100 mil mulheres lotaram Brasília na Marcha das Margaridas

Autores: João Canizares.

Entre elas, a trabalhadora rural Marilene Rodrigues Rocha, da Reserva Extrativista Tapajós; veja imagens

Para chegar a Brasília e participar da Marcha das Margaridas, a trabalhadora rural Marilene Rodrigues Rocha, de 54 anos de idade, fez um longo percurso. Viajou cerca de oito horas de barco da sua comunidade Vista Alegre do Muratuba, que fica dentro da Reserva Extrativista Tapajós — Arapiuns até Santarém, no Pará, pelo rio Tapajós.

Marilene Rodrigues, vice-presidente na diretoria executiva da Organização das Associações da Reserva Extrativista Tapajós — Arapiuns. Ela veste camiseta com a frase
Marilene Rodrigues, vice-presidente na diretoria executiva da Organização das Associações da Reserva Extrativista Tapajós — Arapiuns

Depois foram outras três horas e meia de avião para chegar à capital federal. Ela veio participar pela quinta vez da Marcha das Margaridas e pedir mais direitos e respeito a quem trabalha no campo.

Mulheres deixam ônibus em Brasília à caminho da Marcha das Margaridas
Margaridas enfrentaram longo trajeto até Brasília

“Essa marcha é um movimento muito importante para as mulheres que vivem na área rural. Que são filhas de trabalhadoras, que são agricultoras, pescadoras, indígenas e quilombolas. Todas as mulheres que vivem nas periferias e áreas urbanas também”, explica Marilene.

“Nós estamos sofrendo alguns problemas muito sérios. Um deles é o desmatamento, as queimadas. Outro é o nosso rio Tapajós que está com muito agrotóxico e alto nível de mercúrio por conta do garimpo na região do Alto Tapajós”.

Marilene é vice-presidente na diretoria executiva da Organização das Associações da Reserva Extrativista Tapajós — Arapiuns. A denominada Tapajoara, que representa 24 comunidades presentes na reserva. Juntas elas somam cerca de 3.500 famílias, em torno de 20.000 pessoas em um território que possui mais de 670 mil hectares, nos municípios de Santarém e Aveiro, no Pará.

Para ela, esse é um momento importante: “É a primeira vez que conseguimos trazer um número grande de mulheres extrativistas e indígenas para este evento. E isso vai somar com a busca de políticas públicas para nosso município e nosso território”.

Nesta sétima edição, segundo informações da organização e da polícia militar do Distrito Federal, a Marcha das Margaridas recebeu mais de 100 mil pessoas nos dias 15 e 16 de agosto.

“Pela reconstrução do Brasil e pelo bem viver” foi o título da maior ação de mulheres da América Latina este ano.

Após o período de pandemia e os retrocessos que o governo passado causou, o encontro lembrou a necessidade de se retomar a luta por igualdade, democracia e liberdade. Marilene, as mais de 40 mulheres que vieram da Reserva Extrativista Tapajós — Arapiuns, e as outras milhares de participantes da marcha, em sua maioria, ficaram acampadas durante esses dois dias no Pavilhão do Parque Dona Sarah Kubitschek.

Foram noites frias e dias quentes e secos nas barracas, colchonetes e redes que ocuparam o enorme “galpão” normalmente destinado à eventos.

Apesar da simbologia e das inúmeras flores de todos os tipos e cores que tomaram uma das maiores vias de Brasília, o Eixo Monumental, casa dos principais poderes do país e palco da Marcha das Margaridas, que caminhou cerca de 6 km, o nome do evento é uma homenagem à Margarida Maria Alves.

Margarida era presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande, uma cidade do interior do estado da Paraíba. Ela foi assassinada com um tiro no rosto, na porta de sua casa, em 12 de agosto de 1983. Aos 50 anos de idade. Foi uma lutadora pelos direitos e por melhores condições de trabalho no campo. Lutou também pela reforma agrária e contra a violência no campo.

No primeiro dia da Marcha das Margaridas de 2023, 15 de agosto, foi aprovado na Câmara dos deputados o projeto de lei que que inclui o nome de Margarida Alves no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria. Um livro histórico que reúne nomes importantes na história da luta pela democracia e igualdade no Brasil.

Mulher negra com chapéu de palha segura placa com a frase
Evento é uma homenagem à Margarida Maria Alves, lutadora pela reforma agrária e contra a violência no campo

“Só com gerador”

Enquanto falava sobre o dia a dia na Reserva Extrativista, Marilene ficava na ponta dos pés procurando suas companheiras de viagem e de vida entre as milhares de pessoas que se organizavam para sair com a marcha enquanto o sol terminava de nascer. “Lá não tem energia. Só com gerador. Para funcionar tem que comprar combustível e esperar o barco trazer”.

Na comunidade, elas organizaram bingos e conseguiram apoios financeiros para custear passagens de avião de Santarém até Brasília. “A nossa dormida na Marcha das Margaridas foi no chão mesmo, com colchonete que ganhamos de doação ou até de outros companheiros que estavam participando”.

O café da manhã no Pavilhão do Parque Dona Sarah Kubitschek começou a ser servido às 4h da manhã. A marcha partiu às 7h e chegou no gramado em frente ao Congresso Nacional por volta das 10h. A multidão se aglomerou em frente a um palco que devagar foi tomado pelas autoridades.

Entre ministros, deputados e presidentes de entidades estavam mulheres como a Ministra do Meio Ambiente Marina Silva, a Deputada Federal Célia Xakriabá, a Ministra da Igualdade Racial Anielle Franco e a Secretária de Mulheres da Contag e coordenadora geral da Marcha das Margaridas Mazé Morais.

O evento foi encerrado com discurso do presidente Lula. Ele assinou oito decretos em resposta às demandas das mulheres.

São eles:

  1. Criação do Pacto Nacional de Prevenção do Feminicídios;
  2. Programa Nacional de Cidadania e Bem Viver para as Mulheres Rurais com retomada do Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural;
  3. Retomada da Política Nacional para os Trabalhadores Empregados;
  4. Retomada do Programa Bolsa Verde;
  5. Instituiu o Programa Quintais Produtivos;
  6. Instituiu uma Comissão de Enfrentamento à Violência no Campo;
  7. Criou o Grupo de Trabalho Interministerial para construir o Plano Nacional de Juventude e Sucessão Rural e retomou a Reforma Agrária com atenção a famílias chefiadas por mulheres.

Além desses decretos, os ministros do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira, e a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves também anunciaram novos programas.

Marilene começou o caminho de volta a sua terra assim que a marcha chegou ao Congresso Nacional. Não conseguiu ficar para ver o presidente Lula discursar. “Não vai dar tempo, nosso avião vai sair”.

Marilene é mãe de quatro filhos, e todas as outras mulheres que representaram Margarida Alves nestes dois dias, convivem cotidianamente com diversas formas de violência. Física, psicológica, de seus territórios, de sua segurança alimentar e de seus direitos.

“É muito preocupante porque nós somos desafiados e até violentados moral e emocionalmente. A gente recebe muita ameaça desse povo que quer entrar na nossa reserva e explorar nossa maior riqueza, que é a madeira. Além de outros bens naturais”.

Fonte: Via apublica.org

fonte artigo

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp