• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20201026 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020

Robinho e seu Deus "particular" contra "pessoas usadas pelo demônio"

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 17 de Outubro de 2020

Crítica & Literatura: Tsundoku ao chão!

Tsundoku ao chão!



Por Olga de Mello*

Quero esfacelar meus tsundokus, as colinas de livros empilhados pela casa, à espera de leitura e de seu sossego definitivo nas prateleiras, de onde podem até ser retirados para novas vistas d'olhos. Como os japoneses têm essa palavra tão simpática e a guru da arrumação Marie Kondo, que, reza a lenda, não vê necessidade de guardar mais do que umas parcas dezenas de livros em casa? Simplicidade, para muitos é ter apenas um carro, em vez de dois, nada além de 25 pares de sapatos. Para mim é dispensar tantos calçados - já fui páreo para Imelda Marcos, quase uma centopeia -, me desfazer de um carro que me serviu por 21 (!) anos e acumular apenas uns 2 mil livros.



Minha biblioteca já teve mais que o dobro desses volumes. Por falta de espaço para acomodar a todos e de saúde para ler os que estavam tomados por manchas de mofo e fungos que quase me levavam para o balão de oxigênio, fui me desfazendo de muitas duplicatas - quem gosta de livro guarda exemplares diversos do mesmo título por causa "da capa muito bem bolada", do prefácio do especialista", "do posfácio de amigo do autor" - e até de exemplares únicos que mereciam ser conhecidos por outros leitores. Nada disso faz diminuir o número que surge em todos os ambientes da casa. E, não, não vou botar tudo no Kindle. Quero livro mesmo, com capa e papel pra ser manuseado, sujo, usado, incorporado.



À minha espera, por alguns anos, estavam dois policiais - entre tantos outros. Depois que leio algo muito bom, que me causa impressão forte, preciso me enroscar com um policial, porque, mesmo quando não é uma leitura impressionante, sei que terei uma experiência agradável. Eu vinha da leitura de um texto inédito maravilhoso e de um impressionante romance recém-lançado, O caso Édipo (Ventania Editorial, R$ 42 ), de Luiz Antônio Aguiar, que faz Antígona exigir de Hades um novo julgamento para o pai.

Um livro que merece novas leituras e considerações, ao trazer uma nova visão - e bastante plausível - sobre os culpados pela tragédia de uma família, desfeita, reconstruída e destroçada pelo mesmo personagem, o homem que mata o pai e se casa com a mãe.

Para minha surpresa, um dos velhos volumes intocados foi uma grata surpresa. Linda, como no caso do assassinato de Linda (Intrínseca, R$ 30), do sueco Leif GW Persson, tem mais de 400 páginas que se esgotam mais rapidamente do que o leitor gostaria. Além de escritor, Persson é um dos mais renomados criminalistas da Suécia, professor universitário e consultor do ministério da Justiça. O conhecimento empírico dos processos criminais garante à narrativa uma rara autenticidade.


Um crime que seria banal em países violentíssimos, como o Brasil, chama atenção de toda a imprensa e das autoridades de segurança do país. O corpo de uma policial novata de uma cidade de veraneio é encontrado com sinais de estrangulamento, estupro e tortura. Para auxiliar a unidade da cidadezinha é destacada uma equipe da capital, coordenada pelo inspetor Evert Bäckström, a antítese do homem escandinavo que o mundo acredita existir. Bäckström é alcoólatra, machista, racista, falso e com escassos padrões de honestidade. Seu total desprezo pela humanidade é compensado pela capacidade de se cercar de um grupo de policiais dedicados, além de uma tremenda presença de espírito, sarcasmo e muita sorte: quase todos os crimes de grande repercussão em sua área foram desvendados por sua equipe. Detestável e fascinante, Bäckström é um personagem tão bem construído quanto o relato da lenta investigação que consome mais de dois meses, milhares de testes de DNA e entrevistas com boa parte da população da região. O único senão de ler Persson é descobrir que a única edição de um livro seu no Brasil é Linda. Que venham outros!!!



* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo.

 

Veja também:

>> Santos desiste de Robinho após críticas generalizadas - vídeo

>> Impopularidade de Bolsonaro no Rio pode favorecer união da esquerda

>> Dia do Professor e a heroína escondida pela História

>> A polêmica da Foto do Maestro Júnior no Museu do Flamengo

>> Torcedores se mobilizam contra chegada de Robinho ao Santos

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: Tsundoku ao chão!
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!