Mielografia: o que é, para que serve e como é feita

Mielografia é um exame de imagem que usa contraste para visualizar a medula espinhal e os nervos, identificando hérnias e lesões. Realiza-se injetando contraste na coluna.

## Mielografia: o que é, para que serve e como é feita

Índice do Conteúdo

Quem não deve fazer

A mielografia é um exame diagnóstico utilizado em medicina para avaliar de maneira detalhada o canal espinhal, os nervos espinhais e as estruturas adjacentes. Ele envolve a injeção de um contraste radiográfico no espaço subaracnoide, uma região que envolve a medula espinhal, para que as imagens de raio-X, tomografias ou ressonâncias magnéticas possam mostrar com maior clareza essas estruturas. Apesar de ser um método eficaz para identificar hérnias de disco, tumores, infecções e outras anormalidades da coluna vertebral, nem todos os pacientes são candidatos a realizar este exame. O processo de seleção para a mielografia deve ser feito com cuidado para evitar complicações desnecessárias ou resultados pouco claros.

Indivíduos com histórico de reação alérgica severa ao meio de contraste iodado não são recomendados a fazer a mielografia. As reações alérgicas podem variar desde erupções cutâneas leves até anafilaxia, que é potencialmente fatal. Antes do exame ser agendado, normalmente é conduzida uma investigação cuidadosa sobre qualquer histórico de reações alérgicas ao iodo ou aos meios de contraste, já que essas substâncias são um componente chave neste procedimento.

Outras condições também desaconselham a realização da mielografia. Pacientes com infecções ativas no local da punção, como uma infecção cutânea ou infecções sistêmicas graves, devem evitar o exame. A introdução de uma agulha em uma área infectada pode potencialmente espalhar a infecção para o espaço subaracnoide, resultando em meningite ou outras complicações graves.

Pessoas que sofrem de graves problemas de coagulação ou que estão em uso de anticoagulantes também estão entre aqueles para quem a mielografia pode não ser indicada. Durante o procedimento, é necessário realizar uma punção, e um estado de coagulação alterado pode levar a sangramentos no local da punção ou dentro da coluna vertebral, o que pode ser perigoso.

Um cuidado adicional deve ser tomado com pacientes que possuem um medo intenso de espaços fechados (claustrofobia) ou que são incapazes de permanecer imóveis durante o procedimento. Embora essas condições não sejam contraindicações absolutas, podem tornar a realização do exame mais complicada. Estratégias para diminuir a ansiedade, incluindo a administração de sedativos leves, podem ser consideradas nesses casos, sempre avaliando os riscos e benefícios.

Pacientes com instabilidade espinhal ou com lesões agudas na coluna vertebral necessitam de uma avaliação cuidadosa antes de se submeterem à mielografia. A manipulação da coluna durante o exame pode agravar ou deslocar lesões existentes, especialmente em casos onde a integridade estrutural da coluna vertebral está comprometida.

Importante ressaltar, a decisão de realizar ou não a mielografia deve ser tomada pelo médico responsável, considerando o histórico médico completo do paciente, bem como os riscos e benefícios do exame. Em certos casos, alternativas diagnósticas, que não envolvem os mesmos riscos que a mielografia, podem ser exploradas. A saúde e segurança do paciente devem sempre ser a prioridade na tomada de qualquer decisão médica.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Picture of Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp