Hematócrito (Hct): o que é e porque está alto ou baixo

O Hematócrito (Hct) é uma medida que avalia a porcentagem de células vermelhas do sangue em relação ao volume total. Valores altos podem indicar desidratação, problemas pulmonares ou distúrbios na medula óssea, enquanto que valores baixos podem estar associados a anemia, hemorragias ou insuficiência renal.

O que é Hematócrito (Hct)

O hematócrito (Hct) é um exame laboratorial que mede a porcentagem de células vermelhas presentes no sangue. Ele indica a quantidade de células vermelhas em relação ao volume total de sangue, fornecendo informações valiosas sobre a saúde hematológica do paciente. Os resultados do hematócrito são expressos em porcentagem e podem variar de acordo com a idade, gênero e condições clínicas do indivíduo.

Hematócrito alto: causas e consequências

Quando o hematócrito está elevado, isso significa que há um maior número de células vermelhas circulantes no sangue. Essa condição pode ser causada por diferentes fatores, como desidratação, doenças crônicas, problemas pulmonares crônicos, tabagismo, uso de esteroides anabolizantes, entre outros.

A principal consequência do hematócrito alto é um aumento da viscosidade sanguínea, o que dificulta a circulação do sangue nos vasos. Isso pode levar a complicações como aumento do risco de trombose, acidente vascular cerebral (AVC), infarto do miocárdio e problemas circulatórios em geral.

Hematócrito baixo: causas e consequências

Já um hematócrito baixo indica uma redução na quantidade de células vermelhas circulantes no sangue. Isso pode ocorrer devido a diferentes motivos, que incluem anemia, perda de sangue significativa, deficiências vitamínicas, doenças crônicas, doenças da medula óssea, entre outros.

As consequências de um hematócrito baixo podem ser igualmente graves. Com menos células vermelhas para transportar oxigênio pelo corpo, pode ocorrer fadiga extrema, falta de ar, fraqueza, tonturas e até mesmo desmaios. O sistema imunológico também pode ser comprometido, dificultando a resistência contra infecções.

Diagnóstico e tratamento

O hematócrito alto ou baixo é geralmente detectado por meio de um exame de sangue, que pode ser solicitado pelo médico para investigar sintomas específicos ou como parte de um check-up de rotina. Dependendo dos resultados, outros exames complementares podem ser necessários para identificar a causa subjacente.

O tratamento do hematocrito alterado depende da causa subjacente. No caso do hematocrito alto, é importante tratar a desidratação, tratar ou controlar as condições subjacentes e evitar fatores de risco, como tabagismo e o uso de esteroides anabolizantes. Para o hematocrito baixo, é fundamental tratar a doença subjacente, como anemia ou deficiências vitamínicas, e em alguns casos pode ser necessária uma transfusão de sangue.

Prevenção e cuidados

Algumas medidas podem ajudar a prevenir alterações no hematócrito. Uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes essenciais para a produção de células vermelhas, como ferro, vitamina B12 e ácido fólico, é fundamental. Manter-se hidratado também é importante, assim como evitar hábitos prejudiciais, como fumar.

É essencial realizar exames periódicos para acompanhar o hematócrito e, caso haja alguma alteração, buscar orientação médica para investigar e tratar a causa subjacente. Além disso, seguir as orientações médicas no tratamento de doenças crônicas e adotar um estilo de vida saudável são medidas importantes para manter o hematócrito dentro dos valores adequados.

Em suma, compreender o que é o hematócrito, as possíveis causas e consequências de seu aumento ou diminuição e a importância do diagnóstico e tratamento adequados é fundamental para promover a saúde hematológica e prevenir complicações graves.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp