• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20210228 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021

Danilo Gentili diz que Marcius Melhem quer silenciá-lo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Terça-feira, 02 de Junho de 2020

Flexibilização precipitada pode antecipar segunda onda no Brasil

Arquivo do jornal O Popular
Arquivo do jornal O Popular

Mesmo antes de o país chegar ao pico de transmissão do novo coronavírus, políticos brasileiros já tentam reabrir alguns setores da economia, gerando preocupação entre médicos com uma nova onda da COVID-19, ainda mais forte do que a primeira. Com cerca de 30 mil mortes e 530 mil contaminados, o Brasil é um dos países mais afetados pela pandemia da COVID-19 em todo o mundo, mas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda não chegou ao pico da transmissão.



​De acordo com um levantamento feito pelo G1, o país levou cerca de dois meses para chegar até a marca de 15 mil mortes, mas essa quantidade dobrou em apenas duas semanas.

Estudos divulgados em maio davam conta de que o Brasil chegaria ao pico do surto do novo coronavírus na primeira semana deste mês, justamente quando alguns prefeitos já anunciam o início da retomada das atividades econômicas, como no Rio de Janeiro. Mas, mesmo antes de chegar a esse pico, especialistas já apontam para os riscos de uma possível segunda onda de transmissões no país.

"Esse pico contínuo, ou uma segunda onda, é um risco que a gente corre. Nós nunca tivemos uma boa adesão às medidas de mitigação, de isolamento horizontal, que são preconizadas para a gente conseguir bloquear a doença", explica em entrevista à Sputnik Brasil Alexandre Telles, presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro.

De acordo com o especialista, a capital fluminense, por exemplo, ainda tem um quadro de transmissão sustentada da COVID-19, com incidência alta e falta de leitos nas unidades hospitalares. E a reabertura das atividades em um cenário como esse pode favorecer a infecção de mais pessoas.

"A gente não sabe se as pessoas infectadas podem se reinfectar e temos a possibilidade de pessoas que não tinham o contato com o vírus passarem a ter o contato e se infectarem, desenvolverem quadros graves. Quando a gente faz essa abertura de uma maneira descontrolada, sem a gente ter conseguido bloquear a transmissão, a gente corre, infelizmente, esse risco de ter uma segunda onda, uma terceira onda..."

​Para o médico, que atua no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, referência no combate ao novo coronavírus no Rio, o Brasil não conseguiu "fazer bem o dever de casa do isolamento porque não garantiu medidas de proteção social para as famílias" e "medidas de preservação dos trabalhos". E isso levou a "uma situação absurda", de continuar a ter mais pessoas infectadas à medida que se reabre a economia e ainda com dificuldades de se fazer planejamentos mais precisos pela falta de testes.

Telles acredita que com um "retorno precipitado" às atividades, que é o que parece estar acontecendo no Brasil, há a possibilidade de se provocar uma "nova onda de transmissão, inclusive pior do que a primeira".

"É uma situação muito ruim porque a gente vê o setor econômico pressionando e a gente vê o governo federal, do estado e do município querendo reabrir a qualquer custo, entretanto, sem adotar medidas, como outros países adotaram, para resguardar empregos, resguardar as próprias empresas."

O especialista avalia que as reaberturas ou tentativas de reaberturas que vêm ocorrendo ou sendo discutidas no Brasil levam em conta apenas o fator econômico, sem nenhum respaldo científico. Pior, ele sublinha, é fazer isso com os hospitais lotados, dificuldades para recrutar mais profissionais de saúde e níveis de equipamentos e remédios abaixo do necessário para atender à parcela da população já afetada pela pandemia.

"E essa é uma situação revoltante e que, do ponto de vista da saúde pública, do ponto de vista coletivo, enfim, de solidariedade, não faz nenhum sentido no momento."

 

Veja também:

>> Perpétua Almeida alerta para risco de sabotagem de manifestações antifascistas

>> Brasil galopa em direção ao posto de número 01 da pandemia

>> Covid-19 já matou 44 presidiários no Brasil

>> Não tardará a hora das Forças Armadas brasileiras nos darem adeus

>> PMs se posicionam ao lado dos fascistas nos protestos do fim de semana

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Flexibilização precipitada pode antecipar segunda onda no Brasil
 

Copyright 2021 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!