Cateterismo cerebral: o que é, para que serve e possíveis riscos

O cateterismo cerebral é um procedimento médico minimamente invasivo usado para diagnosticar e tratar doenças cerebrais. Pode apresentar riscos como sangramento ou infecção.

Para que serve

O cateterismo cerebral é um procedimento invasivo que tem como objetivo avaliar e diagnosticar condições cerebrais. Ele é utilizado para obter informações sobre o fluxo sanguíneo, pressão intracraniana e a presença de anomalias vasculares ou tumorais. Além disso, também permite a coleta de amostras de sangue para análises laboratoriais e administração de medicamentos diretamente no sistema circulatório cerebral.

Este procedimento é frequentemente utilizado em casos de acidente vascular cerebral (AVC), aneurismas cerebrais, malformações arteriovenosas (MAV), tumores cerebrais, hemorragias subaracnoides e controle de pressão intracraniana.

Como é feito

O cateterismo cerebral é realizado sob anestesia geral, em um ambiente hospitalar. Durante a cirurgia, um pequeno tubo, chamado cateter, é inserido em uma artéria (geralmente a femoral) e guiado até o cérebro por meio de radiografias em tempo real.

Existem diferentes técnicas de cateterismo cerebral, sendo as mais comuns a angiografia cerebral e a pressão intracraniana. Na angiografia, uma substância de contraste é injetada através do cateter para que o médico possa visualizar o fluxo sanguíneo cerebral em um exame de imagem conhecido como arteriografia cerebral. Já na pressão intracraniana, o cateter é utilizado para medir a pressão dentro do crânio, auxiliando no monitoramento e tratamento de pacientes com traumas na cabeça ou distúrbios neurológicos.

Possíveis riscos

Assim como qualquer procedimento invasivo, o cateterismo cerebral apresenta riscos. Embora seja considerado relativamente seguro quando realizado por profissionais qualificados, existem possíveis complicações que devem ser consideradas.

Entre os riscos mais comuns estão a infecção no local de inserção do cateter, reações alérgicas ao contraste utilizado durante a angiografia cerebral e sangramento excessivo no local de punção. Além disso, em casos mais raros, pode ocorrer a formação de coágulos sanguíneos que podem obstruir vasos cerebrais, levando a um acidente vascular cerebral ou outros danos cerebrais.

É importante ressaltar que a decisão de realizar um cateterismo cerebral deve ser tomada após uma avaliação criteriosa dos riscos e benefícios pelo médico responsável. Cada caso é único, e é fundamental que o paciente esteja devidamente informado sobre os possíveis riscos e complicações antes de se submeter a esse procedimento invasivo.

Em resumo, o cateterismo cerebral é um procedimento que serve para avaliar e diagnosticar condições cerebrais, sendo utilizado principalmente em casos de AVC, aneurismas cerebrais e tumores. Ele é realizado inserindo um cateter em uma artéria, geralmente a femoral, e o guiando até o cérebro por meio de radiografias em tempo real. Apesar de relativamente seguro, existem possíveis riscos envolvidos, como infecção, reações alérgicas e sangramento excessivo. Cabe ao médico responsável avaliar os benefícios e riscos do procedimento antes de tomá-lo.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp