Isoniazida com Rifampicina: mecanismo de ação e efeitos colaterais

Isoniazida com Rifampicina é um tratamento utilizado contra a tuberculose, agindo no combate às bactérias causadoras da doença. Seus efeitos colaterais incluem hepatotoxicidade e reações alérgicas, por isso é importante acompanhamento médico.

Como usar

A combinação de isoniazida com rifampicina é amplamente utilizada no tratamento de tuberculose, uma doença infecciosa que afeta principalmente os pulmões. Ambos os medicamentos são administrados por via oral e devem ser ingeridos de acordo com a prescrição médica. É importante seguir rigorosamente o esquema terapêutico recomendado, respeitando a dose e o intervalo entre as doses.

É recomendado tomar os medicamentos com o estômago vazio, pelo menos uma hora antes ou duas horas após as refeições, pois a ingestão de alimentos pode diminuir a absorção dos mesmos. No entanto, se o uso em jejum causar desconforto gastrointestinal, pode ser recomendado tomar após as refeições. É fundamental evitar a interrupção do tratamento antes do término do período prescrito pelo médico, mesmo que os sintomas da tuberculose desapareçam.

Mecanismo de ação

A isoniazida e a rifampicina atuam de maneiras diferentes no combate à tuberculose, complementando-se em sua ação. A isoniazida interfere na síntese da parede celular das bactérias, prejudicando seu crescimento e multiplicação. Além disso, a isoniazida é ativa contra as formas dormentes da bactéria, chamadas de bacilos persistentes, que podem resistir ao tratamento convencional.

A rifampicina, por sua vez, age ao inibir a síntese de RNA das bactérias, o que impede sua multiplicação e crescimento. Ela é especialmente eficaz na eliminação das formas ativas da Mycobacterium tuberculosis, a bactéria responsável pela tuberculose. A combinação desses dois medicamentos, isoniazida e rifampicina, é crucial para o tratamento efetivo da doença.

Quem não deve usar

Apesar de serem medicamentos amplamente utilizados no tratamento da tuberculose, a combinação de isoniazida com rifampicina não é recomendada para todos os pacientes. Alguns indivíduos podem apresentar contraindicações ou necessitar de cuidados específicos durante o tratamento.

Pacientes com histórico de intolerância ou reações graves a qualquer um desses medicamentos devem evitar o uso dessa combinação. Além disso, pessoas com insuficiência hepática ou renal grave devem ter cautela na administração desses medicamentos, pois eles são metabolizados no fígado e excretados pelos rins.

Mulheres grávidas ou que estejam amamentando devem ser avaliadas cuidadosamente pelo médico antes de iniciar o tratamento com isoniazida e rifampicina, pois esses medicamentos podem atravessar a placenta e ser excretados no leite materno.

Possíveis efeitos colaterais

Como qualquer medicamento, a combinação de isoniazida com rifampicina pode causar efeitos colaterais em alguns pacientes. É importante ressaltar que nem todas as pessoas irão apresentar esses efeitos, e a maioria deles é transitória e desaparece com a continuidade do tratamento.

Entre os possíveis efeitos colaterais estão náuseas, vômitos, desconforto abdominal, dor de cabeça, tontura, alterações da função hepática, coloração laranja da urina e das lágrimas devido à rifampicina, erupções cutâneas, entre outros.

Além disso, a isoniazida pode causar neuropatia periférica, caracterizada por formigamento ou dormência dos membros, efeito que pode ser minimizado com a administração concomitante de piridoxina, uma forma de vitamina B6.

É importante ressaltar que qualquer efeito colateral deve ser comunicado ao médico responsável, para avaliação e eventual alteração do tratamento, se necessário.

Em suma, a combinação de isoniazida com rifampicina é amplamente utilizada no tratamento da tuberculose, agindo de maneiras complementares no combate à doença. No entanto, é fundamental utilizar esses medicamentos com cautela, seguindo as orientações médicas, e estar atento aos possíveis efeitos colaterais, comunicando-os ao profissional de saúde. O tratamento completo e adequado da tuberculose é essencial para a recuperação total e a prevenção de complicações.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp