• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20171018 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Quinta-feira, 06 de Julho de 2017

Cobrar meia entrada de mulher é machismo?


Por Fábio Lau

Vivendo e ... reaprendendo. Houve um tempo em que nas festas ou até casas noturnas fazia-se uma observação nos cartazes: homem paga X e mulher paga meia. Ou, numa rede de malha ainda mais fina, pregava-se que "damas não pagam". O motivo? Ouvi várias versões. Uma delas dava conta de que, com muita mulher, reduzia-se a briga.... por mulher. Ou ainda: mulher faz menos bagunça e sujeira - daí a despesa com segurança e higiene serem menores. Mas o fato é que, como a sociedade não para, hoje pensa-se que não cobrar da mulher é um meio de torná-las reféns dos homens. Atraí-las para o ambiente do predador. Será? Mas Mate da Lus vai além. Diz que tal prática é algo a lesar especialmente os homens. Financeiramente falando.


Neste artigo, Matê da Luz diz tratar-se de uma isca descarada esta história. Será que até o gesto que alguns crentes julgavam "cavalheiresco" tinha por trás a sanha do lobo mau?

A isca do machismo quando a mulher paga menos



por Matê da Luz*

Se você tem uma vida social mais ou menos ativa, certamente já esteve presente em casas noturnas ou bares que cobram entrada anunciando valores diferenciados ou gratuidade para mulheres. "Uau, mas até disso vai reclamar? Mulher é chata mesmo!"


Antes de mais nada, sim, até disso vou reclamar. Depois, vale saber que quem levantou a bola mais recente neste contexto foi um estudante de direito brasiliense menino, o Roberto Casali Junior que, em entrevista à TV, disse: "eles transformam a mulher em um produto e fazem o homem de trouxa, pois é ele quem deve pagar um valor maior. Dessa forma, o estabelecimento ganha mais com isso". De novo: não tem problema algum estabelecimentos comerciais desejarem ganhar mais dinheiro, afinal, este é o intuito de todo e qualquer empresário, ou deveria ser. As questões aqui apresentadas são, basicamente, a que preço (quase que literalmente).

Sob a visão do estudante de direito, esta prática viola as leis do consumidor, uma vez que o produto ofertado é o mesmo para homens e mulheres e, então, deve ser vendido pelo mesmo preço, uma vez que tanto homens quanto mulheres são vistos com igualdade pelas leis (são? ah, tá!). Na prática, quando foi comprar ingresso para um show, percebeu o valor diferenciado e solicitou a compra no valor mais baixo, argumentando que o produto é o mesmo. Após a negativa do estabelecimento em realizar a venda balizada pelo preço "de mulher", o advogado entrou na justiça exigindo o direito a pagar o valor mais baixo.

A resposta do judiciário foi rápida, concedendo uma liminar favorável ao pedido justamente embasada pelo argumento de igualdade de gênero do consumidor. "Não há dúvida de que a diferenciação de preço com base exclusivamente no gênero do consumidor não encontra respaldo no ordenamento jurídico pátrio. Ao contrário, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) é bastante claro ao estabelecer o direito à "igualdade nas contratações", alega a juíza Caroline Santos Lima em sua decisão.

Mas não para por aí. A juíza expressa o uso da mulher como isca para atrair os homens para eventos: "Fato é que não pode o empresário-fornecedor usar a mulher como "insumo" para a atividade econômica, servindo como "isca" para atrair clientes do sexo masculino para seu estabelecimento. Admitir-se tal prática afronta, de per si, a dignidade das mulheres, ainda que de forma sutil, velada. Essa intenção oculta, que pode travestir-se de pseudo-homenagem, prestígio ou privilégio, evidentemente, não se consubstancia em justa causa. Pelo contrário, ter-se-á ato ilícito", afirma a magistrada na liminar. Aplausos para o registro que, infelizmente, só dá conta deste evento em particular mas, de qualquer forma, abre precedente e levanta o questionamento para a ação feminista embasada e sólida neste mundo e arredores.

Quero só ver macho vir falar que é mimimi.

Do Blog da Mate da Luz

 

Veja também:

>> Medicamento essenciais não podem ser monopólio de laboratórios, diz especialista

>> Ex-Palmeiras, Cristaldo confirma interesse do Botafogo

>> Vice-prefeito de Cruzeiro acusado de estupro

>> Vanessa, 10 anos, morta numa ação da polícia - vídeo

>> Moro: entre a cruz e a caldeirinha

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Cobrar meia entrada de mulher é machismo?
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!