Fosfoetanolamina Sintética: O que é? Para que serve?

Presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), o médico Evanius Wiermann defende que os órgãos públicos, entre eles a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) e o próprio Ministério da Saúde abandonem a inércia e saiam a campo dispostos a esclarecer em definitivo a opinião pública, em especial os pacientes de câncer, sobre os reais benefícios da medicação Fosfoetanolamina Sintética, entregue gratuitamente pelo Correio. Dezenas de pessoas relatam grande melhora com o uso da substância. Leia a reportagem e ouça entrevista.

A declaração do presidente da entidade ocorre no âmbito de uma polêmica. Não autorizado pelo governo brasileiro, o medicamento tem sido distribuído em larga escala para centenas de pacientes com câncer de todo o Brasil e também do exterior. A droga Fosfoetanolamina é produzida exclusivamente nos laboratórios da Universidade de São Paulo em São Carlos.

Descoberta na década de 90 por Gilberto Orivaldo Chierice e Salvador Claro Neto, químicos da USP, passou a ser usada em maior escala há cerca de dez anos. A fórmula tem sido utilizada a partir de um pedido médico e autorização da Justiça. Sua existência já repercute no exterior. Entretanto, nas quatro vezes em que os pesquisadores tentaram submeter a fórmula à avaliação da Anvisa, um excesso de burocracia inviabilizou o parecer.

Fosfoetanolamina Sintética: Origens, Aplicações e Controvérsias

A Fosfoetanolamina Sintética, também conhecida como “pílula do câncer”, é um composto químico que despertou grande interesse e controvérsia na comunidade científica e na sociedade em geral. Sua história está ligada à esperança de tratamento para o câncer, mas também envolve debates éticos, regulatórios e científicos. Este artigo visa fornecer uma visão abrangente sobre o que é a fosfoetanolamina sintética, para que serve e as questões que a cercam.

Fosfoetanolamina Sintética

O que é a Fosfoetanolamina Sintética?

A Fosfoetanolamina Sintética é uma substância química que se tornou conhecida por sua suposta capacidade de inibir o crescimento de células cancerosas. Ela foi sintetizada pela primeira vez pelo químico Gilberto Orivaldo Chierice na Universidade de São Paulo (USP), no Brasil, na década de 1990. A substância é uma versão sintética de um composto encontrado naturalmente no organismo humano, a fosfoetanolamina.

Para que Serve a Fosfoetanolamina Sintética?

A principal alegação em torno da fosfoetanolamina sintética é seu potencial como tratamento para o câncer. Segundo alguns defensores, a substância teria a capacidade de reconhecer e destruir seletivamente células cancerosas, sem causar danos às células saudáveis. Isso ocorreria devido à sua suposta capacidade de modular o sistema imunológico e induzir a apoptose (morte celular programada) nas células tumorais.

Outra suposta função da fosfoetanolamina sintética seria atuar como um modulador do sistema imunológico, aumentando a resposta imune do organismo contra o câncer. Além disso, alguns estudos preliminares sugeriram que a substância poderia ter efeitos positivos no tratamento de outras doenças, como a malária e o HIV, embora esses achados ainda não tenham sido comprovados de forma conclusiva.

Controvérsias e Desafios

Apesar das alegações promissoras sobre a fosfoetanolamina sintética, sua eficácia e segurança ainda não foram comprovadas por estudos clínicos robustos e independentes. A falta de evidências científicas sólidas levantou preocupações quanto ao seu uso generalizado como tratamento para o câncer, especialmente devido aos potenciais riscos à saúde dos pacientes.

Além disso, a comercialização e distribuição da fosfoetanolamina sintética sem a devida regulamentação e aprovação das autoridades de saúde levantou questões éticas e legais. Em 2016, o Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil decidiu que a substância só poderia ser produzida, comercializada e utilizada mediante autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Outro desafio relacionado à fosfoetanolamina sintética é a dificuldade de sua produção em larga escala e com qualidade controlada. A obtenção da substância requer conhecimento especializado em síntese orgânica e instalações laboratoriais adequadas, o que limita sua disponibilidade para pesquisa e desenvolvimento clínico.

medical physician doctor man

Perspectivas Futuras

Apesar das controvérsias e desafios associados à fosfoetanolamina sintética, o interesse em explorar seu potencial terapêutico para o câncer continua presente. Pesquisas adicionais são necessárias para avaliar sua eficácia e segurança de forma abrangente, por meio de estudos clínicos controlados e randomizados.

Enquanto isso, é fundamental que os pacientes diagnosticados com câncer busquem tratamentos comprovadamente eficazes e seguros, sob a orientação de profissionais de saúde qualificados. A busca por alternativas terapêuticas promissoras não deve comprometer a segurança e o bem-estar dos pacientes.

A história da fosfoetanolamina sintética destaca os desafios enfrentados na pesquisa e no desenvolvimento de novos tratamentos para o câncer, bem como a importância de abordagens baseadas em evidências e regulamentação adequada para garantir a segurança e a eficácia dos medicamentos.

Sobre o autor da postagem:

Picture of Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp