• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20190521 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Terça-feira, 14 de Maio de 2019

Reinaldo Azevedo diz que sentença de Lula precisa ser anulada
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Segunda-feira, 29 de Abril de 2019

Jovem russa é condenada nos EUA após se passar por herdeira milionária

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Sábado, 15 de Dezembro de 2018

Crítica & Literatura: Lista de Natal para aliviar o calor tropical

Lista de Natal para aliviar o calor tropical



Por Olga de Mello*

O calor carioca se apresenta em toda a sua glória. Uma amiga avisa que está na praia, bebendo cerveja e lendo "A amiga genial"(Biblioteca Azul, R$ 37,72), de Elena Ferrante, enquanto desbravo, sob o ventilador, hesitando entre deixar a leitura e trabalhar, "Assombrações " (Todavia, R$ 37,72), de Domenico Starnone. O autor, que já ganhou o maior prêmio literário italiano, o Stregha, em 2001, tem o mesmo estilo arrebatador de Ferrante, pseudônimo que esconderia a tradutora Anita Raja, casada com Starnone. Há alguns anos, Starnone foi apontado como quem estaria por trás dos títulos assinados pelo fenômeno de vendas e crítica até uma investigação jornalística chegar a Anita Raja, cruzando dados do imposto de renda para comprovar a compatibilidade do aumento de patrimônio do casal com o sucesso da Tetralogia de Nápoles.



"Assombrações" explora as dificuldades de sobrevivência dentro da célula familiar. Um ilustrador idoso vai cuidar do neto de quatro anos para que a filha e o marido saiam em viagem e tentem acertar problemas conjugais. É o mesmo universo explorado por Starnone em "Laços" (Todavia, R$ 37,72), que trata da separação e da reconciliação de um casal, contada pelo ponto de vista de cada um e dos filhos. Desta vez, o encontro entre avô e neto é uma volta inesperada, indesejada e temida do homem maduro ao apartamento onde cresceu, que encerra as respostas para indagações presentes por toda a vida. A narrativa que faz o leitor perder o fôlego e querer deixar tudo de lado para se enredar na leitura é um dos principais motivos para oferecer este romance como presente de Natal.








Duas maneiras diferentes de contar um clássico estão em "O Quebra-nozes" (Zahar, R$ 33,52), com a versão original do conto, de E. T. A. Hoffman, e sua adaptação por Alexandre Dumas, no belo volume da coleção Clássicos Zahar - que traz ilustrações de Bertalli criadas para a primeira edição francesa.

Lançado em 1816 por Hoffman, o conto "O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos" torna-se sucesso mundial a partir de 1844, com a tradução para o francês de Dumas. A consagração como história natalina chega em 1892, quando Piotr Tchaicovsky compõe oito peças para o espetáculo de balé "O Quebra-Nozes".







A conhecida história conta a luta de um quebra-nozes enfeitiçado contra um exército de camundongos, acompanhada pela menina Marie, na noite de Natal.
A ideia de Hoffman é mantida por Dumas, que a transforma em relato para uma plateia de crianças francesas, apresentando costumes alemães (como a troca de presentes entre 24 e 25 de dezembro, quando na França é em janeiro) e buscando aproximação com o mundo infantil.
Hoffman criou a história fantástica, violenta e com o tom assustador dos contos de fadas recolhidos por Grimm.











Na década de 1990, a mexicana Laura Esquivel buscou o realismo fantástico latino-americano para contar o romance impossível entre os protagonistas de "Como água para chocolate" (Bestbolso, R$ 34,90), que vendeu mais de 4,5 milhões de exemplares no mundo inteiro. "Lupita gostava de engomar" (Bertrand Brasil, R$ 36,71) traz uma policial baixinha, gorducha, que sofre de incontinência urinária em momentos de tensão, às voltas com um crime político num cenário de violência, religiosidade, tráfico de drogas e corrupção. A cada capítulo, um novo elemento do passado de Lupita surge para explicar sua sobrevivência aos dramas pessoais, ao alcoolismo e à rejeição constante por uma sociedade que exclui pobres fora dos padrões de beleza convencionais.







* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária
e escreve aos sábados em Conexão Jornalismo

 

Veja também:

>> Castrinho é acusado de abuso sexual por Iris Bruzzi. Ele nega

>> "Já fez o depósito?" Motoristas do Rio não aguentam mais a piada

>> viúva de Rubens Paiva, Eunice morre aos 86 anos

>> PT emite nota de apoio a Marcelo Freixo e exige apuração do crime contra Marielle

>> Fux prepara terreno para a extradição de Cesare Batisti

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: Lista de Natal para aliviar o calor tropical
 

Copyright 2019 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!