• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
SELECT TOP 3 B.Codigo , B.Nome_Arquivo , B.Href , B.Descricao FROM Banner B WHERE B.Publicar = 1 AND B.Data_Expiracao >= 20180419 AND B.[1pagina] = 1 AND B.Cod_Tipo_Banner = 4 ORDER BY B.Data_Publicacao DESC, codigo DESC
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Quinta-feira, 19 de Abril de 2018

TVs do Reino Unido revelam caso de mulher que escravizava namorado

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > notícias conexão

Notícias Conexão

 

Quinta-feira, 29 de Março de 2018

Crítica & Literatura: Escritos em série

Escritos em série



Por Olga de Mello *

Se hoje as narrativas que se contam aos pedacinhos ficaram restritas aos meios audiovisuais (em algum lugar do mundo ainda deve existir radionovelas), a indústria da literatura mantém seu lugar no panteão dos fascículos com as "séries" - livros que contam aventuras e desventuras entremeando personagens já citados em obras anteriores de um autor. Novidade, isso não é. No tempo dos folhetins, Alexandre Dumas continuou a saga de D'Artagnan, Porthos, Athos e Aramis em "Vinte anos depois" (Intrínseca, R$ 94). Os escritores de policiais geralmente têm um investigador que repete seus métodos em diferentes cenários, de Sam Spade ao detetive sem nome (de Dashiel Hammet), Hercule Poirot, Miss Marple, Tommy e Tuppence (de Agatha Christie), Phillip Marlowe (de Chandler). E claro, Sherlock Holmes, de Conan Doyle.





O que leva o leitor a buscar histórias muito semelhantes, algumas se distinguindo por poucos detalhes das demais, girando em torno da repetição de métodos dos protagonistas para seu desenrolar? Talvez o gosto pela repetição, pela rotina, pelo que já se conhece. Minha diversão, em criança, era tentar descobrir o culpado pelos crimes antes que o investigador os apontasse. Uma diversão que cai por terra devido à tendência atual de sabermos quem é o bandido antes dos mocinhos em enredos que acompanham diversos personagens ao longo da trama, para intrigar o leitor até a virada final.





Caso de "O homem perfeito" (Bertrand Brasil, R$ 49,90), de Linda Howard, que junta thriller e romances eróticos. Ex-autora de romances de bancas de jornal, Linda Howard resolveu trazer para as novelas picantes destinadas ao público feminino doses de suspense que seriam perfeitas se a trama, em si, não estivesse tão distante da vida contemporânea. Um grupo de amigas enumera numa lista as qualidades do homem perfeito. A brincadeira acaba publicada num site e viraliza, tornando-se notícia de interesse nacional em programas de televisão e levando um serial killer a tentar eliminar as autoras da gracinha. Por uma coincidência do destino, uma das cinderelas mora ao lado do policial rude e naturista encarregado de investigar o caso, o que dá margem a diversos enlaces carnais antes que o casal - cuja volúpia causa inveja em adolescentes - se veja completamente apaixonado e pronto a contrair matrimônio. Embora divertido, o romance carece de densidade na composição do psicopata.





A mesma carência é verificada em "Amor Verdadeiro" (Verus, R$ 44,90), um pastiche de Orgulho e Preconceito, que retoma personagens de "A pequena livraria dos corações solitários" (Verus, R$ 44,90). A autora se propôs a contar a vida sentimental de todos os que trabalham na livraria dedicada a livros românticos. Neste, uma das vendedoras é especialista em Jane Austen e encontra seu gentil cavalheiro, podre de rico, distante, educado e esquisitão para amar. No entanto, a mocinha é calcada numa personagem menor de Austen, que vive enfiada nos livros, sem um pingo de charme e carisma. Difícil criar alguma empatia com a protagonista.




Quem quer trilhar caminhos confortavelmente conhecidos não sofrerá qualquer decepção com "A sede" (Record, R$ 59,90), do sueco Jo Nesbo. A mais recente incursão do detetive Harry Hole é com um assassino que marca encontros com mulheres pelo Tinder para matá-las e beber o sangue das vítimas. Embora sejam raríssimos os casos de malucos desse calibre, a obra de Jo Nesbo já vendeu mais de 40 milhões de exemplares no planeta pela naturalidade em que ele apresenta a maldade das mentes doentias.





* Olga de Mello é jornalista, cronista, crítica literária e esta semana escreve excepcionalmente nesta sexta-feira para Conexão Jornalismo



 

Veja também:

>> TV chinesa grava programa sobre CIEP no Rio de Janeiro

>> "Novo rosto de Jesus" encerra ideologia eurocentrista

>> Maria Ribeiro é alvo de ataques após criticar violência contra Caravana de Lula

>> Associação de delegados desmente Beto Richa

>> Gilmar Mendes manda editor da Folha enfiar pergunta na "bunda"

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Crítica & Literatura: Escritos em série
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!