• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20200930 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Terça-feira, 22 de Setembro de 2020

Mignonnes: corra e assista no Netflix antes que Damares censure
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

"Remédio Amargo": filme que lava a alma da mulher oprimida

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020

Crítica & Literatura: Sem perder a ternura jamais

Sem perder a ternura jamais




Por Olga de Mello*

Em tempos de #MeToo, a campanha contra o assédio sexual, o thriller Rede de sussurros (Intrínseca, R$ 49,90), da norte-americana Chandler Baker, trata da questão com uma narrativa tão dúbia quanto os acalorados debates sobre a validade das exigências feministas. Apesar do uso da primeira pessoa do plural para descrever os cuidados de três advogadas bem-sucedidas em se mostrarem "tão profissionais quanto os homens", a autora não deixa de lado as desconfianças da sociedade em relação a motivos ocultos de suas personagens quando acusam um chefe de assédio.




Chandler Baker se inspirou em sua experiência de advogada jovem num escritório repleto de homens de meia idade prontos a se insinuarem para ela. As "brincadeiras" maliciosas, respondidas com sorrisos, e a recusa em prestar queixa ao departamento de Recursos Humanos da banca, evitavam que tivesse seu nome queimado no mercado. Já suas personagens tentam apagar a feminilidade "na medida certa" para compensar a desvantagem de ser mulher no ambiente de trabalho. Elas fingem concordar que "o interesse por maquiagem, romance e Real Housewives era realmente mais fútil do que uma obsessão por esportes, cerveja artesanal e videogames". Apontar assédios, dizem, "seria o mesmo que admitir que o fato de sermos mulheres importava".




A maior parte das mulheres que trabalha "fora" sofre as mesmas pressões que as três protagonistas. Estas se consideram fortalecidas fisicamente por enfrentar a dor ao dar à luz, fazer depilação, calçar sapatos que deformam a planta dos pés, aplicar botox na testa, furar orelhas, colocar silicone nos seios, "todos esses pequenos sacrifícios para parecer mais esbeltas e elegantes, (...) tudo isso endurecia nosso couro, afiava nossas garras". A decisão de denunciar o chefe por seus repetidos assédios a subordinadas impedirá que ele conquiste a presidência da firma, cargo almejado por uma das advogadas - que, no início da carreira, envolveu-se num caso com o acusado, um duplo motivo para desconfiar das reais intenções das três mulheres.






Se a narrativa segue a construção consagrada pela novela policial contemporânea - desalinhamento cronológico, flashbacks desvendando a complexidade das personagens e da trama, além de depoimentos/entrevistas à Justiça, Polícia, imprensa - , o toque diferencial está nas protagonistas multifacetadas, sem atitudes lineares ou qualquer demonstração de inocência. Os homens não exercem apenas a vilania, embora os maridos das advogadas nem estejam na categoria de príncipes encantados.

Eles aparecem na trama em segundo plano, assim como os filhos, crianças longe da perfeição alardeada pelos cultores da maternidade. As mulheres amam seus filhos, porém guardam as demonstrações de ternura do público.







Homens, geralmente comedidos ao expressar ternura, não se acanham em alardear suas paixões por animais. Escritores, em particular, têm apreço por gatos, os bichos de estimação que mais frequentam livrarias e bibliotecas em todo o mundo, em contar traças e ácaros, claro. Ernest Hemingway gostava de se cercar por gatinhos, que considerava emocionalmente honestos: "Por uma razão ou outra, os seres humanos podem esconder seus sentimentos, mas os gatos, nunca", dizia.
Em sua casa na Flórida, hoje um museu, vivem 60 gatos. Felinos também encantavam William Burroughs, um dos mais anticonvencionais dos escritores beats, que reuniu suas impressões em O gato por dentro (LP&M, R$ 10,80).







Nos textos curtos, Burroughs, que encarnou como poucos a figura de escritor maldito,- homossexual de família burguesa, cursou Harvard, foi dependente e traficante de drogas, passou por diversas internações para desintoxicar-se e matou sua mulher, acidentalmente, com um tiro - revela uma pouca conhecida doçura. Para ele, ao não "oferecer serviços", o gato mostra que espera carinho e abrigo: "O amor não é de graça. Como todas as criaturas puras, os gatos são pragmáticos".



* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo.

 

Veja também:

>> Conexão Jornalismo em luto por Valdir Espinosa

>> Bolsonaro vai para o tudo ou nada acreditando que terá tudo

>> Hildegard Angel diz que "PSDB é o partido psicopata", não sente remorso

>> Crítica & Literatura: Despedida carnavalesca

>> PT vai pedir convocação de Moro por abuso de autoridade contra Lula

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: Sem perder a ternura jamais
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!