• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20200404 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Sexta-feira, 03 de Abril de 2020

Gabriela Prioli terá programa no horário nobre da CNN Brasil
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Terça-feira, 28 de Janeiro de 2020

Filme "Codinome Clemente" está no Vakinha.Com

Clemente: o doce guerrilheiro que fez bolo de chocolate
Clemente: o doce guerrilheiro que fez bolo de chocolate

Conheci Carlos Eugênio da Paz, o Clemente, militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), trabalhando como repórter. O conhecia de nome e sabia que ele fora um dos principais guerrilheiros a entrar de peito aberto contra a ditadura e a executar planos enfrentamento que poucos ousariam. Mas, para quem pensa que Clemente era a encarnação do soldado vibrador e sanguinário, esqueça. Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz carregava o DNA do seu último nome. Era o próprio violonista, escritor, poeta e defensor dos Direitos Humanos. Se você não o conheceu, vos apresento agora.


Seu nome na ALN de Carlos Marighella e companhia era "Clemente". Era um menino, servia ao Exército e havia ganhado o título de melhor atirador da instituição militar, quando optou por defender a Democracia.

Largou a casa dos pais e caiu na clandestinidade. Esteve em São Paulo e ajudou a organizar os chamados aparelhos e a garantir a segurança de outros bravos como ele. Uma das melhores histórias que ouvi dele e do personagem citado foi sobre uma festa de aniversário realizada na Zona Oeste do Rio, mais precisamente no bairro Jabour.

Era aniversário de Maria do Amparo Araújo, que caiu na luta armada aos 14 anos, ao lado do irmão Luiz Almeida Araújo. Ela, no aniversário de 15 anos, ganhou de presente uma aula para aprender a atirar com uma espingarda calibre 12.

No aniversário seguinte, escondida no Jabour com Clemente, ganhou dele algo impensável: um bolo de chocolate. O doce guerrilheiro foi à rua, sob o risco de ser reconhecido, para comprar os ingredientes. Amparo disse a este repórter:

- Foi o doce de chocolate mais gostoso que comi na minha vida!

Quatro décadas depois, consegui colocar os dois ao telefone. Ele no meu escritório, no Rio, e ela na sua casa em Recife. Riram e choraram. Pena não ter tido o ímpeto de gravar. O bravo morreu em junho do ano passado aos 68 anos - leia aqui.

Clemente terá sua história narrada em filme. Para concluí-lo precisamos da ajuda de quem gosta de história, de heróis que a narrativa oficial prefere manter no anonimato e de cinema. O nome do filme que está em execução e precisa de apoio financeiro é "Codinome Clemente".

Para ajudar, com qualquer valor, clique aqui

 

Veja também:

>> Tunai: a morte de um cantor e compositor que viveu à sombra - vídeo

>> Prefeitura mantém horário de blocos tradicionais do Rio

>> Baixas no Nazismo: após secretário de Cultura, agora alvo é fazendeiro mineiro

>> Dino, hoje, seria o melhor candidato da esquerda

>> Lula quer Marília Arraes para a prefeitura do Recife

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Filme "Codinome Clemente" está no Vakinha.Com
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!