• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20191114 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019

Jornalista aponta ausência de negros na redação do Sportv

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 06 de Abril de 2019

PIB - estudo de vereador revela que investimento do país no Social é baixo

Países Baixos: estado de bem-estar social alcançado com investimento do governo
Países Baixos: estado de bem-estar social alcançado com investimento do governo
Imagem - Fábio Lau

O vereador do Rio, Renato Cinco, se debruçou sobre um tema complexo e que aparentemente não estaria na sua zona de ação ou interferência: o investimento de nações mais desenvolvidas que no social em proporcionalidade ao PIB. E o estudo, no qual contou com a participação de economistas, fica evidente que o decantado bem-estar social alcançado pelas nações mais desenvolvidas do mundo, como Dinamarca, Noruega e Países Baixos, ocorreu a partir do investimento governamental em percentuais muito mais elevados do que o aplicado pelo país - que está entre os países cujo IDH é dos mais baixos entre as grandes nações. Renato Cinco, do PSOL, chama o argumento da mídia e seus representantes políticos de "falácia liberal". Leia o estudo.



* O gráfico está no final deste texto

A falácia liberal, a ilusão social democrata
e o ecossocialismo libertário


Espinha dorsal do argumento dos neoliberais brasileiros, de Paulo Guedes à Rede Globo, de Fernando Henrique à Rede Record, a teoria de que temos um Estado gigantesco que precisa desinchar é uma falácia.

Argumentam com o percentual do PIB que é arrecadado pelo Estado e dizem que outros países com Estados mais eficientes custam proporcionalmente menos. Além de não ser verdade, parece que esquecem de relativizar os números em função do tamanho das populações.

Com a indispensável colaboração da minha assessora de orçamento, a economista Talita Araujo e sugestões do também economista Plinio Jr., fiz uma tabela com alguns dados dos cinco países com melhor Índice de Desenvolvimento Humano, os EUA (oitavo IDH) e o Brasil (75ª posição).

Na coluna B está o PIB de cada país. Na coluna C, as despesas do Estado como percentual do PIB. Na coluna D, a participação do gasto com Juros pelo Governo Central no PIB. Na coluna E, o percentual que representa o tamanho do Estado descontado o gasto com Juros no PIB. Na coluna F a população. Na G o PIB per capita. E finalmente na coluna H, o que quero demonstrar: quanto cada um desses Estados gasta por ano por habitante, ou em outras palavras, o "Estado per capita". Na coluna I a correção do "Estado per capita" descontando os gastos com juros, apresentados na coluna D.

Destes seis países com qualidade de vida bem melhor do que a nossa, quatro possuem tamanho relativo do Estado maior que o nosso e dois são menores. O país com o maior Estado relativo é a Dinamarca, quarto IDH, consumindo 56,66% do PIB. A campeã do IDH, a Noruega, gasta 44,22% do PIB com o Estado. No Brasil o Estado fica com 37% do PIB.

A situação fica mais clara quando dividimos os gastos do Estado pelo tamanho da população. Aí o Brasil perde de goleada. Gastamos 3.735,99 dólares por habitante por ano. A segunda colocada no IDH, a Austrália, gasta US$ 21.598,86 e a Noruega, gasta US$ 33.276,13.

Ou seja, a Noruega gasta quase 9 vezes mais do que o Brasil. E os EUA gastam quase 7 vezes mais do que o Brasil.

E tudo piora mais ainda quando descontamos do "Estado per capita" os gastos com o juros da dívida pública. A Noruega fica com gasto 11 vezes maior que o do Brasil, que fica com apenas 2844,44 dólares por habitante/ano.

Qualquer projeto político que tenha como base enxugar o Estado brasileiro terá como resultado aumentar a pobreza e a miséria.

Por outro lado, também demonstra a inviabilidade do Estado de Bem-Estar Social, impossível de ser financiado por um PIB per capita tão baixo. Pois mesmo que todo o nosso PIB fosse para o Estado, seria menos da metade do que a Austrália dedica do PIB ao seu.

Esse é o nosso drama, enquanto aceitarmos ser condenados à feitoria moderna na periferia do sistema capitalista global teremos que conviver com a pobreza e miséria da maioria.

A situação é muito mais complexa do que tentam resumir as palavras de ordem da direita ou da esquerda.

Não iremos avançar se o caminho for o liberalismo de Bolsonaro e Paulo Guedes.

Também a esquerda que propõe a domesticação do capitalismo brasileiro através do Estado do Bem-estar está vendendo ilusões.

Somente profundas e radicais mudanças nas estruturas das nossas relações sociais, políticas e econômicas internas e externas podem construir um futuro decente para o nosso povo. O problema é muito difícil de resolver, pois exige ruptura da atual ordem econômica mundial. Porém, a alternativa é a eternização da nossa barbárie diária.

Em tese, teríamos duas opções possíveis. A primeira é sair da periferia e ir para o centro da economia capitalista. Esse caminho se demonstrou historicamente inviável. Isso porque faltou vontade do centro de aceitar novos sócios no clube e a nossa burguesia sempre foi subordinada à burguesia dos países centrais. Além disso, há hoje um obstáculo adicional: a crise ambiental, que impede que os países pobres sigam o modelo de desenvolvimento predatório dos países ricos.

Renato Cinco-wikipedia
Renato Cinco-wikipedia  
A segunda escolha é a ruptura com a ordem capitalista e a construção de uma nova sociedade. Ela comporta os riscos de toda Revolução. Porém, conhecendo a história dos últimos dois séculos somos capazes de saber que o Estado do Bem-Estar Social nunca se viabilizou política e economicamente em nenhum país da periferia do sistema e que Revoluções Socialistas ocorreram muitas, a ponto de nos anos oitenta mais da metade da população mundial habitar os países ditos socialistas.

Ecossocialismo Libertário



Diante das ameaças do governo de extrema-direita precisamos debater e organizar a resistência aos ataques aos direitos da classe trabalhadora, ao meio ambiente e às liberdades democráticas.

Porém, também precisamos debater e organizar alternativas para o país (e o mundo).

Três pontos essenciais para eu optar pelo Ecossocialismo Libertário:

1- A atualidade da luta anticapitalista. O reconhecimento da impossibilidade do sistema capitalista de prover o bem-estar do povo e o respeito ao meio ambiente.

2- A autocrítica do desenvolvimentismo. O reconhecimento de que as condições de reprodução da vida humana estão ameaçadas pela produção industrial capitalista e que precisamos construir um novo modo de viver, socialmente justo e compatível com a preservação do meio-ambiente.

3- A autocrítica do autoritarismo. O reconhecimento de que sonhos não se constróem a partir de pesadelos. O regime socialista deve ser radicalmente democrático e absolutamente comprometido com a liberdade e com a democratização das relações em todas as esferas: na política, na economia, na cultura.

Gráfico divulgado pela assessoria de Renato Cinco
Gráfico divulgado pela assessoria de Renato Cinco  

 

Veja também:

>> Cinema falado em alemão entra em circuito na Escola Darcy Ribeiro

>> Aécio e Crivella são alvos de nova delação de Cabral

>> Paula, do BBB, pode ser condenada por racismo contra Rodrigo

>> Lula silencia diante de acusação sigilosa

>> Bolsonaro parabeniza PMs de SP por ação que matou 11

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
PIB - estudo de vereador revela que investimento do país no Social é baixo
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!