Citrato de tofacitinibe: o que é, para que serve e como tomar

O citrato de tofacitinibe é um medicamento utilizado para tratar doenças autoimunes como artrite reumatoide e psoríase. Deve ser tomado de acordo com a orientação médica para obter resultados eficazes.

Para que serve

O citrato de tofacitinibe é um medicamento que pertence à classe dos inibidores de Janus quinase (JAK). Ele é utilizado principalmente para o tratamento de doenças autoimunes, como a artrite reumatoide, a artrite psoriática e a colite ulcerativa.

A artrite reumatoide é uma doença crônica que afeta as articulações, causando dor, inchaço e rigidez. O citrato de tofacitinibe atua bloqueando a ação de uma enzima chamada JAK, que está envolvida na inflamação das articulações. Dessa forma, ele ajuda a reduzir a dor e a inflamação, melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Além disso, o medicamento também pode ser utilizado no tratamento da artrite psoriática, uma forma de artrite que ocorre em pessoas com psoríase. Assim como na artrite reumatoide, o citrato de tofacitinibe age controlando a inflamação e aliviando os sintomas articulares.

Outra indicação do citrato de tofacitinibe é a colite ulcerativa, uma doença que afeta o intestino e causa inflamação na mucosa intestinal. O medicamento auxilia na redução da inflamação e no controle dos sintomas, como diarreia e dor abdominal.

Como tomar

O citrato de tofacitinibe é geralmente administrado por via oral, na forma de comprimidos. A posologia recomendada pode variar de acordo com a doença em tratamento e a orientação médica.

No caso da artrite reumatoide, a dose usual é de 5 mg, duas vezes ao dia. Já para a artrite psoriática, a dose inicial recomendada é de 5 mg, uma vez ao dia, podendo ser aumentada para 10 mg, duas vezes ao dia, após 4 semanas. No tratamento da colite ulcerativa, a dose recomendada é de 10 mg, duas vezes ao dia.

É importante ressaltar que a dosagem e o esquema de administração devem ser definidos pelo médico responsável, levando em consideração a gravidade da doença, a resposta individual do paciente e outras condições clínicas.

Possíveis efeitos colaterais

Assim como qualquer medicamento, o citrato de tofacitinibe pode causar efeitos colaterais. Os mais frequentes incluem infecções do trato respiratório superior, nasofaringite, dor de cabeça e diarreia. Outros efeitos adversos comuns são os relacionados ao aumento dos níveis de colesterol, como hiperlipidemia.

Além disso, o medicamento pode aumentar o risco de infecções graves, como tuberculose, herpes zoster e pneumonia. Por isso, é fundamental que os pacientes sejam avaliados quanto à possível presença de infecções antes de iniciar o tratamento com o citrato de tofacitinibe e sejam monitorados durante o uso do medicamento.

Em casos mais raros, o citrato de tofacitinibe pode causar problemas hepáticos, como aumento das enzimas do fígado. Também foram relatados casos de reações alérgicas, distúrbios sanguíneos e problemas pulmonares.

Caso ocorra algum efeito colateral durante o tratamento com o citrato de tofacitinibe, é fundamental entrar em contato com o médico responsável para avaliar a necessidade de ajustes na posologia ou até mesmo a suspensão do medicamento.

Quem não deve tomar

O citrato de tofacitinibe não deve ser utilizado por pessoas que apresentam hipersensibilidade ao princípio ativo ou a qualquer outro componente da fórmula. Além disso, pacientes com infecções ativas, como tuberculose, também não devem fazer uso do medicamento.

Pessoas com insuficiência hepática grave, insuficiência renal grave ou com contagem de células sanguíneas abaixo dos valores normais também não devem utilizar o citrato de tofacitinibe.

É importante ressaltar que o citrato de tofacitinibe pode interagir com outros medicamentos, como os imunossupressores. Por isso, é fundamental informar ao médico sobre todos os medicamentos em uso antes de iniciar o tratamento.

Em resumo, o citrato de tofacitinibe é um medicamento indicado para o tratamento de doenças autoimunes, como a artrite reumatoide, artrite psoriática e colite ulcerativa. Sua administração é por via oral, na forma de comprimidos, e a posologia deve ser definida de acordo com a orientação médica. É fundamental estar atento aos possíveis efeitos colaterais e informar ao médico sobre quaisquer sintomas adversos durante o tratamento. O medicamento não deve ser utilizado por pessoas com hipersensibilidade, infecções ativas, insuficiência hepática ou renal grave e contagem baixa de células sanguíneas.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp