Cirurgia de estrabismo: quando fazer, recuperação e riscos

A cirurgia de estrabismo é indicada para corrigir o desalinhamento dos olhos. O pós-operatório geralmente é tranquilo, mas podem ocorrer inchaço e desconforto. Os riscos incluem infecção e visão dupla temporária.

Como é feita a cirurgia de estrabismo

A cirurgia de estrabismo é um procedimento oftalmológico realizado com o objetivo de corrigir o desalinhamento dos olhos, ou seja, o estrabismo. Essa condição ocorre quando há uma desarmonia nos músculos que controlam os movimentos oculares, fazendo com que um olho se desvie para dentro, para fora, para cima ou para baixo em relação ao outro.

O procedimento cirúrgico pode ser feito em diferentes idades, desde bebês até adultos. Antes de realizar a cirurgia, o médico oftalmologista realiza exames detalhados para avaliar a gravidade do estrabismo e determinar a melhor abordagem cirúrgica.

Durante a cirurgia, o paciente é sedado e recebe anestesia local ou geral, dependendo das necessidades e condições individuais. O oftalmologista realiza pequenas incisões na conjuntiva, a membrana que reveste o olho, para acessar os músculos oculares. Em seguida, são feitos ajustes nos músculos para reposicioná-los corretamente, de forma a corrigir o desvio dos olhos.

A técnica utilizada varia de acordo com a gravidade e direção do estrabismo. Podem ser feitos encurtamentos, alongamentos, ressecções ou desinserções dos músculos oculares, dependendo da necessidade do paciente. A cirurgia é geralmente rápida, durando entre 30 minutos e uma hora. Após o procedimento, o paciente é encaminhado para a recuperação.

Recuperação no pós-operatório da cirurgia de estrabismo

Após a cirurgia de estrabismo, é comum que haja algum desconforto nos primeiros dias, como sensação de ardor, lacrimejamento e até mesmo dor nos olhos. O médico oftalmologista prescreverá colírios e medicamentos analgésicos para aliviar esses sintomas e auxiliar na recuperação.

É importante seguir todas as orientações médicas durante o pós-operatório, como manter os curativos oculares limpos e trocá-los de acordo com as recomendações do médico. É necessário evitar coçar os olhos, pois isso pode interferir no processo de cicatrização.

O paciente pode perceber uma melhora gradual no alinhamento dos olhos nas primeiras semanas após a cirurgia. No entanto, a recuperação completa leva um tempo maior, podendo estender-se por alguns meses. Durante esse período, é fundamental comparecer às consultas de acompanhamento e fazer os exames solicitados pelo especialista para monitorar o processo de recuperação.

É importante destacar que cada caso é individual e a recuperação pode variar. Algumas pessoas poderão retomar as atividades cotidianas em poucos dias, enquanto outras podem levar mais tempo para se adaptar ao novo ajuste ocular. O médico oftalmologista orientará o paciente sobre suas particularidades e o tempo de recuperação específico.

Possíveis riscos da cirurgia de estrabismo

Assim como qualquer procedimento cirúrgico, a cirurgia de estrabismo apresenta riscos, embora sejam considerados baixos. Alguns possíveis riscos incluem infecção ocular, inflamação, sangramento, reação alérgica aos medicamentos prescritos, visão dupla persistente, assimetria no alinhamento dos olhos, entre outros.

Felizmente, a incidência de complicações graves é rara. Ainda assim, é de extrema importância que o paciente esteja ciente de todos os riscos potenciais antes de optar pela cirurgia. É fundamental realizar exames pré-operatórios completos para avaliar a saúde ocular e garantir que o paciente esteja apto para o procedimento.

Os riscos e benefícios da cirurgia de estrabismo devem ser discutidos em detalhes entre o médico oftalmologista e o paciente ou, no caso de crianças, com os responsáveis. O profissional da saúde irá considerar a idade do paciente, o tipo de estrabismo, sua gravidade e outros fatores individuais para tomar a melhor decisão em relação ao tratamento.

Em resumo, a cirurgia de estrabismo é um procedimento oftalmológico eficaz para corrigir o desalinhamento dos olhos. A técnica utiliza diferentes abordagens de acordo com a gravidade e direção do estrabismo. A recuperação pós-operatória demanda cuidados, seguindo todas as orientações médicas para garantir melhores resultados. Embora os riscos sejam baixos, é importante estar ciente deles e discuti-los com o médico antes de se submeter à cirurgia.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Picture of Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp