2024 será o ano da batalha pela inteligência artificial

Autores: Natalia Viana.

2024 sera o ano da batalha pela inteligencia artificial

Quer receber os textos desta coluna em primeira mão no seu e-mail? Assine a newsletter Xeque na Democracia, enviada toda segunda-feira, 12h. Para receber as próximas edições, inscreva-se aqui.

Não é previsão de Nostradamus, não; é a constatação do óbvio o tema desta coluna de hoje, mas resolvi adotar um ar meio clarividente no título porque, afinal, temos que convencer os algoritmos de que este texto merece ser lido. É clara a tendência que deve dominar a pauta do próximo ano em relação à tecnologia: a urgência de regular o uso de inteligência artificial (IA). Algo que já está em marcha.

Na semana passada, depois de 36 horas de negociações, os países membros da União Europeia e os eurodeputados fecharam um acordo histórico criando as bases para a Lei da IA no bloco econômico para garantir que seu uso seja seguro. O projeto de lei ainda vai passar por votações no Parlamento e no Conselho Europeu. 

É um primeiro passo concreto, mas a discussão avançou em muitos países. No Brasil, existem pelo menos quatro projetos de lei que tentam regular o desenvolvimento e o uso de inteligência artificial. O Clube do G7 começou a elaborar um código de conduta para empresas de IA. A China também lançou sua própria Iniciativa Global para Governança da Inteligência Artificial e prometeu liderar discussões internacionais para a criação de regras para a tecnologia. 

Nos EUA, país onde as discussões sobre regular Big Techs estão a reboque do resto do mundo, Joe Biden assinou no final de novembro uma ordem executiva sobre inteligência artificial que define alguns princípios norteadores para políticas sobre o tema, incluindo a exigência de envio de informações ao governo periodicamente e ações para evitar impactos negativos quando usada no sistema judiciário, sobre os direitos dos consumidores, grupos vulneráveis e sobre a privacidade dos cidadãos. Além, é claro, do objetivo de ser a liderança global no tema. 

Ao mesmo tempo, está em marcha também uma corrida feroz pelo controle da tecnologia. Em setembro, a Amazon anunciou uma parceria com a startup de IA Anthropic que permite o uso da infraestrutura de nuvem e chips patenteados da Amazon para seus modelos de inteligência artificial, além de um investimento de até US$ 4 bilhões. O acordo reflete a parceria de US$ 10 bilhões da Microsoft com a OpenAI, que abriu uma onda de investimentos estratégicos das Big Techs em outras empresas de ponta que estão desenvolvendo IA, repetindo a tendência de aquisições, fusões e compras que consolidou as Big Techs tais como são hoje. 

Pesquisadores do think tank Open Markets, situado em Washington, alertam para o fato de que são pouquíssimas as empresas que têm acesso à infraestrutura de nuvem, chips avançados, dados e expertise necessários para treinar e implementar modelos de IA de ponta. Sabendo disso, as Big Techs estão numa verdadeira corrida para fazer valer as regras do mercado digital que as consagraram: o efeito de rede, que torna os produtos tecnológicos mais valiosos à medida que mais usuários os adotam, e o “aprisionamento tecnológico”, que dificulta a mudança para outro serviço. 

Para lidar com essas pressões, empresas como a OpenAI também têm buscado influenciar políticos e a opinião pública. Um exemplo é a bolsa, ou fellowship, chamada Open Philanthropy, que financia assessores parlamentares americanos para se tornarem “experts” na nova tecnologia. Neste ano, também surgiram alianças com veículos de mídia e grupos de apoio ao jornalismo, como maneira de demonstrar seu apoio à categoria que deve, mais uma vez, ser profundamente afetada pela adoção da IA.

Em julho, a OpenIA anunciou um financiamento de nada menos de US$ 5 milhões ao American Journalism Project, um importante projeto sem fins de lucro nos EUA que pretende apoiar veículos locais, justamente os mais afetados pela migração das receitas de publicidade para as plataformas digitais.   

O fato de as empresas de tecnologia estarem se movendo tão rápido para consolidar sua posição no mercado e ganhar a simpatia do público chega a ser irônico do ponto de vista histórico, uma vez que foi a regulação das empresas de tecnologia de primeira e segunda gerações que permitiu que Googles, Facebooks e Amazons existissem.    

No século 20, grandes corporações como AT&T e IBM tentaram evitar intervenções do governo americano dizendo que isso prejudicaria a inovação. Além delas, a Microsoft também foi investigada numa ação antitruste histórica e terminou sendo supervisionada por uma corte federal por quase uma década. No meio-tempo, Google e Apple saltaram para dominar o mercado dos telefones celulares, com o iPhone e o sistema operativo Android.   

Mas antes delas, houve a regulamentação do governo dos Estados Unidos que ordenou a dissolução da Bell System em 1984, após uma ação antitruste. Segundo o Departamento de Justiça, a empresa abusava de seu poder de mercado e deveria vender seu produto patenteado mais valioso, o transistor, que por sua vez impulsionou o crescimento dos bens eletrônicos de consumo e dos computadores pessoais.

Então, sabemos que, apesar de toda a resistência do Vale do Silício, a regulação virá. E veremos muita ação legislativa, muito lobby e muitos projetos esquisitos sendo anunciados no próximo ano. Podem anotar: 2024 vai ser o ano em que vamos assistir da janelinha à feroz guerra sobre como serão organizadas as tecnologias que vão reger o mundo num futuro próximo.

Fonte: Via apublica.org

fonte artigo

Sobre o autor da postagem:

Picture of Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp