Adrenalina: o que é, para que serve e quando é usada como remédio

Adrenalina é um hormônio crucial para reações de luta ou fuga, aumentando coração e pressão. Medicinalmente, trata paradas cardíacas e reações alérgicas graves.

**Adrenalina: o que é, para que serve e quando é usada como remédio**

A adrenalina é um dos hormônios mais conhecidos pelo grande público, geralmente associado a situações de estresse ou perigo, que desencadeiam a sensação de aumento de energia e alerta. No entanto, a adrenalina não se limita apenas a responder a estímulos de “lutar ou fugir”. Vamos explorar, em detalhes, o que é a adrenalina, seu papel fundamental no corpo e sua aplicação significativa como medicamento.

Para que serve

A adrenalina, também conhecida como epinefrina, serve a múltiplas funções essenciais no organismo. Ela é um hormônio e neurotransmissor, secretado principalmente pelas glândulas suprarrenais, localizadas acima dos rins. Sua principal função é preparar o corpo para a ação rápida durante situações de estresse. Isso é feito através de vários mecanismos, incluindo o aumento da frequência cardíaca, dilatação dos brônquios, expansão das vias aéreas para melhorar a oxigenação, e uma elevação no metabolismo celular. Essas reações garantem que o corpo tenha energia imediata disponível, aumentando a capacidade física temporariamente para enfrentar uma ameaça ou desafio iminente.

Além das conhecidas funções ligadas à resposta de “lutar ou fugir”, a adrenalina também desempenha um papel no metabolismo de glicose, ajudando a regular os níveis de açúcar no sangue. Ao estimular a glicogenólise no fígado (a quebra do glicogênio em glicose), ela provê uma fonte imediata de energia para as células. A adrenalina também ajuda na lipólise, que é a quebra de gorduras armazenadas, liberando ácidos graxos no sangue que servem como outra fonte de energia.

Quando é produzida

A adrenalina é produzida principalmente em resposta a situações de estresse alto, perigo, medo ou excitação. Essas situações ativam o sistema nervoso simpático, componente do sistema nervoso autônomo, que prepara o organismo para a ação. A liberação de adrenalina é quase imediata, permitindo uma reação rápida a momentos críticos. Ela é a encarregada de provocar várias mudanças fisiológicas no corpo, como aumento da pressão arterial, dilatação das pupilas, e aumento do alerta mental. Estas adaptações ocorrem para melhorar a capacidade física e cognitiva em situações emergenciais.

Interessantemente, não apenas situações de medo ou estresse físico provocam a liberação de adrenalina. Momentos de grande alegria, como o nascimento de um filho, ou em atividades que provocam grande excitação e prazer, como esportes radicais, também podem desencadear sua produção. Em tais casos, a adrenalina contribui para as sensações intensas de euforia e satisfação, aspectos que tornam essas experiências memoráveis.

Adrenalina como medicamento

Como medicamento, a adrenalina é utilizada em várias situações de emergência, devido às suas potentes ações fisiológicas. Uma das aplicações mais conhecidas é no tratamento da anafilaxia, uma reação alérgica grave e potencialmente fatal. Nesse contexto, a administração imediata de adrenalina pode contrarrestar muitos sintomas perigosos da anafilaxia, como edema da glote e hipotensão (queda acentuada da pressão arterial), salvando vidas.

Outro uso importante da adrenalina é em paradas cardíacas, onde sua capacidade de aumentar a pressão arterial se mostra vital para manter a circulação sanguínea durante a ressuscitação cardiopulmonar (RCP). Além disso, sua propriedade de estimular o coração pode auxiliar na recuperação da atividade cardíaca.

No cenário cirúrgico, a adrenalina é frequentemente utilizada em associação com anestésicos locais. A sua capacidade de causar vasoconstrição prolonga a duração da anestesia e diminui o sangramento local, facilitando os procedimentos.

Cabe mencionar que, embora a adrenalina como medicamento tenha aplicações vitais, seu uso deve ser cuidadosamente controlado. A administração inadequada pode causar efeitos adversos significativos, incluindo arritmias cardíacas e danos aos tecidos, devido à sua poderosa ação vasoconstritora. Portanto, a adrenalina deve ser usada sob estrita supervisão médica, especialmente em situações clínicas emergenciais.

Este conteúdo não deve ser usado como consulta médica. Para melhor tratamento, sempre consulte um médico.

Sobre o autor da postagem:

Picture of Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp