Documentário “Mulheres do Bixiga” estreia na #CulturaEmCasa

No mês da mulher, plataforma exibe documentário que fala sobre a história do bairro sob a ótica feminina

Documentário “Mulheres do Bixiga” estreia na #CulturaEmCasa

Documentario Mulheres do Bixiga estreia na CulturaEmCasa
O filme documental se propõe a desvendar o bairro a partir de vozes feminina

A plataforma #CulturaEmCasa lança um pacote de ações que comemora o Dia Internacional da Mulher. Entre shows e especiais, o documentário original da plataforma “Mulheres do Bixiga” estreia dia 4 de março às 20h e, a partir do lançamento, ficará disponível por demanda.

A #CulturaEmCasa é a maior plataforma cultural gratuita de streaming e vídeo por demanda da América Latina, uma iniciativa da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do governo de São Paulo, com gestão da Amigos da Arte.

“O atual bairro da Bela Vista, que até 1910 era o Bixiga, ainda é um espaço de resistência cultural da capital paulista, com vitalidade e diversidade que expressam a história da cidade, como traz o documentário”, diz Danielle Nigromonte, diretora-geral da Amigos da Arte, organização social de cultura que faz a gestão da plataforma #CulturaEmCasa, e que ocupa um espaço no Teatro Sérgio Cardoso, no centro do bairro homenageado. “O filme documental se propõe a desvendar o bairro a partir de vozes femininas, do encontro com as mulheres que habitam e constroem a história contínua desse território.

Com duração de 25 minutos, o documentário dá voz a mulheres que vivem no Bixiga, como Elza Maria Ferreira da Rocha, Maria Eunice Oliveira Santos, Nádia Garcia, suas histórias, seus cantos e a paixão pelo local, berço da escola de samba Vai Vai e que recebeu tantos italianos, fugidos da fome e da guerra, quanto uma comunidade negra que formou o quilombo Saracura, que existiu onde hoje se encontra a Praça 14 Bis.

Padre Toninho da Pastoral Arazambi Povo de Deus (atual Pastoral Afro Achiropita), tia Geni, Walter Taverna e mais uma série de nomes parte da história do Bixiga são lembrados durante o documentário, dirigido pelo cineasta Rubens Crispim Jr, com narração de Danielle Franco da Rocha, professora e pesquisadora do Instituto Bixiga.

A proteção das construções históricas e o urbanismo do bairro, que detém a maior densidade populacional da cidade de São Paulo, também integram o filme que fala ainda das possibilidades culturais do bairro, da viabilidade do metrô, e dos problemas, como lixo, educação ambiental e outros temas.

Para acessar os conteúdos da plataforma #CulturaEmCasa, acesse o site www.culturaemcasa.com.br ou baixe o aplicativo disponível no Google Play e Apple Store.

Legenda fotos: Foto 1: Nádia Garcia, do Portal do Bixiga Foto 2: Maria Eunice Oliveira Santos, da Pastoral Afro da Achiropita Foto 3: Thauany Trindade, Rainha do Bixiga 2019 Foto 4: Elza Maria Ferreira da Rocha, artista plástica, da Hospedaria Casarão do Bixiga Foto 5: Solange Taverna, filha de Walter Taverna, um dos responsáveis pelo tombamento do bairro da Bela Vista Foto 6: Trecho do documentário

Fonte: Governo do Estado SP

Sobre o autor da postagem:

Conexão Jornalismo

Conexão Jornalismo

Com a Missão de levar notícia e informação para os leitores, a Conexão Jornalismo trabalha com as melhores fontes de notícias e os melhores redatores.

Fique por dentro:

nos siga no google news

Compartilhe:

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn
WhatsApp