Pólipo uterino: o que é, sintomas, causas e tratamento

O pólipo uterino é um crescimento benigno na parede do útero, que pode causar sangramento menstrual anormal, cólicas e infertilidade. O tratamento inclui a remoção cirúrgica dos pólipos e o controle hormonal.

Como confirmar o diagnóstico

Os pólipos uterinos são crescimentos benignos que se formam na parede interna do útero, também conhecida como endométrio. Embora a maioria dos casos não apresente sintomas e seja descoberta por acaso durante exames de rotina, em algumas situações esses pólipos podem causar sangramento uterino anormal, dor pélvica ou dificuldade para engravidar. Portanto, é essencial confirmar o diagnóstico para que o tratamento adequado seja realizado.

Para confirmar a presença de pólipos uterinos, o médico pode realizar diferentes exames. Um dos métodos mais comuns é a histeroscopia, no qual um tubo fino e iluminado é inserido no útero através do colo do útero. Esse procedimento permite uma visualização direta dos pólipos, bem como a realização de biópsias durante a mesma intervenção, se necessário. Além da histeroscopia, outros exames como ultrassonografia transvaginal ou ressonância magnética podem ser utilizados para identificar os pólipos uterinos.

É importante ressaltar que nem todos os pólipos uterinos devem ser removidos imediatamente. Em alguns casos, especialmente quando não há sintomas, o médico pode optar por acompanhar de perto a evolução desses crescimentos benignos. No entanto, se houver sintomas como sangramento anormal ou dor pélvica, o tratamento pode ser necessário.

Pólipo uterino pode virar câncer?

Os pólipos uterinos são geralmente considerados lesões benignas, o que significa que não são cancerígenos por natureza. No entanto, é importante salientar que, em casos raros, esses pólipos podem sofrer alterações e se transformarem em câncer. Acredita-se que uma das principais razões para essa transformação seja a presença de outros fatores de risco, como idade avançada, história familiar de câncer uterino ou exposição a terapias hormonais.

Portanto, embora a chance de um pólipo uterino se tornar cancerígeno seja baixa, é essencial realizar exames regulares e estar atenta aos sintomas. Caso ocorram mudanças repentinas no sangramento uterino, como sangramento excessivo ou com coágulos, aumento na frequência dos ciclos menstruais ou sangramento após a menopausa, é importante buscar avaliação médica.

No geral, a remoção dos pólipos uterinos é aconselhada quando há sintomas ou suspeita de malignidade. A remoção pode ser feita através de diferentes procedimentos, como a histeroscopia cirúrgica ou a cirurgia de laparoscopia. Em casos mais graves, quando há suspeita de câncer, a histerectomia, ou seja, a remoção total do útero, pode ser necessária.

Em suma, embora a maioria dos pólipos uterinos sejam benignos, é importante estar ciente dos sintomas e realizar exames regulares para confirmar o diagnóstico. Caso haja necessidade, o tratamento adequado deve ser recomendado pelo médico, levando em consideração as características do paciente e a possibilidade de malignidade.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp