• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20191214 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Boa dica Netflix? "História de um casamento".
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Charlie Sheen, a lenda, comemora dois anos longe das drogas

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 31 de Agosto de 2019

Manuela e o papel não assumido de madrinha da Vaza-Jato

Foto do Facebook
Foto do Facebook


Uma personagem fundamental na Vaza-Jato é Manuela D'Avila. Foi ela a última pessoa procurada por um hacker que pretendia chegar ao jornalista e editor do The Intercept Brasil, Glenn Greenwald. Ali era o primeiro degrau para que o material do vazado do Telegram de autoridades do Judiciário, procuradores e o ex-juiz Sérgio Moro, fosse entregue e posteriormente divulgado. As máscaras das autoridades, acima de qualquer suspeita, começariam a cair. Passado o alarde inicial, mas ainda vivendo o dia a dia de novos vazamentos, Manuela é novamente protagonista: foi a única a disponibilizar o celular para a PF - coisa que Moro e Dallagnol se recusam a fazer.


Em entrevista à Folha de São Paulo, Manu, como é chamada, disse o quanto o envolvimento involuntário com o escândalo tem lhe custado em preocupações extras especialmente partida daqueles que veem a Lava-Jato como uma ferramenta para anular os partidos de esquerda:

-Não tenho segurança, não tenho colete, não tenho carro blindado. A decisão que tomei, como jornalista e como cidadã, foi passar para o maior jornalista do mundo aferir a veracidade dos crimes que se revelam, cotidianamente, cometidos por autoridades do Estado brasileiro. Não tomei a decisão de entrar, porque o meu celular foi invadido e recebi essas denúncias pelo meu telefone. Mas a decisão que tomei me honra, me honra porque hoje o Brasil sabe, a partir do trabalho do Glenn, do Intercept e de outros veículos de comunicação, o envolvimento dessas autoridades em crimes horrendos - revelou.

Em outra entrevista, à Revista Fórum, ela lembrou que a história chegou a ela em um dia especial:

- No Dia das Mães, estava organizando um almoço na minha casa, quando recebi uma notificação do Telegram que o meu telefone havia sido invadido. Logo em seguida, recebi uma mensagem de um contato da minha agenda telefônica dizendo que precisava falar comigo urgente. Tentei ligar, mas não consegui falar. Chegou, então, uma nova mensagem dizendo que não era aquela pessoa, mas sim outra que dispunha de muitas informações de crimes cometidos e queria me passar essas informações.

 

Veja também:

>> Eu tenho uma doença chamada Tept - e provavelmente você também

>> Esquerda se reúne em ato político no Buraco do Lume - Praça Mario Lago

>> Para a velha mídia, Pibão ou Pibinho varia de acordo com o governante

>> Eduardo Costa e o prejuízo mal contado de R$ 5 milhões

>> Bolsonaro coisifica brasileiros com seus xingamentos nada inocentes

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Manuela e o papel não assumido de madrinha da Vaza-Jato
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!