• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20200404 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Sexta-feira, 03 de Abril de 2020

Gabriela Prioli terá programa no horário nobre da CNN Brasil
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Segunda-feira, 03 de Fevereiro de 2020

A história de uma família de Nazistas que dá nome a bairro carioca

Por Lúcia Helena Issa*

"Um professor de História, em uma escola no Rio de Janeiro, estava dando uma aula sobre o nazismo numa manhã ensolarada de terça-feira e decidiu mostrar para os alunos uma suástica.

Disse que aquele era o símbolo dos nazistas.

Uma das alunas levantou a mão e afirmou, naquela manhã, que já havia visto no sítio da sua família um tijolo com aquele mesmo símbolo.

O professor procurou saber mais sobre o assunto. O tijolo pertencia a uma construção demolida.

Sidney Aguilar (o professor) não sabia que em sua pesquisa iria descobrir uma história tão triste e assustadora que daria origem a um documentário, o "Menino 23".

O sítio pertence a família Rocha Miranda, uma das famílias mais importantes da história do Rio de Janeiro e de origem escravocrata. Em sua pesquisa, Sidney descobriu que a família Rocha Miranda tinha um integrante que era membro do partido nazista aqui no Brasil, que era o maior partido nazista fora da Alemanha e que outras pessoas da família eram ligados ao Partido Integralista Brasileiro, um partido com uma essência de "fascismo tupiniquim".

Em sua pesquisa, Sidney descobriu que a família Rocha Miranda adotou 50 crianças de um orfanato para escravizá-las no trabalho rural e lucrar com elas. Todas eram negras.

No documentário, um homem conhecido como Aloísio, que foi uma das vítimas, disse que as crianças não eram chamadas por nomes, mas sim por números, e o seu era o número 23.

Os meninos só foram libertados quando o governo Vargas rompeu suas relações com Hitler.

Só então os nazistas brasileiros, assim como o Partido Integralista, foram acusados de vários crimes e os Rocha Miranda perderam parte de seu status social, mas não seu poder político e econômico.

Um Deputado Federal brasileiro chamado Alfredo da Matta em um discurso na década de 30 diria: "A eugenia, senhor presidente, visa a aplicação de conhecimentos úteis e indispensáveis para reprodução e melhoria da raça."

Nos anos em que os garotos foram escravos dos nazistas Rocha Miranda, o Brasil vivia o ápice da política de superioridade racial e de "branqueamento" da raça. E esses fatos não aconteceram há 200 anos.

Não.

Passaram- se pouco mais de 80 anos e a família Rocha Miranda ainda hoje dá nome a um imenso bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro, a cidade em que vivo e que amo profundamente.

Sim, o bairro homenageia os Rocha Miranda, os nazistas brasileiros, que já foram reverenciados por Bolsonaro quando ele decidiu fazer uma foto, há apenas 4 anos, ao lado de um candidato a vereador usando uma farda nazista e com um discurso neonazista.

É vergonhoso e cruel

* Lucia Helena Issa é jornalista e trabalhou nos jornais Folha de São Paulo e Jornal do Brasil, entre outros.
O texto foi publicado no Facebook da autora

 

Veja também:

>> Em livro, ator Mário Gomes quebra silêncio 44 anos sobre escândalo

>> SP: 29% dos jovens sofreram bullying em 2019 em escolas públicas

>> Dino eleva piso do professor para R$ 6,3 mil

>> Brasileiros na China imploram a Bolsonaro para serem repatriados - vídeo

>> Flamengo desafia a Globo e processa a emissora: "quer enriquecer às nossas custas!"

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
A história de uma família de Nazistas que dá nome a bairro carioca
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!