Entenda porque as grávidas ficam mais sensíveis

Grávidas experimentam maior sensibilidade devido à intensa oscilação hormonal, afetando o emocional e os sentidos, tornando-as mais propensas a variações de humor.

A gravidez é um período repleto de transformações, tanto físicas quanto emocionais. Entre os diversos fenômenos que ocorrem nessa fase, a sensibilidade aflorada é um dos mais marcantes. Muitas grávidas relatam sentir-se mais emocionadas, mais tocadas por situações cotidianas e até mais conectadas com seus próprios sentimentos. Mas, o que está por trás dessa mudança? Abordaremos aqui os principais pontos que explicam por que as grávidas ficam mais sensíveis, contemplando as alterações ao longo da gestação, o que o bebê sente e como o companheiro pode ajudar.

Alterações ao longo da gestação

A gestação é um estado de constante mudança, onde o corpo e a mente da mulher passam por um turbilhão de transformações. Desde o início, o organismo da gestante se ajusta para acolher e nutrir uma nova vida. Esse processo envolve uma complexa rede de alterações hormonais que, em grande medida, são responsáveis pela sensibilidade aumentada. Hormônios como o estrogênio e a progesterona, que têm seus níveis significativamente elevados durante a gravidez, podem influenciar o funcionamento do cérebro, especialmente nas áreas ligadas às emoções.

Essas alterações hormonais contribuem para um estado emocional mais volátil, onde a gestante pode experimentar mudanças bruscas de humor, indo da alegria à tristeza com pouca ou nenhuma razão aparente. Além disso, o aumento na sensibilidade pode ser uma resposta emocional à magnitude das mudanças que estão acontecendo no corpo e na vida da mulher, refletindo a natural preocupação com a saúde do bebê, os preparativos para sua chegada e as expectativas sobre a maternidade.

O que o bebê sente

É fascinante considerar que a sensibilidade aumentada durante a gestação não é uma via de mão única. Há evidências científicas sugerindo que o bebê, ainda no útero, é capaz de sentir e, até certo ponto, reagir às emoções de sua mãe. Estudos indicam que a partir do segundo trimestre de gestação, o bebê já pode começar a perceber estímulos externos, incluindo as emoções vivenciadas pela mãe.

As emoções da gestante podem influenciar o ambiente uterino e, consequentemente, o desenvolvimento e o comportamento do feto. Por exemplo, altos níveis de estresse e ansiedade na gestante podem aumentar a produção de hormônios como cortisol, que atravessa a placenta e pode afetar o bebê. Por outro lado, momentos de alegria e tranquilidade também são compartilhados, promovendo sensações de bem-estar no feto. Esse intercâmbio emocional ressalta a importância de um ambiente gestacional harmonioso, reiterando o motivo pelo qual a sensibilidade materna está tão aguçada: é um mecanismo de conexão profunda entre mãe e filho.

Como o companheiro pode ajudar

O papel do companheiro durante a gestação é fundamental para suavizar as oscilações emocionais experimentadas pela grávida e para contribuir com um ambiente de amor e serenidade. A compreensão, a paciência e a empatia são atitudes-chave que o parceiro pode adotar para auxiliar durante este período de sensibilidade exacerbada.

Estar presente, ouvir sem julgamentos, participar ativamente dos preparativos para a chegada do bebê e das consultas pré-natais são formas de demonstrar apoio e carinho. Além disso, estimular conversas sobre os sentimentos e as expectativas em relação à paternidade/maternidade fortalece o vínculo entre o casal e promove um ambiente emocionalmente estável. Pequenos gestos de cuidado e atenção, como massagens leves, também podem ser muito reconfortantes para a gestante.

O companheiro não deve esquecer de cuidar também das próprias emoções, buscando apoio quando necessário. Afinal, uma rede de apoio sólida é benéfica para todos os envolvidos, principalmente para o bebê que está por vir. Em resumo, a sensibilidade durante a gravidez é um fenômeno natural que reflete as inúmeras mudanças pelas quais a gestante está passando. Compreender e respeitar esse estado emocional é imprescindível para que essa jornada seja vivida de forma plena e amorosa.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp