El Niño pode causar colapso na produção de castanha-do-pará

Autores: Gabriel Gama.

O fenômeno que ocorreu entre 2015 e 2016, o mais intenso em 50 anos, derrubou em 37% a produção do fruto na Amazônia

A possível ocorrência de um forte El Niño neste ano pode comprometer um dos principais produtos da bioeconomia da Amazônia: a castanha-do-pará. A preocupação parte de produtores e pesquisadores que viram um colapso na produção da última vez que o fenômeno, que traz seca para a floresta, se formou no planeta. O El Niño que ocorreu entre 2015 e 2016, o mais intenso dos últimos 50 anos, causou o declínio de 37% da produção do fruto na safra seguinte, em 2017, em comparação à média observada no período de 2010 a 2019.

Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) são válidos para a Amazônia brasileira, mas o aumento da temperatura e a diminuição das chuvas também afetaram a produção nos outros países por onde a floresta se estende, como Bolívia e Peru. A redução drástica na oferta chegou a motivar roubos do fruto.

Um grupo de cientistas observou de perto essa dinâmica na reserva extrativista do Rio Cajari, no sul do Amapá. O local possui os maiores castanhais conhecidos e monitorados da região e já havia uma parceria estabelecida com a comunidade de coletores. Os pesquisadores, coordenados por Marcelino Guedes, engenheiro florestal da Embrapa-AP, analisaram dados meteorológicos de 2007 a 2018, assim como a produção de castanhas em duas porções de nove hectares da reserva nesse mesmo período.

A ideia era investigar se as alterações climáticas trazidas pelo El Niño – o aquecimento acentuado e periódico das águas do Oceano Pacífico – poderiam ser a causa da queda na produção de castanhas. Logo eles perceberam que as variações anuais na temperatura e na quantidade de chuva afetavam a frutificação no ano seguinte, mas a chegada do fenômeno elevou os impactos a outro patamar.

“Já havia previsões pela comunidade científica de que o El Niño de 2015 e 2016 seria bem forte, mas não imaginávamos que poderia causar algum tipo de efeito na produção da castanha. A Embrapa-AP realiza o monitoramento de frutos da espécie desde 2007 e nunca tinha sido visualizada uma queda tão brusca na produção quanto a que ocorreu em 2017”, explica Dayane Pastana, da Universidade Federal de Lavras, primeira autora do estudo.

A ocorrência do El Niño provocou o aumento de 2 ºC na temperatura máxima das áreas analisadas, e o chamado verão amazônico, época de estiagem que ocorre habitualmente ao longo de três meses, entre setembro e novembro, se estendeu por seis meses em 2015, segundo dados de uma estação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) localizada a 121 quilômetros da reserva extrativista. “Em Macapá, na capital, a gente passou mais de 100 dias sem ter uma gota de chuva”, lembra Guedes.

O pesquisador explica que a combinação da baixa precipitação com aumento da temperatura derrubou a produção de castanha-do-pará na safra seguinte, em 2017, uma vez que o processo de maturação dos frutos dura em torno de 15 meses. Na reserva do Rio Cajari, a produção de castanhas por árvore foi oito vezes mais baixa que em 2015 e duas vezes menor que a média geral, de acordo com os cálculos do estudo. Os resultados foram publicados no ano passado na revista Acta Amazonica, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

Imagem mostra margem de rio na Reserva Extrativista Cajari no Amapá. Ao longo da margem há casas de palafita, além da placa do governo federal que marca o território como protegido.
Na reserva do Rio Cajari, a produção de castanhas por árvore foi oito vezes mais baixa que em 2015

As castanheiras são árvores de grande porte e suas copas atingem alturas mais elevadas que o dossel da floresta, por isso estão mais sujeitas a insolação. As altas temperaturas registradas no topo das árvores naquele período provocaram a chamada seca fisiológica – quando as raízes não conseguem absorver a água do solo e transportá-la para as copas –, que causou a seca das polpas das castanheiras e até mesmo a morte de alguns indivíduos arbóreos.

As perturbações climáticas do El Niño também aumentaram a mortalidade das abelhas, que são as principais polinizadoras da espécie, prejudicando o desenvolvimento das flores e dos frutos.

Neste ano, com a confirmação do retorno do fenômeno e o registro de recordes de calor no planeta, assim como a elevação da temperatura dos oceanos, aumentam as preocupações com as comunidades da Amazônia que dependem da coleta das castanhas para seu sustento. Para Guedes, o cenário não é nada animador. “A próxima safra deve ser bastante afetada, ainda mais se as previsões que apontam para um El Niño forte se confirmarem.”

Roubos inéditos e impactos socioeconômicos

Em 2017, a escassez dos frutos na Amazônia fez disparar o preço do produto final. O valor da lata de 11 quilos de castanha, unidade padrão de comercialização, saltou de R$ 50 em 2016 para mais de R$ 120 no ano seguinte, alcançando a faixa de R$ 200 na região nordeste do bioma, segundo levantamento da Embrapa.

A supervalorização das castanhas abriu caminho para a ocorrência de crimes. “Vivenciamos coisas que nunca tinham acontecido antes, como roubo de castanhas dentro da reserva. Os castanheiros respeitam muito os seus limites de coleta, mas em 2017 houve roubo de sacas e até garimpeiros saíram do garimpo para ir atrás de castanhas”, conta Guedes.

Rondinele Quina, de 42 anos, ajuda os pais na coleta das castanhas desde os 10 anos na reserva extrativista do Rio Cajari e conta que a família toda sentiu os efeitos do El Niño. Seu irmão, por exemplo, teve os frutos roubados e precisou vender seu castanhal. “Ele não conseguiu mais encontrar castanhas por causa dos roubos. Não teve violência, mas foi um prejuízo grande, ele perdeu muitas castanhas.”

A família de Quina, assim como outras 300 que residem no Alto Cajari, depende da coleta dos frutos para se sustentar. Hoje, ele cursa graduação em engenharia florestal no Instituto Federal do Amapá e desenvolve projetos de recuperação e reflorestamento de castanhais, estudando formas de otimizar a frutificação de árvores plantadas em áreas degradadas.

Castanheiros na colheita de castanha-do-pará. Fruto tem sido ameaçado pelo fenômeno climático El Niño.
Impacto levou à supervalorização do produto e roubos em castanhais do Amapá

Com o impacto do El Niño extremo na produção, os coletores precisaram buscar outras fontes de renda para suprir a falta do dinheiro arrecadado com a venda das castanhas. Guedes afirma que muitas vezes a colheita é o único momento em que as famílias conseguem juntar recursos para uma reserva financeira ou fazer melhorias nas casas. Com a baixa produção, acentuou-se a dependência da renda de fontes não produtivas, principalmente de previdências e outros auxílios governamentais.

“Famílias inteiras passaram a depender da aposentadoria de um avô, por exemplo, ou do Bolsa Família. Foi um processo de descaracterização da cultura do extrativismo da castanha. Em momentos de crise, os castanheiros têm que apelar para outras rendas ou sair da reserva para tentar trabalhar fora.”

Faltam políticas públicas e adaptação às mudanças climáticas

Os pesquisadores indicam ações que podem ser tomadas para minimizar os impactos às castanheiras e aos coletores de frutos provocados pelo El Niño ou por eventos extremos ligados ao aquecimento global.

Guedes explica que as árvores mais velhas são mais sensíveis às mudanças climáticas, principalmente ao aumento da temperatura máxima e à redução das chuvas. Nos castanhais monitorados pela Embrapa-AP, cerca de 90% são árvores mais velhas, e as jovens demoram em torno de 12 anos para começar a produzir. Mas, de acordo com Pastana, estudos têm gerado resultados promissores de redução no tempo de início da produção de frutos.

Assim, renovar os castanhais, com o plantio de árvores jovens, é uma estratégia que pode aliviar os impactos do El Niño, mas, segundo Guedes, faltam incentivos para emplacá-la. “Infelizmente tudo é muito demorado. Quando queremos realmente partir para a prática e fazer a renovação dos castanhais, dependemos muito de políticas públicas e isso foge um pouco do nosso alcance como pesquisadores”, afirma.

Pastana acrescenta que, a longo prazo, é importante desenvolver estudos voltados ao melhoramento genético das castanheiras, para selecionar as variedades mais resistentes ao clima adverso.

Especialistas medem árvore de castanha-do-pará. Espécie tem sofrido os impactos do El Niño que tem diminuído sua produção do fruto.
Medição do tronco de uma castanheira

Para ela, os governantes precisam implementar políticas públicas para o fortalecimento da cadeia produtiva das castanheiras, de forma a garantir que os agroextrativistas tenham o suporte necessário para continuar com as atividades que contribuem para a conservação das florestas.

Rondinele Quina se queixa dessa falta de apoio. “Para nós que somos extrativistas, a época da castanha é quando mais ganhamos dinheiro. No período entressafras, não temos uma ajuda de custo como o governo federal faz para quem pesca ou pratica outras atividades. Eu acho que nenhum castanheiro está preparado para a chegada do El Niño”, diz.

Carina Pimenta, secretária de Bioeconomia do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima, afirmou à Agência Pública que os impactos climáticos sobre os produtos da bioeconomia são uma preocupação do governo, mas reconheceu que ainda não há uma política pública específica que contemple esses riscos. “Estamos começando a trabalhar em um programa de sociobioeconomia que deverá considerar contornos climáticos como o El Niño e o aquecimento global”, disse.

Ela explica que um primeiro passo de apoio a comunidades extrativistas foi dado neste ano com o aumento de estímulos em uma linha de microcrédito do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), do Plano Safra. Castanheiros, por exemplo, podem agora conseguir um financiamento de até R$ 10 mil, com taxa de juros de 0,75% e mecanismo de rebatimento que para a Amazônia passou a ser de 40%. Até o ano passado o valor máximo era R$ 6 mil, com rebatimento de apenas 25%.

“Ainda é só uma sementinha, vai ser preciso vir com assistência técnica, mas pelo menos eles poderão investir na organização produtiva, abrir trilhas, melhorar infraestrutura”, complementa.

Ameaça à bioeconomia e à conservação dos castanhais

A reserva extrativista do Rio Cajari é uma unidade de conservação de uso sustentável criada em 1990 pelo decreto federal nº 99.145. Além da castanha-do-pará, o cultivo de açaí também se sobressai na região.

“A castanheira é um símbolo da conservação da Amazônia. É um exemplo de que a melhor forma para defender o bioma é a conservação pelo uso, e não a proteção integral tirando as pessoas da floresta. O caminho é o manejo racional, usando as técnicas de engenharia florestal, as experiências dos povos e os conhecimentos tradicionais de quem convive com a natureza há séculos”, diz Guedes.

O engenheiro florestal afirma que a força da pesquisa vem de uma relação de troca de saberes e respeito pelos extrativistas. “Estamos sempre buscando trabalhar para melhorar a produção deles, nos preocupamos em atender aos interesses dos coletores e fazer com que todo esse conhecimento seja aplicável para gerar desenvolvimento.”

Ele avalia que as iniciativas que caminham no sentido de estimular a bioeconomia na Amazônia estão ameaçadas pelas mudanças do clima. Os pesquisadores continuam a monitorar os castanhais, de modo que será possível medir o impacto do El Niño no futuro. “Mas não existe cenário otimista, a crise climática está afetando toda a biodiversidade e coloca em risco a onda da bioeconomia e a possibilidade de ter renda com esses produtos.”

Fonte: Via apublica.org

fonte artigo

Sobre o autor da postagem:

Picture of Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp