Oligúria: o que é, causas e tratamento

A oligúria é uma condição médica caracterizada pela produção inadequada de urina. Suas causas podem variar, como insuficiência renal ou desidratação. O tratamento depende da causa subjacente e pode incluir terapia de reposição de líquidos ou medicamentos específicos.

Diferença de anúria e oligúria

A oligúria e a anúria são termos utilizados para descrever uma diminuição significativa na produção de urina. No entanto, existem diferenças importantes entre os dois. A anúria é caracterizada pela ausência completa de urina, enquanto a oligúria ocorre quando a produção de urina é menor do que o normal, mas ainda está presente.

A anúria é um sinal de uma disfunção grave nos rins. Pode ser causada por uma obstrução física do fluxo de urina, como um cálculo (pedra nos rins) ou uma anomalia estrutural nos rins ou trato urinário. Além disso, a anúria pode ser um sinal de insuficiência renal aguda, uma condição em que os rins param subitamente de funcionar. É uma emergência médica que requer atenção imediata.

Por outro lado, a oligúria geralmente ocorre como resultado de uma diminuição temporária do fluxo sanguíneo para os rins. Isso pode acontecer por várias razões, como desidratação, hipotensão (pressão arterial baixa) ou certos medicamentos que afetam o fluxo sanguíneo renal. A oligúria também pode ser um sinal de danos nos rins causados por doenças crônicas, como diabetes ou hipertensão.

É importante destacar que tanto a anúria quanto a oligúria são sintomas de um problema subjacente e requerem investigação médica adequada para determinar a causa subjacente e iniciar o tratamento apropriado.

Como confirmar o diagnóstico

Ao apresentar sintomas de oligúria, é fundamental consultar um médico para confirmar o diagnóstico e identificar a causa subjacente. O profissional de saúde realizará uma avaliação cuidadosa, que pode incluir:

Exame físico: O médico pode realizar um exame físico completo para verificar se há sinais de doenças renais, como inchaço nas pernas ou pressão arterial elevada.

Exames laboratoriais: Os exames laboratoriais, como o exame de urina e o exame de sangue, são essenciais para avaliar a função renal. A análise da urina pode revelar a presença de substâncias anormais, como proteínas, enquanto os exames de sangue podem medir os níveis de creatinina e ureia, que são indicadores da função renal.

Ultrassonografia renal: A ultrassonografia é um exame indolor e não invasivo que utiliza ondas sonoras para criar imagens dos rins. Esse exame pode ajudar a identificar anomalias estruturais nos rins ou trato urinário, além de avaliar o fluxo sanguíneo para os rins.

Tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM): Em alguns casos, o médico pode solicitar uma TC ou RM para obter imagens mais detalhadas dos rins e trato urinário, permitindo uma avaliação mais precisa da estrutura e função renal.

Biópsia renal: Em situações mais complexas, o médico pode recomendar uma biópsia renal para obter uma amostra de tecido renal para análise laboratorial detalhada. Essa análise pode ajudar a identificar doenças ou lesões específicas que possam estar causando a oligúria.

Ao confirmar o diagnóstico de oligúria, o médico poderá então iniciar o tratamento adequado com base na causa subjacente identificada. É fundamental seguir as recomendações do profissional de saúde e fazer o acompanhamento necessário para garantir uma recuperação adequada.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp