Folie à Deux: o que é, características e tratamento

Folie à Deux é um raro transtorno psiquiátrico compartilhado por duas pessoas, envolvendo delírios idênticos ou semelhantes. O tratamento foca em terapia e separação.

Folie à Deux: o que é

A Folie à Deux, ou loucura compartilhada, é um raro e intrigante fenômeno psicológico onde duas ou mais pessoas, geralmente próximas emocionalmente, compartilham as mesmas crenças delirantes ou alucinações. Originário do francês, o termo traduzido literalmente significa “loucura de dois”. Este distúrbio mostra como as relações humanas podem influenciar profundamente a percepção da realidade, chegando ao ponto de compartilhar uma mesma ilusão ou distorção da realidade. O fascínio que circunda a Folie à Deux não é somente pelo aspecto clínico, mas também pela reflexão que suscita sobre o poder da influência humana e dos laços emocionais.

A condição é extremamente rara e pode assumir várias formas, sendo categorizada em Folie imposée, onde as ideias delirantes são impostas de uma pessoa para outra; Folie simultanée, quando dois indivíduos desenvolvem crenças delirantes independentemente, mas ao mesmo tempo, por conta de um relacionamento próximo; e Folie communiquée, onde as crenças delirantes são transferidas de uma para outra, após um período de resistência inicial. A natureza desses delírios pode variar amplamente, desde perseguições até grandiosidade, ou qualquer outra crença irreal que seja firmemente sustentada apesar das evidências contrárias.

Principais características

A Folie à Deux é caracterizada por uma intrincada relação entre os indivíduos envolvidos, onde os delírios são compartilhados com tal convicção que se tornam indistinguíveis da realidade para as partes afetadas. Estes delírios normalmente são consequência de uma relação simbiótica, onde há uma dependência psicológica mútua. Geralmente se manifesta em relações onde um dos participantes é dominante, sendo a fonte original do delírio, e o outro, submisso, aceitando as crenças impostas sem questionamento.

Além de compartilhar os mesmos delírios, pessoas afetadas pela Folie à Deux podem também exibir alucinações auditivas ou visuais semelhantes, solidificando ainda mais a sua realidade compartilhada. Essas experiências partilhadas podem levar a um isolamento crescente, onde os indivíduos se afastam da sociedade e mergulham ainda mais fundo em sua loucura compartilhada, rejeitando qualquer intervenção externa que tente contrariar suas crenças.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico de Folie à Deux envolve um processo cuidadoso, dada a sua raridade e complexidade. A avaliação começa com uma coleta detalhada da história dos pacientes, suas relações interpessoais e dinâmicas familiares. Profissionais de saúde mental empregam entrevistas clínicas e observações do comportamento dos pacientes para identificar sinais de delírios compartilhados. Ferramentas de diagnóstico psiquiátrico, como o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), são utilizadas para auxiliar na identificação e classificação da condição.

É crucial distinguir a Folie à Deux de outras condições psiquiátricas com características semelhantes, como a esquizofrenia, especialmente porque, em muitos casos, os delírios compartilhados podem ser bastante específicos e limitados a determinadas ideias. Além disso, um foco particular do diagnóstico é entender a dinâmica da relação entre os indivíduos envolvidos, identificar quem é o “indutor” dos delírios e se há histórico de transtornos mentais ou suscetibilidade à influência delirante.

Como é feito o tratamento

O tratamento da Folie à Deux envolve uma abordagem multidisciplinar, focada tanto nos aspectos psicológicos quanto sociais. Geralmente, a primeira etapa é separar os indivíduos afetados, o que pode ser bastante desafiador, dada a intensa dependência mútua. Tal separação é essencial para dissipar a influência delirante que um exerce sobre o outro. A partir daí, cada pessoa é tratada de forma individual, com terapias que podem incluir medicação antipsicótica para controlar os delírios e alucinações, bem como terapia cognitivo-comportamental para ajudar na reestruturação de crenças e percepções.

Além das intervenções clínicas, é vital um acompanhamento para a reabilitação social dos indivíduos, incentivando a formação de relacionamentos saudáveis e a reconstrução de suas vidas longe da influência delirante partilhada. Em muitos casos, a terapia familiar também pode ser benéfica, uma vez que proporciona um suporte adicional e facilita a compreensão dos padrões de interação que podem ter contribuído para o desenvolvimento da Folie à Deux.

Apesar de sua raridade, a Folie à Deux é um fenômeno fascinante que destaca a complexidade da mente humana e a profunda influência das relações interpessoais na percepção da realidade. Seu tratamento requer sensibilidade e uma abordagem personalizada, reconhecendo as necessidades únicas de cada indivíduo envolvido. Com o apoio adequado e intervenção, é possível superar a loucura compartilhada e recuperar uma visão saudável da realidade.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp