Infertilidade do brasileiro já responde por 1,2% da receita global de farmacêuticas

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A infertilidade se tornou um negócio vitaminado no Brasil. O país hoje representa 1,7% das vendas globais dos principais laboratórios e deve passar para 4,2% em sete anos.

Relatório da IVF Brazil, consultoria especializada em reprodução assistida, mostra que, no mundo, as receitas com a venda de medicamentos contra a infertilidade devem passar dos atuais US$ 35,5 bilhões para US$ 50,1 bilhões, em 2030.

A expectativa é que as vendas no país cheguem a US$ 2,2 bilhões até lá. Hoje, movimentam US$ 500 milhões, segundo a IVF.

Abbott, Bayer, Novartis, Merck, Pfizer, Sanofi, entre outras, comercializam drogas para tentar combater os problemas causados pelo aumento de distúrbios hormonais na população de todas as faixas etárias.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) afirma que, nesse momento, uma em cada seis pessoas do mundo sofrem com a infertilidade.

Medicamentos para infertilidade são formulados para regular níveis hormonais —como estimular a ovulação ou melhorar a produção e qualidade dos espermatozóides

“As mudanças no estilo de vida, o adiamento da maternidade por conta da carreira profissional feminina e questões ambientais são fatores que estão aumentando a incidência da infertilidade no Brasil e impulsionando o crescimento da indústria de medicamentos para fertilidade”, diz Fernando Prado, diretor da Neo Vita, clínica especializada em reprodução assistida.

Autor(es): JULIO WIZIACK / FOLHAPRESS

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp