• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20181117 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Sábado, 03 de Novembro de 2018

Alec Baldwin é preso após confusão em estacionamento

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 05 de Maio de 2018

Crítica & Literatura: O efêmero e o perene na cultura pop

Felipe Nettp: influenciadores digitais aproveitam mais do que 15 minutos...
Felipe Nettp: influenciadores digitais aproveitam mais do que 15 minutos...

O efêmero e o perene na cultura pop




Por Olga de Mello*

Nem adianta espernear: no alto da lista brasileira dos livros mais vendidos estão autores que se tornaram célebres por gravarem vídeos e divulgarem opiniões na Internet. A discutível qualidade literária desses influenciadores digitais, que aproveitam plenamente mais que quinze minutos de fama, é capitalizada pelo mercado editorial com biografias ou livros de atividades, destinados a um público adolescente que dificilmente se interessaria por leituras mais sofisticadas do que revistas bem ilustradas - formatos preferenciais de muitas dessas publicações.



Os números alcançados impressionam em tempos de crise, embora provavelmente não haja nenhum long-seller entre os títulos que abordam a trajetória dessas celebridades do tempo em que eram anônimos até o reconhecimento público. Há cinco anos, Felipe Neto lançou sua primeira autobiografia, "Não faz sentido" (Casa da Palavra, R$ 39,90), com uma recepção menos retumbante do que a mais recente, que, em 2017, vendeu 110 mil exemplares. Somente em abril, seu "A vida por trás das câmeras" (Pixel, R$ 19,90) teve mais de 27 mil cópias vendidas. No mesmo período, "As aventuras na Netoland com Luccas Neto" (Pixel, R$ 19,90), assinado por seu irmão, Luccas, teve quase 70 mil cópias comercializadas.



A irreverência, traço comum aos youtubers, não se faz tão presente nos textos escritos, cujo sucesso é uma complementação ou certificação do produto bem-sucedido que todos apresentam: os personagens criados em tela. Em 2016, quando a recessão no Brasil mostrou sua força, os livros de colorir, que haviam salvado o mercado editorial no ano anterior, deram lugar às celebridades da internet, todos com vendas expressivas, acima de 100 mil cópias. O preço acessível, a linguagem do dia a dia, somados ao carisma construído pelos autores garante ao consumidor uma leitura rápida, descartável e divertida, cuja obsolescência não chega a ser programada, embora bastante previsível.



Entre as incontáveis formas literárias, o conto, que poderia sagrar-se como a principal leitura nesses tempos de alta velocidade e intensa busca de novidades, mantém sua trajetória a reboque da consagração artística conferida pelo romance. Editores costumam rejeitar livros de contos, a despeito da brevidade do tempo de atenção dos leitores, cada vez menos propensos à concentração exigida por uma leitura extensa e nem sempre tão densa. Até a vetusta Academia Sueca já se rendeu aos contistas, conferindo o Nobel em 2013 à canadense Alice Munro, especializada em histórias relativamente curtas. A intrigante - para olhos capitalistas ocidentais - história recente da Rússia e os países que compuseram a União Soviética são o tema dos fascinantes contos reunidos em "Trilha sonora para o fim dos tempos "(Intrínseca, R$ 44,90), do americano Anthony Marra.



Apontado como um dos mais promissores autores novos pela crítica especializada, Marra fez do Leste Europeu, onde morou, o ambiente de seu primeiro romance, "Uma constelação de fenômenos vitais" (Intrínseca, R$ 44,90), que aborda os efeitos da guerra sobre um grupo de pessoas na Chechênia. Os personagens dos contos de "Trilha sonora" evocam o temor e a sobrevivência sob o regime ditatorial soviético e a adaptação a uma nova nação, mais liberal, politicamente, porém sob o jugo de mafiosos, que controlam o destino da população tão severamente quanto o partido fazia anteriormente. Uma leitura fácil, rápida, mas que impregna o leitor com a reflexão sobre as mutações sociais e econômicas que norteiam as vidas.



* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo

 

Veja também:

>> Eric: o violinista do subúrbio do Rio que vai levar música ao Mississipi

>> Jornalistas morrem em acidente em BH

>> Sabe aquela sensação de que a Intervenção do Exército não adianta coisa alguma?

>> A milícia, a segurança pública e a derrota evitável no campo político

>> O que diminui o aborto é a legalização

>> Bombeiros encontram o primeiro cadáver na área dos escombros

>> Elisa Lucinda: como podemos ir à igreja e tolerar o preconceito

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: O efêmero e o perene na cultura pop
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!