomas como calafrios, náuseas, vómitos ou uma sensação geral de mal-estar são motivos para preocupação adicional. Estes podem ser sinais de que a infecção está se tornando sistêmica, afetando não apenas o trato urinário, mas também outras partes do corpo.

É essencial entrar em contato com o médico imediatamente ao notar qualquer um desses sinais de piora. Pode ser necessário ajustar o tratamento ou adotar medidas mais agressivas para combater a infecção. A saúde da mãe e do bebê deve ser sempre a prioridade, portanto, não hesite em buscar ajuda profissional se houver dúvidas ou preocupações sobre a progressão da infecção urinária durante a gravidez.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp