• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 
Audiência na TV

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

Caetano entrevista Manuela D'Ávila
Audiência na TV

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook

Conexão TV

Terça-feira, 02 de Outubro de 2018

Globo X Record: nem nas pesquisas as emissoras combinam

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > saúde > bem estar

Saúde - Bem Estar

 

Segunda-feira, 07 de Maio de 2018

Você já ouviu falar da "Síndrome Mão-Pé-Boca?" Pois ela virou surto em MG

Crianças são o principal foco da doença
Crianças são o principal foco da doença


O que chama a atenção principalmente é o nome para lá de inusitado: Síndrome da Mão-Pé-Boca". A partir daí você descobre que não só tal síndrome existe como hoje se transformou em surto em solo mineiro. O estado experimenta o terceiro surto da síndrome que já atingiu 107 pessoas, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), da Secretaria de Estado da Saúde. A doença, ainda pouco conhecida, é virótica e altamente contagiosa.



Segundo a SES, ela é mais frequente em crianças de menos de cinco anos, embora possa afetar adultos. Tem esse nome justamente porque as lesões localizam-se nos pés, mãos e interior da garganta. No ano passado, um surto foi registrado na região de Varginha, Sul de Minas, atingindo 176 pessoas.

De acordo com a técnica Tânia Marcial, do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS Minas), o diagnóstico da síndrome é clínico, baseado nos sintomas, localização e aparência das lesões.

"É importante estabelecer diferenças em relação a outras doenças que também provocam estomatites aftosas ou vesículas na pele. Não há tratamento específico para a síndrome. Em geral ela regride espontaneamente depois de alguns dias. Por isso, na maior parte dos casos, o tratamento é realizado com antitérmicos e anti-inflamatórios com o objetivo de tratar os sintomas. O ideal é que o paciente permaneça em repouso, tome bastante líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta", explica.

O período de incubação do vírus é de 4 a 6 dias. Geralmente a doença inicia-se com febre (38°C a 38,9°C). Um a dois dias após, aparecem aftas dolorosas e gânglios aumentados no pescoço. Depois pode surgir nos pés e nas mãos uma infecção moderada sob a forma de pequenas bolhas não pruriginosas e não dolorosas, de cor acinzentada com base avermelhada. Essas lesões podem aparecer também na área da fralda (coxas e nádegas) e eventualmente podem coçar. Em geral, regridem juntamente com a febre, entre 5 e 7 dia.

Peregrinação a médicos



A empresária Lorena Cruz, mãe da Maria Flor, de apenas um ano e três meses, teve que fazer uma verdadeira peregrinação a médicos até conseguir amenizar a dor da filha que foi uma das vítimas da doença. Por desconhecer a enfermidade e mesmo depois de perceber manchas avermelhadas na região da frauda em sua filha, acreditou se tratar de uma simples assadura.

No entanto, contra Lorena, ela percebeu também a presença de bolha e decidiu levar Maria Flor a um serviço de urgência onde o médico reformou sua suspeita de se tratar de assaduras e dispensou medicação. Mas, conta a empresária, as manchas se espalharam pelo corpo da pequena e ela retornou ao médico. Desta vez, o diagnóstico foi alergia alimentar.

A medicação prescrita, diz Lorena, não surtiu efeito e, mais uma vez, ela procurou nova ajuda médica. Quando finalmente foi confirmada se tratar da síndrome mão-pé-boca. "Nunca tinha ouvido falar da síndrome. Pelo incômodo que causa nas crianças é importante ficar alerta, para permitir um diagnóstico mais rápido. E ajudar os pequenos a enfrentar o desconforto", aconselha.

Para se prevenir contra a síndrome é preciso lavar as mãos frequentemente com sabão e água, especialmente depois de trocar fraldas e usar o banheiro; limpar e desinfetar superfícies tocadas com frequência e itens sujos, incluindo brinquedos e evitar contato próximo, como beijar, abraçar ou compartilhar utensílios ou xícaras com pessoas com problemas de mãos, pés e boca.

Publicado originalmente por Maria Clara Prates no Bhaz

 

Veja também:

>> Diretor de cinema sul africano morre após ataque de girafa

>> Turismo sexual não é só coisa nossa

>> Leopardo ataca criança de 3 anos em Uganda

>> O ilegítimo pirou: Temer diz que é viável eleitoralmente

>> Um em cada quatro motoristas cariocas tem mais de 20 pontos na carteira

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Você já ouviu falar da "Síndrome Mão-Pé-Boca?" Pois ela virou surto em MG
 

Copyright 2018 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!