• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20170722 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Sexta-feira, 21 de Julho de 2017

A mosca que caiu na sopa do apresentador da Record - vídeo

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 01 de Julho de 2017

Crítica & Literatura: Um pouco além da literatura

Um pouco além da literatura "feminina"



Por Olga de Mello*

Há duas semanas saiu o resultado do Prêmio Sesc de Literatura 2017, vencido por José de Almeida Júnior, entre 980 concorrentes na categoria Romance, e João Meirelles Filho, o primeiro dos 813 inscritos na categoria Contos. Um João e um José, dois nomes tão representativos de nosso povo, ambos filhos, nos nomes que homenageiam os pais. Outros homens.

É desconhecida a representação feminina entre os concorrentes ao Prêmio, que, provavelmente, reflete um percentual baixo, demonstrado nas duas listas de selecionados finais. Dos 26 finalistas em Romance, só cinco são mulheres. Dos 33 selecionados na categoria Contos, há sete mulheres - entre elas, esta escriba aqui (um pouquinho sobre meu manuscrito é mencionado nesta entrevista para o programa Fora de pauta - exatamente em 3'22'' e em 11'10'')- leia no final desta postagem.






A proporção de mulheres entre os finalistas sempre é baixa - de todos os vencedores na história de 14 anos do Prêmio, há apenas sete mulheres, contra 17 homens (nos dois primeiros anos, só existia a categoria romance). Apenas uma vez, em 2015, mulheres ganharam em duas categorias: Martha Barcellos, com os belíssimos contos de Antes que seque (Record, R$ 34,90) e Sheyla Smanioto, pelo romance Desesterro (Record, R$ 42,90). Não acredito que o número de mulheres finalistas seja fruto de uma produção literária menos qualitativa, mas apenas no número inferior de escritoras entre os concorrentes.







E por que isso acontece até hoje? Porque, embora alcancem quase a metade da força de trabalho do mundo, as mulheres ainda são - em sua grande maioria - as responsáveis pelos cuidados com a família e pelas tarefas domésticas, como mostra documento da Organização Internacional do Trabalho. Ganham salários inferiores aos dos homens e ainda têm que enfrentar a dupla jornada de trabalho em casa, o que toma o tempo de criação.







Enquanto aplaudimos e reproduzimos iniciativas para estimular a leitura de mulheres, há muitas autoras que se recusam a reconhecer a legitimidade de prêmios como o Orange, reservado a escritores do gênero feminino, exatamente quando o conceito de gênero também se encontra sob revisão. Na visão de muitas escritoras, não existe "escrita feminina", nem livros "femininos". A segmentação da produção literária por gênero restringiria as mulheres a um gueto.








Empilhados em minha escrivaninha/mesa de cabeceira, neste momento, vejo A história secreta da Mulher-Maravilha (BestSeller, R$ 64,90), de Jill Lepore, Em águas sombrias (Record, R$ 42,90), de Paula Hawkins, As mães (Intrínseca, R$ 49,90), de Brit Bennet, Fátima - Milagre ou construção (Bertrand Brasil, R$ 39,90), de Patrícia Carvalho, e A senhora de Wildfell Hall (Record, R$ 59,90), de Anne Brönte.





Todos já folheados e de leitura iniciada. Por acaso, todos escritos por mulheres. O primeiro é a biografia do criador da personagem hoje vista como símbolo feminista, centrado em sua relação poligâmica com três companheiras. Os outros são uma novela policial protagonizada por mulheres, um romance sobre decisões de adolescentes e seus desdobramentos na maturidade, o aproveitamento midiático do relato de aparições da Virgem Maria para três crianças, em 1917, no interior de Portugal, e um clássico que mostra uma proprietária rural desafiando a sociedade britânica, nos anos 1820, administrando suas terras sem auxílio de homens. Um pouco além do que se imagina como "literatura feminina", não?



* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo.






Fora de Pauta: Assédios e o machismo nas redações - Por Olga de Mello:



 

Veja também:

>> Bebê é atingido por tiro no útero da mãe no nono mês de gravidez

>> Fora de Pauta: Jornalismo é cachaça, mas impõe uma vida madrasta - Por Olga de Mello

>> Morrem os jornalista Paulo Nogueira e Celso de Castro Barbosa

>> Dilma divulga nota de adeus a Paulo Nogueira

>> Das linguagens chulas, populares e folclóricas

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: Um pouco além da literatura
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!