• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > trabalho/emprego

Trabalho/Emprego

 

Domingo, 13 de Maio de 2018

Justiça decreta prisão preventiva de dois milicianos de Duque de Caxias

Cidade de Duque de Caixas: drama na convivência com milicianos
Cidade de Duque de Caixas: drama na convivência com milicianos

A milícia é certamente o maior problema da Segurança Pública já experimentado pelo Rio de Janeiro. E a razão é simples: ela congrega os males de outros setores da criminalidade, como tráfico de drogas, e explora serviços destinados aos mais pobres - como água, energia, TVs a cabo, internet, transporte e botijão de gás. Além disso mantém apoio e estreitas relações com o universo religioso interferindo até mesmo no ambiente político - indicando e determinando o voto em determinados candidatos.



Esta semana, em nota, o Ministério Público do Rio solicitou a prisão preventiva de dois dos mais conhecidos milicianos de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A Justiça decretou. Leia aqui a nota do MP:




O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), obteve, na quarta-feira (09/05), a decretação da prisão preventiva de dois milicianos de Duque de Caxias. Pedro Paulo da Silva Figueiredo - conhecido como Japonês - e Guilherme de Souza Barbosa foram denunciados pelo MPRJ, no último dia 17 de abril, por homicídio duplamente qualificado, cuja pena é de doze a trinta anos de reclusão.

As investigações apuraram que os dois contrataram um assassino de Magé, ainda não identificado, para matar um integrante do grupo, que estaria repassando informações para um bando de milicianos rivais. "Consta dos autos que os denunciados são integrantes de uma milícia, da qual a vítima também fazia parte, que atua em alguns bairros no município de Duque de Caxias", diz a denúncia recebida pela 4ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias.

O crime ocorreu em agosto de 2017, quando foram efetuados disparos de arma de fogo contra Maicom de Oliveira dos Santos, causando a sua morte. De acordo com a denúncia, Japonês, líder do bando, desconfiou que Maicom estivesse repassando informações para o grupo rival, razão pela qual, por intermédio de Guilherme, contratou um matador para executá-lo.

Tânia Salles Moreira: referência de enfrentamento do crime
Tânia Salles Moreira: referência de enfrentamento do crime  


A denúncia destaca que Japonês ordenou a execução da vítima, que estava em uma barbearia em Vila Urussaí, Duque de Caxias, quando foram efetuados os tiros. Ainda segundo as investigações, além de ser o intermediário na contratação do executor, Guilherme auxiliou Japonês.



Em outubro de 2017, os denunciados foram alvo da operação chamada "Gás Over" realizada pelo GAECO/MPRJ em conjunto com a Delegacia de Repressão as Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (DRACO -IE) e a Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Ambos já são réus em processo criminal pelo crime de milícia privada, além de homicídios, em denúncias oferecidas também pelo GAECO/MPRJ.

"Ressalte-se a personalidade agressiva dos denunciados que são integrantes de milícia atuante na região, possuindo livre acesso a armas de fogo o que evidencia seu poder intimidatório", alerta o pedido de prisão preventiva feito pelo MPRJ e aceito pelo juízo.


NdaR - A cidade de Duque de Caxias, entre os anos 50 e 60, viveu sob o jugo de um aventureiro que se dizia guardião da paz e da tranquilidade local: Tenório Cavalcanti. Armado com uma metralhadora, chamada de "Lurdinha", era, segundo registros da época, um dos mais conhecidos mandantes de crimes de homicídio contra supostos assaltantes e traficantes. Com sua morte, nos anos 80, foi substituído por grupos de extermínio. Esta corrente, que seria substituída pelos atuais milicianos, era combatido pela procuradora Tânia Salles Moreira, uma brava representante do Ministério Público responsável pela prisão de dezenas de criminosos. Morta, vítima do câncer, Tânia partiu antes de descobrir que o crime que tanto combateu hoje atende pelo nome de milícia - e parece ainda mais inexpugnável do que os anteriores.

 

Veja também:

>> Crítica & Literatura: Uma relação de amor e indiferença

>> Filho de Vlado quer que EUA liberem todos os arquivos envolvendo morte de seu pai

>> O blindado Beto Richa é denunciado por amigo de infância

>> Mães que tiveram filhos assassinados pelo estado ensaiam protesto

>> Padre Fábio de Mello é notificado por intolerância religiosa

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Justiça decreta prisão preventiva de dois milicianos de Duque de Caxias
 

Copyright 2020 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!