• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quarta-feira, 10 de Julho de 2019

Racismo na TV:apresentador ofende o povo negro ao criticar Ibope - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > política > brasil

Política - Brasil

 

Quinta-feira, 30 de Junho de 2016

Mídia brasileira é vista como parcial em pesquisa de opinião

Da Redação

Parcela importante da população brasileira que busca informações em diversas fontes reconhecem que jornais, rádios e TVs não exercem a propalada "isenção" que juram defender. A revelação consta na pesquisa CUT/Vox Populi que coletou opiniões em todo o país entre os dias 7 e 9 de junho. Os dados revelam que a imagem da velha mídia nunca esteve tão desgastada como no momento atual. Saiba mais.



A mais recente pesquisa CUT/Vox Populi mostra que entre os mortos e feridos pela crise política a dita grande mídia é uma das vítimas. Nos últimos 50 anos, sua imagem de isenção e imparcialidade nunca esteve tão em baixa.

Realizada entre os dias 7 e 9 de junho, a pesquisa caracterizou atitudes e sentimentos da opinião pública um mês após a posse de Michel Temer. Permite, portanto, identificar como a população compara a Presidência de Dilma Rousseff com a situação atual.

A respeito da mídia, havia duas perguntas. A primeira solicitava uma avaliação do modo como emissoras de televisão, jornais e revistas discutiram o governo Dilma: se foi "com imparcialidade, apenas relatando fatos", se a trataram de forma "crítica demais" ou "favorável demais". A segunda, quanto ao governo Temer, era igual.

Em relação a nenhum dos dois, a proporção daqueles que dizem que a mídia foi ou tem sido "imparcial" é majoritária. Apenas 43% acham que Dilma Rousseff foi retratada com neutralidade, enquanto 49% afirmam que Temer é assim apresentado.

Desde quando se fazem pesquisas sobre a imagem dos meios de comunicação, nunca vimos números tão ruins: mal chega à metade a parcela da população que a considera equânime a propósito do último ou do atual governo.

A pesquisa não revela somente seu mau desempenho nos atributos "isenção" e "apartidarismo". O problema é maior.

A respeito do governo Dilma, 44% dos entrevistados consideram que os veículos de comunicação foram críticos "demais", enquanto apenas 14% têm a mesma percepção do comportamento da mídia em relação ao governo de Michel Temer. Inversamente, 25% dos entrevistados afirmaram que os meios são favoráveis "demais" ao peemedebista, proporção que cai para 6% quando se trata da petista.

Isso nada tem a ver com as características "objetivas" do noticiário. Não custa lembrar que o levantamento foi realizado quando o foco havia saído dos percalços do governo Dilma e se concentrava nas crises do interino. Ainda assim, os entrevistados mostraram-se capazes de identificar o "lado" da mídia: "Crítica demais" à petista e "favorável demais" ao peemedebista.

Não é, portanto, a quantidade de notícias negativas contra Temer (que era abundante) ou Dilma (que era menor nos dias de realização da pesquisa) a definir o "lado" enxergado pelos entrevistados. A identificação vem da percepção de um "excesso", a favor ou contra, traduzido no advérbio de intensidade.

O sentimento de que emissoras de televisão, jornais e revistas têm um viés negativo sistemático é especialmente intenso em alguns segmentos da sociedade, como se constata nas variações regionais e socioeconômicas das respostas relativas a Dilma. No Nordeste, apenas 37% dos entrevistados afirmam que a mídia foi justa com ela, enquanto 57% a consideram "crítica demais". Entre as mulheres, as proporções são de 39% e 46%, com clara vantagem da percepção de facciosidade, quase exatamente os mesmos números registrados entre os jovens (39% e 45%) e os cidadãos com menor escolaridade (39% e 46%).

Só existe um segmento da população que parece acreditar na imparcialidade dos meios de comunicação em relação a Dilma: os antipetistas. Entre os 27% que rejeitam o PT, 63% têm essa opinião. Isso também significa que, até entre esse grupo, 22% não consideram os veículos isentos.

Constatar ser esta a imagem da autointitulada "grande imprensa" é relevante no momento em que o governo interino anuncia a intenção de suspender os investimentos nos veículos desvinculados dos oligopólios de comunicação e acena com o fechamento da EBC, única inciativa pública de expressão no setor.

O argumento de serem mídias "políticas", enquanto os oligopólios seriam "neutros", é pueril. A população não acredita nessa versão. É minoritária a parcela daqueles que consideram "apartidários" os meios de comunicação. Em alguns segmentos, é amplamente majoritária a percepção da cobertura enviesada.

Esse dado importa pouco, porém. O governo interino apenas paga uma das muitas contas que precisa acertar com quem o viabilizou. Mesmo com a imagem arranhada, a mídia tradicional quer ser única.

 

Veja também:

>> Rede, de Marina e Molon, faz aliança com PSC, de Feliciano e Bolsonaro

>> Federal prende Carlinhos Cachoeira. Crimes somariam R$ 370 milhões

>> Cruvinel e a falta de pudor de Michel Temer

>> Sobe para 41 o número de mortos na Turquia

>> Jornalistas duvidam da versão de tentativa de assalto em assassinato de médica no Rio

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Mídia brasileira é vista como parcial em pesquisa de opinião
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!